Índices da China fecham em alta por anúncio de suporte à economia (Reuters)

Publicado em 05/03/2019 11:06
36 exibições

HONG KONG (Reuters) - Os principais índices acionários da China subiram nesta terça-feira depois que Pequim apresentou planos para cortar impostos e aumentar os gastos públicos e os empréstimos para impulsionar sua economia.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 0,58 por cento, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,88 por cento.

O subíndice do setor financeiro recuou quase 0,1 por cento, o de consumo ficou estável e o de saúde subiu 0,6 por cento.

A China vai cortar quase 2 trilhões de iuanes (298,31 bilhões de dólares) em impostos e taxas para empresas, disse o premiê Li Keqiang nesta terça-feira.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,44 por cento, a 21.726 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,01 por cento, a 28.961 pontos.

. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,88 por cento, a 3.054 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,58 por cento, a 3.816 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,52 por cento, a 2.179 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,43 por cento, a 1.305 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,52 por cento, a 3.234 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,29 por cento, a 6.199 pontos.

China cortará impostos e aumentará empréstimos para sustentar a economia

PEQUIM (Reuters) - A China buscará sustentar sua economia em desaceleração através de bilhões de dólares em cortes planejados de impostos e gastos com infraestrutura, com o crescimento doméstico no ritmo mais fraco em quase 30 anos devido à demanda interna mais fraca e à guerra comercial com os Estados Unidos.

O governo determinou como objetivo um crescimento de 6,0 a 6,5 por cento em 2019, disse o primeiro-ministro Li Keqiang na abertura da reunião anual do Parlamento da China nesta terça-feira, abaixo dos 6,6 por cento registrados no ano passado.

Fontes disseram à Reuters mais cedo neste ano que a China cortaria sua meta de crescimento para 2019 a 6,0 a 6,5 por cento de cerca de 6,5 por cento em 2018 uma vez que tanto a demanda global quanto a doméstica enfraqueceram e a guerra comercial com os EUA amplia os riscos econômicos.

Li alertou sobre os desafios para a segunda maior economia do mundo e prometeu manter a segurança com uma série de medidas de estímulo.

"O ambiente que o desenvolvimento da China enfrenta este ano é mais complicado e mais severo", disse ele. "Haverá mais riscos e desafios que são previsíveis ou imprevisíveis e precisamos estar totalmente preparados para uma dura batalha."

Li disse que a política fiscal da China se tornará "mais vigorosa" com cortes planejados de cerca de 2 trilhões de iuanes (298,3 bilhões de dólares) em impostos e taxas para empresas.

Para sustentar o crescimento, Li disse que a China vai monitorar de perto o emprego em empresas de exportação altamente expostas ao mercado dos EUA e reduzir o imposto sobre valor agregado para o setor manufatureiro a 13 por cento, de 16 por cento. O imposto para os setores de transporte e construção cairá a 9 por cneto, de 10 por cento.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário