Dólar avança mais de 1% ante real acompanhando exterior após decisão do BCE

Publicado em 07/03/2019 17:32 e atualizado em 07/03/2019 18:15
141 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu mais de 1 por cento ante o real nesta quinta-feira, tocando uma nova máxima do ano, alinhado ao movimento global de moedas, com mercados focados na decisão do Banco Central Europeu, enquanto, no front doméstico, receios sobre o andamento da reforma da Previdência reforçaram a cautela.

O dólar avançou 1,27 por cento, a 3,8847 reais na venda, maior patamar desde 27 de dezembro de 2018. Neste pregão, a moeda oscilou entre 3,9040 reais e 3,8168 reais. O dólar futuro subia cerca de 1,2 por cento.

No exterior, a moeda norte-americana subia cerca de 0,86 por cento contra uma cesta de moedas.

A divisa norte-americana acelerou a alta contra o real após o BCE cortar nesta quinta-feira previsões de crescimento e inflação na zona do euro, bem como adiar para o próximo ano o momento de sua primeira alta de juros pós-crise e oferecer aos bancos novas rodadas de empréstimos baratos.

A medida de estímulo já era prevista por agentes financeiros globais, mas os cortes nas projeções, com Mario Draghi, presidente do BCE, citando um "período de fraqueza contínua e incerteza disseminada", foram uma surpresa, derrubando rendimentos de títulos do governo, o euro e índices acionários ao redor do mundo.

Segundo o operador de câmbio da Advanced Corretora, Alessandro Faganello, a fala de Draghi estressou o mercado, sobretudo o comentário de que os cortes nas previsões estão relacionados à desaceleração do crescimento global. "O estímulo já era esperado, mas os cortes de repente abrem uma discussão maior", avaliou.

Do lado doméstico, há uma crescente preocupação com a falta de notícias da parte do governo sobre a reforma da Previdência. O mercado monitora agora a instalação das comissões especiais na Câmara dos Deputados, a primeira etapa da tramitação da matéria.

Segundo Faganello, uma demora prolongada na instalação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) - que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, havia previsto para a semana passada - pode levar o mercado a pensar que o governo não tem a Previdência como uma de suas prioridades.

No fim da tarde, o presidente Jair Bolsonaro usou o Twitter para dizer que "é a partir da reforma da Previdência que o país terá condições de estabilizar as contas", acrescentando que a reforma previdenciária vai viabilizar uma "rígida reforma tributária".

Também há razoável preocupação entre agentes financeiros de que as recentes publicações controversas de Bolsonaro no Twitter possam dificultar a formação da base aliada no Congresso.

Prevalece a percepção de aprovação do texto no segundo semestre do ano, mas ainda restam dúvidas quanto ao teor do texto que será chancelado por parlamentares.

O Banco Central vendeu 14,5 mil swaps cambiais tradicionais, equivalente à venda futura de dólares. Assim, rolou 1,450 bilhão de dólares dos 12,321 bilhões que vencem em abril.

(Por Laís Martins)

Fonte Reuters

Nenhum comentário