Onyx diz que governo Bolsonaro respeitará Constituição após vídeo de filho do presidenciável sobre STF

Publicado em 22/10/2018 14:56
133 exibições

LOGO REUTERS

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que deverá assumir a Casa Civil em caso de vitória do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, no segundo turno da eleição presidencial no próximo domingo, disse nesta segunda-feira que um eventual governo do capitão reformado do Exército vai respeitar rigorosamente a Constituição.

O comentário de Onyx vem depois de circular no fim de semana um vídeo de quatro meses atrás em que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável do PSL, afirma que o Supremo Tribunal Federal (STF) teria que "pagar para ver" se decidisse eventualmente impugnar a candidatura de Bolsonaro e diz, afirmando estar citando uma "brincadeira" que bastaria mandar "um soldado e um cabo" para fechar o Supremo.

O vídeo gerou reações de ministros da corte e, embora tenha afirmado desconhecer o vídeo quando questionado a respeito, Bolsonaro afirmou que quem fala em fechar o STF precisa de psiquiatra. Eduardo Bolsonaro, posteriormente, negou defender o fechamento do tribunal. [nL2N1X10AH]

Nesta segunda, Onyx disse que a população e os eleitores de Bolsonaro podem ficar tranquilos, pois não há risco de fechamento do STF caso o candidato do PSL vença o petista Fernando Haddad e seja eleito no domingo.

"Nosso plano de governo é constitucional, eficiente e democrático. O governo do Jair será rigorosamente constitucional e de proteção e salvaguarda da Constituição brasileira, e ponto", disse Onyx a jornalistas.

"Desde o início, quando apresentamos o plano de governo, ficou claro que somos democratas e que a Constituição é o grande guia do Brasil... se tem alguém que vai proteger a Constituição é Jair Bolsonaro, diferentemente dos bolivarianos do PT. O povo sabe, tanto que já escolheu em quem vai votar", completou.

Para o deputado, no passado petistas deram declarações "muito piores" antes do primeiro turno da eleição, realizado no dia 7 de outubro, que, na avaliação dele, não tiveram a mesma repercussão do vídeo do filho de Bolsonaro.

"Estão evidentemente querendo criar um fato político", avaliou Onyx, um dos aliados mais próximos a Bolsonaro.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Fonte: Reuters

Nenhum comentário