Bolsonaro diz que Onyx chefiará articulação, mas general Santos Cruz também vai participar

Publicado em 28/11/2018 07:53
40 exibições

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente eleito Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira que o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, vai comandar a articulação política de seu governo com o Congresso Nacional, mas que o general Carlos Alberto Santos Cruz, indicado na véspera como chefe da Secretaria de Governo, também terá papel a desempenhar nesta área.

Onyx, em Brasília 22/11/2018 REUTERS/Adriano Machado

Para Bolsonaro, há um “time” em que “todo mundo tem que jogar para frente” e destacou o fato de que todos os indicados ministros palacianos, Onyx, Santa Cruz, o futuro secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, e o novo chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, vão participar das tratativas.

O presidente eleito elogiou Santos Cruz por ter uma vivência de fora do Brasil muito grande e ser combatente também e considera que ele vai “surpreender” no trato com parlamentares.

“Todo mundo vai ter que jogar. Eu vou conversar com parlamentar também. Todo mundo vai conversar, vai buscar a solução para os problemas que o Brasil atravessa. E nós temos que dar certo, porque estamos no mesmo barco”, disse em entrevista coletiva na saída do escritório de transição em Brasília.

Bolsonaro detalhou que essa atuação será “compartilhada”, que Onyx vai ser o comandante e que Santos Cruz também terá responsabilidade nas conversas. “Ele (o general) muitas vezes esteve em audiência no Parlamento, sabe como funciona e foi conversado com ele de todas as suas responsabilidades. E ele, no meu entender, tem todas as capacidades”, disse.

O presidente eleito afirmou que o futuro chefe da Casa Civil está com um “rascunho final”, montando um grupo de parlamentares para agir atuar na área de relacionamento com o Congresso. Ele disse ter se reunido nesta terça-feira com parte da bancada evangélica.

“Eles torcem e vão fazer o possível para que nosso governo dê certo. Não estamos negociando com partidos, mas com bancadas. E dessa forma estamos atingindo todo o parlamento”, afirmou.

O presidente eleito disse que tem larga vivência do Parlamento, por 28 anos, e tem amizade com 90 por cento dos integrantes do Legislativo, pelo menos.

“Não é que não vai ter conversa, o modelo que vigora ainda, de ministério por votos, não deu certo. Mergulhou o Brasil em ineficiência e na corrupção. Os parlamentares mesmo não querem mais isso. Alguns foram levados para o olho do furacão no vácuo, não queriam estar lá. E a grande parte deles, que temos conversado, é que o modelo que estamos adotando não é que pode dar certo, tem que dar certo”, avaliou.

MEIO AMBIENTE

O presidente eleito também afirmou que o futuro ministro do Meio Ambiente poderá ser anunciado na quarta-feira e que não será um militar.

Bolsonaro disse que terá no máximo 20 ministros — a intenção dele na campanha era que fosse metade dos atuais 29.

Ele afirmou que, por uma governabilidade até, não se pode “sobrecarregar demais uma pessoa no ministério”.

REAJUSTE DO STF

Questionado sobre a decisão do atual presidente Michel Temer de sancionar o projeto de lei que concede reajuste salarial dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Bolsonaro disse para perguntar ao atual chefe do Executivo. “Temer que decidiu sancionar”, afirmou.

O presidente eleito foi confrontado com o fato de que o efeito do reajuste ocorrerá no seu governo.

“Quem vai pagar é toda a população brasileira, todo mundo. Minha responsabilidade nisso aí começa em 1º de janeiro do ano que vem”, disse.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário