No Estadão: Tereza Cristina diz que estuda ida do Incra e Pesca para Agricultura

Publicado em 14/11/2018 09:28 e atualizado em 14/11/2018 21:42
145 exibições

BRASÍLIA - A futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta terça-feira, 13, que o presidente eleito Jair Bolsonaro pediu para que fosse feito um estudo sobre a inclusão de pastas de outros ministérios como o Incra, a Pesca e a agricultura familiar ao Ministério da Agricultura.

"Ele (Bolsonaro) só me disse o seguinte: 'traga esse estudo de juntar ao Ministério da Agricultura tudo o que tem a ver com o Ministério da Agricultura para ter um só ministério, um grande ministério, com políticas depois bem definidas para cada segmento'", disse a deputada depois da reunião da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) em Brasília. "Vamos sentar com o pessoal do Incra, da secretaria de agricultura familiar, vamos ouvir, com muita cautela. É um setor que precisa muito ser desenvolvido."

Tereza Cristina iria se encontrar com o atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, na manhã desta terça, mas ela desmarcou o encontro para se reunir com Bolsonaro no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde a equipe de transição do novo governo está instalada. A futura ministra ainda disse que vai haver "muita sinergia" entre a Agricultura e o Meio Ambiente e que quem indicará o ministro do Meio Ambiente será o presidente eleito.

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão.

O Antagonista: Ministério da Agricultura deve absorver pesca, Incra e agricultura familiar

Tereza Cristina disse nesta terça-feira que Jair Bolsonaro cogita transferir agricultura familiar, pesca e o Incra para o Ministério da Agricultura.

“Pesca deve voltar para Agricultura. Agricultura familiar se estuda, sim [transferir para o Ministério da Agricultura]. Não é uma coisa que está definida, mas é uma coisa que hoje ele [Bolsonaro] me pediu para ver. Vamos estudar e ver se ajuda”, disse Tereza.

“Vamos sentar com o pessoal do Incra, da Secretaria de Agricultura Familiar, vamos ouvir com muita cautela, com muito juízo. Não é uma coisa que está definida. Eu vou fazer esse estudo e vou levar para ele [Bolsonaro] o mais rápido possível.”

Fonte: Estadão + O Antagonista

Nenhum comentário