Cirurgia de Bolsonaro chega ao fim com sucesso, informa assessoria da Presidência

Publicado em 28/01/2019 18:03 e atualizado em 28/01/2019 19:02
140 exibições

LOGO REUTERS

(Reuters) - A cirurgia do presidente Jair Bolsonaro para a retirada da bolsa de colostomia chegou ao fim "com êxito", informou nesta segunda-feira a Secretaria de Imprensa da Presidência da República (SIP).

"O boletim médico será divulgado tão logo seja autorizado pela equipe médica", informou a SIP, acrescentando que o porta-voz da Presidência, general Rêgo Barros, dará uma entrevista coletiva aos jornalistas às 17h.

O procedimento de retirada da bolsa de colostomia do presidente começou por volta das 6h30 no Hospital Albert Einstein, na capital paulista.

Essa foi a terceira cirurgia por que Bolsonaro passa como decorrência do ataque a faca que foi alvo em setembro, durante a campanha eleitoral, em Juiz de Fora (MG).

(Reportagem de Lisandra Paraguassu e Maria Carolina Marcello, em Brasília)

Bolsonaro está na UTI, clinicamente estável e sem dor após cirurgia, diz boletim médico

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Albert Einstein, clinicamente estável e sem dor depois de passar uma cirurgia de cerca de sete horas para retirada de uma bolsa de colostomia colocada em setembro do ano passado, após ter sido esfaqueado, informou boletim médico nesta segunda-feira.

Segundo o hospital, a cirurgia incluiu a reconstrução do trato intestinal de Bolsonaro e teve de lidar com aderências no intestino decorrentes de dois procedimentos a que ele foi submetido. O porta-voz da Presidência, general Otávio Santana do Rêgo Barros, disse que as aderências obrigaram os cirurgiões a realizarem uma "obra de arte" durante a operação.

O porta-voz disse ainda, em pronunciamento no hospital, que foi montada em uma sala do Albert Einstein que servirá de gabinete para que Bolsonaro siga despachando do hospital. A expectativa é que ele fique internado por 10 dias.

(Por Eduardo Simões; edição de Aluísio Alves)

Fonte: Reuters

Nenhum comentário