País volta à normalidade, diz general; greve de petroleiros acabou em 95% das unidades

Publicado em 31/05/2018 14:17 182 exibições

LOGO REUTERS

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, afirmou nesta quinta-feira que todas as rodovias do país estão sem bloqueios e que o país caminha para a normalidade após as interrupções causadas pela greve dos caminhoneiros.

PRF diz que não há mais registro de anormalidades em rodovias do país

A Polícia Rodoviária Federal informou, em boletim ao meio-dia desta quinta-feira, que não há mais registros de pontos de aglomeração de pessoas ou veículos em rodovias do país, ou qualquer outra anormalidade no fluxo normal de veículos, após mais de uma semana de protestos diários de caminhoneiros em greve.

Petrobras diz que greve de petroleiros acabou em 95% das unidades e descarta impacto na produção

(Reuters) - A Petrobras afirmou nesta quinta-feira que a greve dos petroleiros foi encerrada em 95 por cento de suas unidades, acrescentando que não houve impacto sobre a produção e nem risco de desabastecimento, segundo nota divulgada pela estatal.

"A greve já foi encerrada em mais de 95 por cento das suas unidades. Onde ainda é necessário, equipes de contingência atuam e a situação caminha para a normalidade e para o encerramento do movimento", disse em nota a empresa.

Mais cedo, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) recomendou aos sindicatos da categoria que suspendessem a greve de 72 horas iniciada na madrugada de quarta-feira, depois que foram estabelecidas multas diárias de 2 milhões de reais por dia de paralisação pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST).

De acordo com os sindicatos, 21 plataformas da Petrobras <PETR4.SA> na Bacia de Campos --responsável por cerca de metade da produção de petróleo do Brasil-- aderiram à greve, que também atingiu refinarias e terminais.

A FUP afirmou, em comunicado publicado mais cedo nesta quinta-feira em sua página oficial, que os petroleiros saem da greve de "cabeça erguida", pois consideram ter cumprido um capítulo importante ao "desmascarar os interesses privados e internacionais que pautam a gestão da Petrobras".

Os petroleiros anunciaram a paralisação contra o que afirmam ser um processo de privatização da Petrobras, assim como contra a política de preços adotada pela estatal. Os petroleiros reivindicam também a demissão do presidente da Petrobras, Pedro Parente.

 

 

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário