Na Folha: Economia brasileira vai começar ano em nível baixo, diz Meirelles

Publicado em 18/01/2017 15:26
345 exibições

O ministro Henrique Meirelles (Fazenda) disse que a revisão da expectativa para o PIB (Produto Interno Bruto) de 2017 deverá se dar em dez dias e que o nível será baixo.

A decisão ocorre após uma piora da previsão do FMI (Fundo Monetário Internacional) para o PIB, agora de apenas 0,2%.

"Vamos revisar em dez dias e analisar exatamente o que os indicadores que estão sugerindo para o crescimento em 2017", afirmou Meirelles a jornalistas no Fórum Econômico Mundial.

"Como tivemos uma forte recessão, vamos começar de um nível muito baixo, comparativamente aos 2% [anualizados, no final de 2017], anteriormente previstos", acrescentou.

DÓLAR

O ministro disse que o governo não se preocupa com a valorização do câmbio. "O câmbio é flutuante no Brasil. Acreditamos que a melhor forma de administrar é não ter nenhuma meta para o real."

Leia a notícia na íntegra no site da Folha de S. Paulo

No Estadão: Novo ritmo do BC é corte de 0,75 ponto na taxa de juros, diz Ilan

O Banco Central elegeu agora quedas de 0,75 ponto porcentual da Selic como o "novo ritmo" de afrouxamento monetário, conforme disse de forma clara nesta quarta-feira, 18, o presidente da instituição, Ilan Goldfajn, durante entrevista coletiva no Fórum Econômico Mundial de Davos. "Entramos num novo ritmo, 0,75 ponto porcentual é o nosso novo ritmo. Mas como vocês sabem, um novo ritmo pode mudar", afirmou.

Se houve necessidade de mudança, de acordo com Goldfajn, isso se dará por causa de expectativas de inflação (do BC, e não apenas do mercado), do nível de atividade e também por causa de fatores de risco, externos e domésticos. "Tudo isso será levado em consideração. Entramos num novo ritmo", reforçou.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu por unanimidade baixar a taxa básica de juros para 13%, quando a expectativa majoritária do mercado era de uma redução de apenas 0,50 ponto porcentual (que levaria a Selic para 13,25% ao ano).

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão

Fonte: Folha de S. Paulo

0 comentário