Ibovespa começa 2019 com recordes e investidor confiante em novo governo

Publicado em 02/01/2019 20:17
281 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista fechou o primeiro pregão do ano com o Ibovespa em máxima histórica, acima dos 91 mil pontos pela primeira vez, em meio a perspectivas favoráveis para a economia brasileira em 2019 e para o novo governo do país.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 3,56 por cento, a 91.012,31 pontos, recorde de fechamento. No melhor momento do dia, alcançou 91.478,84 pontos, maior nível registrado durante um pregão.

O volume financeiro na sessão somou 17,3 bilhões de reais.

Para estrategistas do BTG Pactual, as perspectivas para a bolsa em 2019 são promissoras. "Esperamos que a nova administração de direita implemente grandes mudanças no funcionamento da economia", disseram em relatório.

Entre os discursos do dia, marcado pela transmissão de cargos de vários ministros da equipe do presidente Jair Bolsonaro, mereceu especial atenção a fala do titular do poderoso Ministério da Economia, Paulo Guedes.

Ele afirmou que o governo vai encaminhar ao Congresso proposta de reforma da Constituição para acabar com todas as vinculações e indexações de gastos, caso a reforma da Previdência não seja aprovada.

Profissionais da área de renda variável também atribuíam o movimento mais forte à tarde principalmente à compra de ações por agentes financeiros locais, ainda em processo de realocação de portfólios para o mês e o ano.

A melhora do petróleo, após começar a quinta-feira com viés mais negativo, chancelou a alta na bolsa brasileira. Wall Street também situava-se longe das mínimas nesta tarde, corroborando o avanço no pregão local.

"De fato tivemos boas notícias nos últimos dias", disse um gestor, citando entre elas discurso de posse do presidente Jair Bolsonaro, considerado positivo, e apoio do PSL para a reeleição do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Além disso, houve um alívio na pressão mais negativa das bolsas no exterior; e com a virada do ano os fundos mostram nova disposição para tomar risco. "Tudo isso somado está gerando o dia bem positivo", afirmou o gestor, que fica em São Paulo.

O Ibovespa superou os 90 mil pontos pela primeira vez em sua história no quarto trimestre de 2018, tendo alcançado recorde intradia de 91.242,22 pontos em 3 de dezembro. Considerando o fechamento, a máxima anterior era de 89.820,09 pontos.

DESTAQUES

- ELETROBRAS ON disparou 20,72 por cento, maior alta do Ibovespa, em sessão marcada pela posse do novo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que pretende levar adiante a capitalização da elétrica de controle estatal, além de notícias de que o atual presidente-executivo da companhia, Wilson Ferreira Jr., continuará à frente da empresa. ELETROBRAS PNB subiu 14,52 por cento.

- ITAÚ UNIBANCO PN avançou 4,28 por cento e BRADESCO PN subiu 4,5 por cento, atingindo cotações recordes, enquanto BANCO DO BRASIL valorizou-se 4,54 por cento. SANTANDER BRASIL UNIT fechou em alta de 7,12 por cento, tendo ainda no radar aprovação de 4,8 bilhões de reais em remuneração a acionistas.

- PETROBRAS PN fechou com elevação de 6,08 por cento, embalada pelas perspectivas positivas para o novo governo e melhora dos preços do petróleo no exterior, com o Brent subindo 2,06 por cento. PETROBRAS ON subiu 4,92 por cento, com as atenções também voltadas para posse do novo ministro de Minas e Energia.

- SABESP avançou 9,11 por cento, em meio a comentários do novo governo do Estado de São Paulo em defesa da privatização da companhia estadual de água e saneamento.

- CIELO subiu 8,32 por cento, entre os destaques positivos do Ibovespa, após encerrar 2018 com a maior queda do índice, de 57,4 por cento, por preocupações sobre os efeitos do aumento na competição no setor de meios de pagamentos nos resultados da empresa, entre outros fatores.

- LOG COMMERCIAL PROPERTIES recuou 6,49 por cento, a 16,85 reais, entre as poucas quedas da sessão, dando continuidade à trajetória negativa desde a estreia no Novo Mercado da bolsa, com valor referência de 28,68 reais, após cisão do negócio de galpões logísticos pela construtora MRV.

Bolsas nos EUA sobem, mas preocupações econômicas limitam ganhos

NOVA YORK (Reuters) - Wall Street subiu nesta quarta-feira após recuar no início dos negócios do primeiro pregão do ano, quando a busca por barganhas foi ofuscada por temores de uma desaceleração econômica global.

O Dow Jones Industrial Average subiu 0,08 por cento, para 23.346,24 pontos, o S&P 500 ganhou 0,13 por cento, a 2.510,03 e o Nasdaq Composite teve ganho de 0,46 por cento, para 6.665,94 pontos.

Bolsa fecha na máxima histórica em primeiro pregão no governo Bolsonaro (ESTADÃO)

As perspectivas positivas para a economia no governo Jair Bolsonaro embalaram o Ibovespaprincipal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, nesta quarta-feira, 2. Impulsionada pelo noticiário político positivo, a Bolsa terminou o dia em valorização de 3,56%, aos 91.012 pontos, em seu maior valor nominal de fechamento na história. Na máxima do dia, perto das 15h, o Ibovespa chegou a avançar 4,07%, aos 91.478,84 pontos.

Já o dólar seguiu o bom humor no cenário local e fechou o dia em baixa de 1,83%, cotado a R$ 3,8046.

Com um noticiário robusto, um dos destaques de alta do pregão foram os papéis da Eletrobrás, que dispararam nesta tarde.  As ações ordinárias da estatal avançaram 20,72% e as preferenciais 14,52%.

As declarações do ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, de que o governo do presidente Jair Bolsonaro dará continuidade ao processo de privatização da Eletrobrás impulsionaram a alta dos papéis. Além disso, Wilson Ferreira Junior confirmou o convite para permanecer na presidência da Eletrobrás, o que deu ainda mais força para a subida dos preços.

Segundo um operador, os motivos que influenciaram no bom desempenho generalizado dos ativos locais foram as sinalizações de continuidade da agenda de privatizações, expectativas de avanço das reformas, principalmente a da Previdência, e o apoio do PSL, partido de Bolsonaro, à reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a Presidência da Câmara, o que deve facilitar a aprovação na Casa de pautas importantes para o governo.

BolsaIbovespa voltou a bater 88 mil pontos Foto: Gabriela Biló/Estadão

Para analistas de renda variável, os investidores - em sua maioria locais - trabalham com sinais positivos para a economia brasileira que têm como base tanto as prévias para os indicadores de atividade quanto o otimismo que permeia as ações pró-mercado do novo governo.

"A inflação está muito comportada, as vendas de Natal foram melhores e há redução (mesmo que leve) da taxa de desemprego. Essa cesta mostra que podemos ter uma situação economicamente melhor no decorrer do ano", nota Marco Tulli, gestor de renda variável da Coinvalores.

Na avaliação de Raphael Figueredo, da Eleven Financial Research, a Bolsa brasileira ainda vive uma dicotomia, com os investidores domésticos comprados em contraposição aos estrangeiros que estão fora do mercado acionário brasileiro - ainda como observadores e com os olhos voltados para questões externas.

"Enquanto o mundo está preocupado com a China, o Brasil vai se descolando de seus pares no mercado de ações e na moeda por causa do momento político. Ontem a fala pró-mercado de Bolsonaro deu o tom que ajuda a ancorar expectativas", disse.

Do ponto de vista político, também ressalta Tulli, a sinalização do governo de Jair Bolsonaro em relação a um bom relacionamento com o Congresso Nacional também anima uma vez que o Executivo depende do Legislativo em reformas importantes, como a da Previdência e a tributária.

Hoje pela manhã, ao assumir oficialmente o cargo, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, sugeriu um "pacto de amor pelo Brasil" entre governo e oposição para aprovar reformas. "É importante pedir aqui um pacto político entre governo e oposição. Não é possível que a oposição não possa compreender a capacidade de primeiro olhar para o Brasil, para as famílias e para o presente", discursou.

Altas

Apesar de preocupações sobre o crescimento global, após dados apontando para uma desaceleração da economia chinesa, as ações da Petrobrás viraram, acompanhando a forte guinada nos preços do petróleo, que passaram a subir mais de 2%. Nesse contexto, as ações da estatal fecharam em alta de 6,08% (PN) e 4,92% (ON). Segundo analistas, a súbita virada no movimento dos preços foi derivada de informações de que a produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) teria tido, em dezembro, o maior recuo dos últimos dois anos, puxado pela Arábia Saudita.

Na esteira da política mais favorável à liberação da posse de arma do novo governo, as ações da Forjas Taurus tiveram as maiores altas do mercado nesta quarta-feira, com saltos de 50,52% (ON) e 47,65% (PN).

Pouco antes de ser empossado, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), afirmou via Twitter que liberará a posse de arma de fogo por meio de um decreto, assim como tornará o registro da arma definitivo.

Fonte: Reuters/Estadão

0 comentário