Petróleo despenca 5% para mínimas em mais de 1 ano, na esteira de queda das ações

Publicado em 20/12/2018 20:52
189 exibições

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo recuaram cerca de 5 por cento nesta quinta-feira, atingindo suas mínimas em mais de um ano, por receios sobre o excesso de oferta e uma projeção da demanda de energia, conforme o aumento das taxas de juro dos Estados Unidos derrubou os mercados acionários.

Os futuros do petróleo Brent fecharam em baixa de 2,89 dólares, ou 5,05 por cento, a 54,35 dólares por barril. Os futuros do petróleo dos EUA (WTI) recuaram 2,29 dólares, ou 4,75 por cento, para 45,88 dólares o barril.

O Brent tocou uma mínima da sessão de 54,28 dólares, seu menor nível desde meados de setembro de 2017, enquanto o WTI afundou para 45,67 dólares, mínima desde o fim de agosto do ano passado.

Os índices acionários globais caíram depois que o Federal Reserve aumentou as taxas de juro norte-americanas na quarta-feira e manteve grande parte da sua diretriz para mais elevações nos próximos dois anos, acabando com as esperanças dos investidores de uma projeção mais "dovish" para a política monetária.

O mercado de ações dos EUA estendeu as perdas nesta quinta-feira, pressionando os preços do petróleo.

"Qualquer enfraquecimento adicional no apetite ao risco, conforme ressalta a queda nas ações, pode facilmente levar as entidades especulativas do WTI a saírem das posições compradas remanescentes", disse Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch and Associates, em nota.

Petrobras suspende comercialização de combustíveis com Vitol após denúncias

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras suspendeu temporariamente a comercialização de combustíveis com a Vitol, após o Ministério Público Federal ter anunciado uma nova fase da Lava Jato, no início do mês, que investiga suposto esquema de corrupção envolvendo funcionários da petroleira e de gigantes internacionais do setor de trading, disse a empresa à Reuters.

A petroleira estatal informou ainda ter notificado a Vitol, exigindo esclarecimentos com relação às medidas adotadas pela empresa para investigação das irregularidades, rescisão de contratos e responsabilização de pessoas físicas e jurídicas implicadas, cooperação com as autoridades e aperfeiçoamento de seu programa de integridade.

A Petrobras disse ainda que fez um trabalho de análise para apurar o caso e que buscou identificar potenciais irregularidades, seus responsáveis e causas, para embasar ações corretivas e preventivas necessárias.

E ressaltou que tais medidas incluem o desligamento por justa causa dos empregados envolvidos.

Petrobras suspende comercialização com gigantes Glencore, Trafigura e Vitol

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras suspendeu a comercialização de combustíveis com as gigantes internacionais do setor Glencore, Trafigura e Vitol, após nova fase da Lava Jato anunciar no início do mês que as empresas são suspeitas de participar de esquema de corrupção envolvendo funcionários da petroleira.

As três companhias são suspeitas de participar de pagamentos ilegais de 15,3 milhões de dólares, entre 2011 e 2014, segundo o Ministério Público Federal. Há ainda indícios de que o esquema de corrupção continuou além daquele período.

Nesse contexto, duas denúncias já foram realizadas pelo MPF: uma na semana passada, envolvendo a Trafigura, e outra nesta quinta-feira, envolvendo a Vitol.

"A companhia suspendeu temporariamente a comercialização de combustíveis com as três, seja para compra ou venda, além de ter notificado as empresas, exigindo esclarecimentos com relação às medidas adotadas", disse a Petrobras à Reuters nesta quinta-feira, em nota.

Para suprir a ausência de negócios com as três gigantes, a Petrobras explicou que está vendendo para outros compradores e que "o mercado internacional tem liquidez", mas não apresentou detalhes.

A Petrobras informou que deseja entender quais as medidas das tradings para investigar irregularidades, rescindir contratos e responsabilizar pessoas físicas e jurídicas implicadas, além de quais são as suas iniciativas de cooperação com as autoridades.

A companhia reiterou ainda em nota que é reconhecida pelas autoridades como vítima dos atos desvendados pela operação Lava Jato, incluindo esta nova fase envolvendo as tradings, e que seguirá adotando as medidas cabíveis contra empresas e indivíduos que lhe causaram prejuízos.

A Petrobras disse ainda que já tomou medidas que incluem o desligamento por justa causa dos empregados envolvidos.

A Vitol afirmou que não iria comentar, mas disse que a empresa sempre irá cooperar com os investigadores. A Glencore também disse que não comentará e a Trafigura não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

NOVA DENÚNCIA

Na denúncia apresentada nesta quinta-feira, o MPF denunciou 12 pessoas por envolvimento em esquema de corrupção e lavagem de ativos em 20 operações de comercialização de combustíveis entre a Vitol e Petrobras, que teriam envolvido o pagamento de propinas de aproximadamente 2,85 milhões de dólares --mais de 11 milhões de reais.

"As evidências apontam que as propinas foram pagas pela Vitol com o objetivo de obter facilidades, preços mais vantajosos e operações de trading de óleos combustíveis e derivados de petróleo com maior frequência", afirmou o MPF.

De acordo com as investigações, para receberem a propina, os funcionários públicos denunciados, ajustados com pessoas de sua confiança, praticaram vários crimes de lavagem de ativos para esconder o dinheiro sujo, mediante abertura de contas no exterior, celebração de contratos de câmbio com justificativa falsa e conversão da propina em imóveis.

O MPF destacou que as investigações continuam em relação a outras empresas de comercialização e seus executivos, bem como sobre a participação de outros funcionários públicos, no período em que o esquema perdurou, "em prejuízo da Petrobras".

O MPF afirmou ainda que o esquema de corrupção investigado perdurou por pelo menos cinco anos, no contexto de favorecimento da Vitol em operações de trading de óleos combustíveis na Petrobras.

Questionada, a Petrobras afirmou também que não há qualquer indício ou suspeita de irregularidades quanto a venda de ativos na Nigéria para a Petrovida Holding, que tem como sócios Vitol Investment Partnership II, Africa Oil Corp e Delonex Energy.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário