Datafolha: Bolsonaro vai a 32% e abre 11 pontos de vantagem para Haddad

Publicado em 02/10/2018 19:06 e atualizado em 03/10/2018 18:37
3940 exibições
A onda Bolsonaro -- A candidatura de Jair Bolsonaro virou uma onda. Um onda que já varreu o PSDB e pode varrer o PT. A chance de ele ganhar no primeiro turno cresceu exponencialmente, diz o site político O Antagonista.

Nova pesquisa Datafolha mostra que Jair Bolsonaro (PSL) cresceu quatro pontos percentuais e lidera a corrida presidencial com 32% das intenções de voto, onze pontos a mais que o segundo colocado, Fernando Haddad (PT), que oscilou negativamente em um ponto e agora aparece com 21%.

Segundo o instituto, Jair Bolsonaro com seus 32% das intenções de voto, registra alta de quatro pontos em relação à pesquisa anterior, de 29 de setembro (eram 28%).

Fernando Haddad, o segundo colocado, oscilou negativamente um ponto, de 22% para 21%.

Ciro Gomes manteve seus 11%, e Geraldo Alckmin oscilou de 10% para 9%. Marina Silva murchou um pouco mais, de 5% para 4%.

Foco de manifestações que levaram milhares de opositores e admiradores às ruas das principais cidades no fim de semana, Bolsonaro ganhou quatro pontos percentuais desde a semana passada, segundo o instituto.

A pesquisa Datafolha ouviu 3.240 pessoas durante o dia esta terça-feira, dia 2. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. 

DATAFOLHA: BOLSONARO TEM QUASE O DOBRO DE HADDAD NA ESPONTÂNEA

Na pesquisa espontânea do Datafolha, Jair Bolsonaro aparece com 28%, quase o dobro dos 16% de Fernando Haddad.

O apoio espontâneo a Bolsonaro – que subiu três pontos percentuais – também supera os 27% da soma das intenções de voto de Haddad (16%), Ciro Gomes (7%) e Geraldo Alckmin (4%).

Bolsonaro chega a 38% dos votos válidos, com vantagem de 14 pontos sobre Haddad

Na contagem dos votos válidos (menos brancos e nulos), Jair Bolsonaro alcança 38% das intenções de voto – abrindo vantagem de 14 pontos percentuais em relação a Fernando Haddad, que aparece com 24%.

A diferença, porém, não é suficiente para Bolsonaro vencer no primeiro turno. O Datafolha dá 12% para Ciro Gomes, 10% para Geraldo Alckmin e 4% para Marina Silva.

Bolsonaro dispara no Sudeste e no Sul

O Datafolha mostra que Jair Bolsonaro disparou no Sul, de 35% para 44%, e no Sudeste, de 31% para 36%.

Haddad manteve a liderança no Nordeste, com 36% das intenções de voto na região, mas sua vantagem diminuiu.

DATAFOLHA: REJEIÇÃO DE HADDAD VAI A 41%

O Datafolha também captou o movimento, já mostrado pelo Ibope, de disparada da rejeição no petista Fernando Haddad. Foram nove pontos, de 32% para 41%, desde 28 de setembro.

Jair Bolsonaro continua líder de rejeição, mas diminuiu 1 ponto, de 46% para 45%.

Datafolha: Bolsonaro ultrapassou Haddad também entre as mulheres

A nova pesquisa do Datafolha mostra também que Jair Bolsonaro cresceu entre as mulheres, passando de 21% para 27% das intenções de voto.

Haddad ficou para trás, com apenas 20%.

2.o turno: Bolsonaro sobe de 39% para 44%; Haddad desceu de 45% para 42%

Bolsonaro e Haddad empatam nas simulações feitas para o segundo turno. No cenário em que os dois se enfrentam, Bolsonaro cresceu de 39% para 44% e Haddad oscilou de 45% para 42%. 

Segundo o Datafolha, nesse cenário o candidato petista herdaria quase dois terços dos eleitores de Ciro Gomes e metade dos votos de Alckmin e Marina. Ainda assim, o ganho seria insuficiente para superar Bolsonaro.

Diminui o n.o de indecisos: somente 5% 

O número de eleitores sem candidato continua diminuindo. Segundo o Datafolha, 8% pretendem votar em branco ou anular o voto e 5% estão indecisos. Entre os que estão no primeiro grupo, 30% dizem que ainda podem escolher um candidato até domingo.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-03147/2018. 

Segundo o Datafolha, Bolsonaro cresceu até mesmo em segmentos do eleitorado que expressavam maior oposição a ele. Entre as mulheres, ele passou de 21% para 27% das intenções de voto, ultrapassando Haddad, que tem 20%.

O capitão reformado também cresceu entre os eleitores com mais anos de estudo e entre os que têm renda familiar de 5 a 10 salários mínimos, de acordo com a pesquisa.

Sobe no Sul de 35% para 44%; no Sudeste, de 31% para 36% 

No Sudeste, Bolsonaro passou de 31% para 36% e no Sul foi de 35% para 44%. Haddad manteve a liderança no Nordeste, o mais fiel reduto petista, com 36% das intenções de voto na região, mas sua vantagem diminuiu, porque Bolsonaro também cresceu ali.

Bolsonaro está longe das ruas desde o início de setembro, quando levou uma facada durante evento de campanha em Juiz de Fora (MG). Ele sofreu duas cirurgias, teve alta no sábado (29) e se recolheu a seu apartamento no Rio, onde permanece de repouso por ordem médica.

Com pouco tempo no horário de propaganda eleitoral no rádio e na televisão, ele se manteve em evidência com entrevistas a emissoras de televisão e a publicação de vídeos nas redes sociais, mas não participou de debates com os rivais.

DATAFOLHA: 59% DOS BRASILEIROS QUEREM LULA PRESO

Na nova pesquisa, o Datafolha perguntou também sobre a prisão de Lula, o chefe de Fernando Haddad, hospedado desde abril na carceragem da PF em Curitiba.

A maioria dos brasileiros –51%– quer Lula condenado e preso. Outros 8% que acham que ele deveria continuar condenado, mas ir para a prisão domiciliar –ou seja, somando quem quer Lula preso na cadeia e preso em casa, são 59%.

Para outros 37%, o petista deveria ser perdoado e solto. E 4% não souberam responder.

Vitória no 1º turno no radar de adversários (BR18/ESTADÃO)

A divulgação da pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo na segunda-feira, 1º, na qual Bolsonaro aparece com 31% das intenções de votos contra 21% de Haddad (PT), acendeu um sinal amarelo nos comitês de campanha dos adversários do “capitão”.

No núcleo de campanha do tucano Geraldo Alckmin, já há o temor de que Bolsonaro vença no primeiro turno, segundo reportagem do Estadão. O mesmo se observa junto às equipes dos demais candidatos. Um marqueteiro comparou o desempenho de Bolsonaro ao do ex-prefeito João Doria nas eleições de 2016, quando ele surpreendeu na reta final e ganhou de Haddad já no primeiro turno. Em sua visão, o que aconteceu na ocasião pode se repetir agora. / J.F.

Haddad acusou o golpe (BR18/ESTADÃO)

Acabou a blindagem da candidatura falsa de Lula, a rejeição vai subindo aos pinotes e as denúncias contra petistas começaram a colar na campanha. Estagnado nas pesquisas, Fernando Haddad acusou o golpe e trocou o que Ciro Gomes considerou como “cantar a vitória antes do tempo” por uma nova estratégia: a de tentar partir para cima de Jair Bolsonaro.

Quando fala que torce para que o adversário compareça ao debate da Globo, Haddad deixa claro que vai em busca de uma chance para expor fragilidade do adversário. Até agora, o petista vinha sendo o principal alvo dos oponentes nos debates e mostrou hesitação no seu desempenho. Mas, com Bolsonaro em ascensão, não sobrou alternativa, além de tentar fustigar o rival. /M.M.

Reação antipetista alavanca Bolsonaro (análise do Datafolha)

Mauro Paulino e Alessandro Janoni

Os dados divulgados pelo Datafolha confirmam a tese, já apontada pelo instituto em análises anteriores, de que o crescimento do PT nas intenções de voto alimenta também seu antagonista, Jair Bolsonaro (PSL).

A expressiva ascensão de Fernando Haddad (PT) na pesquisa de sexta-feira (28), além de nova mídia espontânea no último final de semana, em função das manifestações pró e contra sua candidatura, permitiu ao deputado capitalizar o discurso antipetista e não só intensificar apoio em segmentos onde já encontrava entusiastas como também garimpar eleitores em estratos que mais o rejeitam.

A simpatia por sua candidatura ficou ainda mais forte no Sul, entre os mais ricos e mais escolarizados, mas também se espraiou para estratos de menor renda, para o Nordeste e inclusive no segmento feminino. 

Bolsonaro continua rejeitado por metade das mulheres do país, e sua taxa de intenção de voto no estrato continua muito mais baixa do que no segmento masculino, mas, depois do final de semana, o índice das que pretendem elegê-lo subiu seis pontos percentuais.

Ao se combinar variáveis demográficas e econômicas, percebe-se que esse crescimento foi de 10 pontos percentuais entre as mulheres com renda mais alta, porém se mostra significativo também em estrato de maior peso na composição do eleitorado —entre as mulheres com até dois salários mínimos, ele subiu cinco pontos percentuais.

Uma hipótese para o fenômeno é o grau de identificação de subconjuntos femininos com valores das que se mostraram nos últimos dias contra ou a favor do capitão reformado.

Um exemplo é que homens e mulheres de famílias nucleares, isto é, casados e com filhos, tendem a votar muito mais no candidato do PSL. Já entre as mães solteiras, Haddad lidera com folga: o apoio ao petista chega a 29% contra 14% do ex-deputado.

O vetor religioso também ganhou holofotes em função da declaração de apoio do bispo da Igreja Universal, Edir Macedo, a Bolsonaro. Porém, pelo menos por enquanto, não há evidência de migração expressiva de evangélicos para o candidato por conta disso —o capitão reformado já era o mais votado pelo segmento (chega a 40% de intenção de voto agora).

Nos últimos 20 dias, Haddad oscilou positivamente três pontos nesse grupo, que responde por um terço do eleitorado. Mas vale aí a observação: nenhum outro estrato do país é tão evangélico quanto as mulheres com renda de até 5 salários mínimos.

Entre os católicos, que correspondem a 55% dos brasileiros, a diferença do candidato do PSL para o petista, no entanto, é de apenas 4 pontos percentuais.

Com tais registros simbólicos propagados não só pelo noticiário na TV, como pelas propagandas eleitorais e especialmente pelas redes sociais, a reação do eleitorado se dá praticamente em tempo real, potencializada pelo sentimento de desalento e insegurança que caracterizam esta eleição.

A maioria dos brasileiros tem conta em algum desses serviços de comunicação instantânea e considera como um dos mais importantes fatores para a decisão do voto algo que esse tipo de veículo facilita: a conversa com familiares, amigos e colegas.

E para se ter uma ideia da diferença do grau de ativismo dos eleitores de cada candidato nesse tipo de rede, a taxa dos que pretendem votar em Bolsonaro e que compartilham conteúdo político pela mais rápida delas, o WhatsApp, é o dobro da verificada entre os eleitores de Fernando Haddad (40% contra 22%, respectivamente).

Com o movimento, apoiadores do capitão reformado sonham com vitória no primeiro turno. Para que isso aconteça, Bolsonaro tem que alcançar cerca de 45% do total de votos nos próximos dias, considerando-se uma taxa histórica de 10% de brancos e nulos.

Para evitar em escala nacional o que lhe ocorreu na disputa pela reeleição na cidade de São Paulo, Fernando Haddad precisa calibrar os códigos de comunicação de sua campanha com estratos de importante peso no eleitorado e que se mostram mais indecisos ou desiludidos, como as mulheres, os menos escolarizados e de menor renda, em quatro dias, e sem a ajuda de seu padrinho político.

Explosão da rejeição de Haddad sugere que #EleNão ajudou Bolsonaro (por Igor Gielow, da FOLHA)

Depois de passarem o fim de semana comemorando efusivamente em redes sociais o sucesso das manifestações contra Jair Bolsonaro, aderentes do movimento #EleNão são apresentadas e apresentados à realidade brasileira.

A serem uma tendência irremediável os números apresentados pelo novo Datafolha, e por óbvio nada é pétreo nesta eleição, a possibilidade de o presidenciável do PSL ser eleito em primeiro turno ou ter um renovado favoritismo para segundo cresceu. Será que o #elenão vai eleger o capitão?

Claro, é uma simplificação e também uma provocação, dado o grau autorreferencial das manifestações contra Bolsonaro no sábado (29). Por fim, trata-se de um exagero quando tomado o todo da campanha, a menos acadêmica de todas desde 1989. Mas é um fator a considerar.

Aqui o trabalho é para antropólogos e cientistas sociais e políticos, mas é possível especular um pouco sobre o comportamento do eleitorado, com mulheres passando a aderir em maior quantidade a Bolsonaro justamente quando ele é alvo de um megaprotesto —que teve sua contrapartida no dia seguinte, é verdade, mas com um escopo talvez menos nacionalizado.

Ponto central: a sensação de instrumentalização por parte do PT do #elenão. Era impossível olhar para as cenas nas ruas, como as registradas em São Paulo, e não sentir um incontornável jeitão de comício da mesma esquerda apegada ao #lulalivre e afins. Houve sequestro de agenda, não só pelo PT, mas por agremiações como o PSOL do inexistente Guilherme Boulos (0% no Datafolha).

Isso foi combustível na fogueira do antipetismo, que é uma expressão identificável do mal-estar da sociedade que gerou o apoio a Bolsonaro. Ele é mais do que um antipetista, tendo encarnado a rejeição à política, mas com a ascensão de Fernando Haddad (PT), seu adversário ficou mais evidente.

No mais imediato, é preciso lembrar que rejeição a Bolsonaro continua astronômica, seu maior calcanhar de Aquiles (45%). Mas o antipetismo que acompanhou a subida de Haddad (PT) na cola da transferência possível de votos de seu eleitor-mor, Luiz Inácio Lula da Silva, parece estar compensando o movimento com folga: explodiu para um empate técnico com o capitão reformado em duas semanas.

O tal país conflagrado é uma realidade eleitoral. Como já foi argumentado, chamar Bolsonaro de fascista ou fascista apenas aliena seu eleitor. Neste ponto, o erro foi o mesmo cometido pelos democratas com Donald Trump em 2016. Não é um detalhe que Bolsonaro tenha ultrapassado Haddad entre as mulheres, em tese suas maiores antípodas.

Resta agora a Geraldo Alckmin (PSDB) seguir com sua campanha de tudo ou nada contra a aposta PT ou Bolsonaro. Não deu certo até aqui, e seu único alento é que ele também se favoreceu do antipetismo ao abrir a vantagem de segundo turno sobre Haddad.

A Ciro Gomes (PDT), que poderia ser um receptor do voto não-PT e não-Bolsonaro, a barreira natural imposta pela subida inicial de Haddad no Nordeste o imobilizou.

O resto é uma procissão de nanicos improváveis, que une em féretro candidatos de musculatura partidária tão díspar quanto Henrique Meirelles (MDB) e Marina Silva (Rede), para não falar nos seus companheiros João Amoêdo (Novo), Cabo Daciolo (Patriota).

Ibope em MG: Anastasia 33%, Pimentel 22%

O Ibope acaba de divulgar nova pesquisa para o governo e o Senado em Minas Gerais.

Na disputa pelo governo, o tucano Antonio Anastasia continua na frente –oscilou negativamente dois pontos, de 35% para 33%. O petista Fernando Pimentel oscilou positivamente um ponto e agora tem 22%.

Na corrida pelas duas vagas no Senado, Dilma Rousseff continua na liderança –subiu de 26% para 29%, acima da margem de erro. Carlos Viana (17%), Rodrigo Pacheco (15%) e Dinis Pinheiro (14%) vêm depois, em empate técnico.

Fonte: O Antagonista/FOLHA/Estadão

2 comentários

  • JOSÉ DONIZETI PITOLI CORNÉLIO PROCÓPIO - PR

    PRESIDENTE BOLSONARO: Neste domingo (07/10/2018), o Brasil, cidadão Jair, te elegerá "Presidente da República Federativa do Brasil"... O sr. será eleito pelo voto do povo, numa celebração da liberdade e do começo para a renovação e a mudança... Nosso destino estará em suas mãos, e, nelas, o poder de devolver a esperança, o sonho e a dignidade aos cidadãos deste país... Em tuas mãos está sendo outorgada pelo voto, a força para comandar uma nação, soberana, pacífica, rica em recursos naturais, solos e indústrias.

    Concentra teu governo ao fortalecimento da economia; ao crescimento da indústria; à geração do emprego e renda; à manutenção e crescimento de nossa agricultura e pecuária; à aplicação da justiça igualitária; à segurança pública e no combate a criminalidade; à educação e profissionalização das crianças e jovens; ao oferecimento de uma vida digna aos nossos idosos.

    Que seja dada proteção aos mais fracos e oprimidos; que seja fortalecida e expandida a aplicação das leis e todas as formas de corrupção.

    Lute para abolir todas as formas de pobreza humana; conscientize nosso povo de que a conquista de nossos direito não vem da generosidade dos governantes, mas por um direito constitucionalmente fundamentado em nossas leis.

    Desenvolva em nossos jovens o senso de companheirismo e patriotismo, conscientizando-os de que unidos suportaremos qualquer fardo e enfrentaremos qualquer dificuldade e qualquer adversário, para garantir a nossa liberdade e a de nossos descendentes.

    Firma teu governo, no princípio de que somos uma nação livre, soberana, detentora de liberdades e direitos.

    E, se em algum momento for coagido e achacado pelos demais poderes da República, clame para o seu povo e espere sempre o apoio de todos; lembre-se daquele que em ti votaram e com firmeza também te sustentarão no governo, por quanto tempo for necessário.

    Que sua obra seja o lema de nossa Pátria, "ORDEM E PROGRESSO".

    4
    • TIAGO GOMESGOIÂNIA - GO

      Impressionante como nós, brasileiros, depositamos nossas esperanças em governantes. É o painho que irá resolver tudo, por isso também nos decepcionados muito.

      39
    • EDMILSON JOSE ZABOTTPALOTINA - PR

      Faço das suas palavras as minhas, se me permitir José Donizette, mas infelizmente neste grupo de participantes do NA existem aqueles teimam em não entender e avaliar o momento político, econômico, social, etc... teimam em não acreditar no único candidato a presidente que defende em primeiro lugar a família, valores, ética, respeito, ao ser humano, independente de raça, cor, religião etc. Mas aí aparece uma pessoa chamada " Dalzir", com aquele papo de "cerca Lourenço", dizendo que eu, Edmilson, sou um matuto da roça, que não conhece nada da porteira pra fora, etc.. Ele deveria ter se posicionado neste período eleitoral quando a Globo bateu e tentou jogar no lixo toda a carreira do Sr. Bolsonaro mas só conseguiu fazer o dólar estourar ao pintar o Bolsonaro como bandido, maluco etc... Mas a partir desta semana, não conseguindo convencer aqueles que sabem onde o calor aperta, a Globo teve que se render e iniciou a mudança de tática de aproximação... Nós últimos programas da Globo News destes dois dias últimos, eles se renderam e até já admitem a possibilidade de vitória do 17 no primeiro turno... Mas provavelmente o Sr. DALZIR, o dono da verdade, ainda deve estar não acreditando nas evidencias.. Tanto que ainda não informou qual dos candidatos da esquerda ele irá apoair.. Portanto Sr. Dalzir , vamos ver quem não conhece nada da porteira para fora .....

      7
    • VINÍCIUS DE ARAÚJO AGUIARSARANDI - RS

      Parabéns Jose Donizeti Pitoli pelo acertivo e belo comentário.

      5
    • EDMILSON JOSE ZABOTTPALOTINA - PR

      Dalzir , só para refrescar..., com a vitória de Bolsonaro já definida o dólar voltou no seu eixo, a Petrobrás voltou a ter suas a ações valorizadas e por aí vai .. Ah!, e a Globo , o UOL , etc., já baixaram a crista... (você sabe o que é uma crista??? é aquilo que o galo tem em cima da cabeça)...

      7
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Caro jose Donizetti... o que você coloca é o que esperamos que todos os eleitos façam... Parabéns pelas colocações...mas te pergunto????o que o bolsonaro FEZ ATE HOJE QUE O CREDENCIA A REALIZAR SEUS ANSEIOS??? GOSTARIA QUE VOCE CITASSE NESTE ESPACO...CARO Edmilson..eu não sei o que é crista de galo...mas logo abaixo no lado contrario o bichinho tem um outro órgão onde ficam os alimentos .....este órgão é uma chacota que falamos quando uma pessoa fala...fala e nunca fez nada...mas o bolsonaro fez no congresso e sua vida profissional nestes 30 anos...explique e mostre neste espaço... Senão seu candidato ta igual aquele ditado...papo ate a galinha tem...mostre os feitos ....

      41
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Edmilson...continuo afirmando que da porteira pra fora tens dificuldade de avaliar...pois qualquer tendencia que desbanque o pt para ganhar eleição o dólar cai e a bolsa sobe...imagine se o Meireles ou Amoedo estivessem no páreo do segundo turno...

      38
    • EDSON LUIZ RIGONIPALMEIRA - PR

      Só que para poder vencer o candidato do partido que ganhou as últimas quatro eleições é preciso ter voto, coisa que Meireles e Amoedo não tem. Sem ser eleito não há projetos ou planos para realizar. A menos que estejamos contentes com mais de 13 milhões de desempregados que aí estão, ou porque não passamos por esta situação e isso então, não nos importa. Ainda lembrando que esse governantes que governaram o país nos últimos anos, incentivaram muitos brasileiros a usar seu FGTS para investir em ações da Petrobrás e depois a saquearam. Pode não ser o candidato dos sonhos mas, é o único que se diferencia dos possíveis candidatos a chegar no segundo turno. É só olhar para perceber que não temos opção melhor nesse momento.

      1
    • EDMILSON JOSE ZABOTTPALOTINA - PR

      Pois é Dalzir , mas estes nem na foto aparecem . Então o que eles fizeram nestes anos todos para o Brasil?. Amoedo , agiota legalizado . Meireles , simplesmente Ministro do Lula e daí . Dalzir você e a Globo , tentam salvar o PT .... A Globo já abriu as pernas , só falta você. Pois eu não sei nada da Porteira pra fora .....

      0
    • IVO VICENTE BASSORIO BRILHANTE - MS

      DALZIR VITORIA????? TE RESPONDO, BOLSONARO APRESENTOU CENTENAS DE PROJETOS! CERTO? MAS A QUADRILHA NÃO ACOLHEU E NEM VOTAR , VOTOU! AÍ, ESTUDOU , ESTUDOU E APRESENTOU O PROJETO DE VOTO IMPRESSO,CERTO? ENTÃO CAUSOU A MAIOR CONFUSÃO, FOI APROVADO E TAL COMO SABEMOS! NA VERDADE É O PROJETO QUE ,IRIA DESTRUIR O PLANO DE PODER, AS FRAUDES, E COMO SE FALA LÁ NO SUL, (LEVANTOU A LEBRE), APÓS A APROVAÇÃO DO PROJETO. O ALVOROÇO FOI TIPO TERREMOTO DE INTENSIDADE Nº8! O STF CAIU DE CONCEITO 60%, DIANTE DO POVO, ALEGANDO O INEXPLICÁVEL PARA VETAR! O POVO ESCLARECIDO, QUE PERCEBEU A MANOBRA, NÃO APOIOU E NÃO ENGOLIU AS ALEGAÇÕES. A LEI DO VOTO IMPRESSO, É A LEI MAIS IMPORTANTE DOS ÚLTIMOS 20 ANOS, (VALE POR1.000) LEIS! POR QUÊ? POR QUE ACENDEU O ESTOPIM QUE DETONOU AS URNAS ELETRÔNICAS FRAUDÁVEIS, E HOJE, O EXÉRCITO ESTÁ MONITORANDO! QUERO VER OS QUADRILHEIROS FRAUDÁ_LAS DE NOVO!

      1
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Caro Rigoni... sabemos que não tem voto para ir ao segundo turno, mas se fosse com o pt ganhariam e o dólar teria voltado a 3,40..., caro Ivo Basso...em 30 anos voto impresso??? Mas vai ser onde o voto impresso??? em Rio Brilhante..ou na minha terra natal em SC... me diga os feitos e nao com o papo de galo de crista do Edmilson... caro Edmilson...não sou da globo e nem da UOL e nem pau mandado da frimesa... falo por mim.. sobre Meireles no governo lula se usares a razão vais ver que o lula via Meireles na economia seguiu a bíblia de recuperação do pais iniciado por FHC... e enquanto estava lá o Meireles olhe os números... PIB..inflação...juros.. desemprego... o pais desandou no governo Dilma e no final do lula.. mas olhe números.. se é que você sabe analisar... Olhe os números que o Meireles pegou agora com temer...e olhe hoje...mas olhe os números... Não precisa contar nos dedos...os números são claros....e tem mais os 3 que citei...me mostre os feitos do borsanada...

      15
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Mas e aí fanáticos do borsanada....rio brilhante vai ter voto impresso??? na minha terra natal em SC não vai ter???Edmilson...domingo tem eleição... Não vou votar no borsanada...mas te faco um desafio....aponte algo importante que ele fez nos 30 anos de deputado federal....mas importante.. Cite aqui...ou lembra do seu galo...me parece que não tem mais crista só PAPO...

      2
  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    A política é uma área onde, para decifrar sua complexidade, é usada com muita frequência a linguagem figurada. Já li diversas vezes o termo "teflon". Ou seja, o candidato tem a qualidade de não as "coisas ruins" grudar nele... Num caso especifico do candidato Haddad, qual seria o termo figurativo para defini-lo? .. O termo correto é "velcro", pois tudo o que é de ruim gruda nele com a facilidade do "velcro", a começar por ser petista & ... ser Lula... Nada mais impede de levar a eleição JÁ IR (Bolsonaro) no primeiro turno. ...

    1