Venezuela entra no quarto dia de blecaute com Maduro culpando os EUA por falta de energia

Publicado em 10/03/2019 14:44 e atualizado em 10/03/2019 20:11
227 exibições

CARACAS (Reuters) - Os venezuelanos acordaram neste domingo em meio a um blecaute nacional sem precedentes, que já dura quatro dias, deixando os moradores preocupados com os impactos da falta de eletricidade nos sistemas de saúde, comunicações e transporte do país.

O presidente socialista, Nicolás Maduro - que está enfrentando um desafio ao seu mandato pelo líder do congresso oposicionista, Juan Guaidó - disse que o blecaute é culpa de um ato de “sabotagem” dos Estados Unidos na represa hidrelétrica de Guri, mas especialistas dizem que é resultado de anos de investimentos insuficientes.

Guaidó evocou a constituição para assumir a presidência interina em janeiro, argumentando que a reeleição de Maduro em 2018 foi fraudulenta. Ele foi reconhecido como líder legítimo da Venezuela pelos EUA e a maioria dos países ocidentais.

Apesar da pressão de frequentes protestos da oposição e de sanções norte-americanas ao setor petroleiro, essencial para o país, Maduro não está aberto a negociações para acabar com o impasse político e parece disposto a se manter onde está, disse Elliott Abrams, enviado do governo Trump para a Venezuela.

O blecaute, que começou na tarde de quinta-feira, aumentou a frustração entre os venezuelanos, que já estão sofrendo com ampla escassez de comida e medicamentos.

O país da Opep, que já foi próspero, está sofrendo em meio à um colapso de hiperinflação. Alimentos apodreceram nas geladeiras, pessoas andaram quilômetros para chegar ao trabalho com o metrô de Caracas parado e familiares no exterior aguardavam ansiosos por notícias de parentes, com os sinais de telefone e internet intermitentes.

“O que você pode fazer sem eletricidade?”, questionava Leonel Gutierrez, um técnico de sistemas de 47 anos, enquanto carregava sua filha de seis meses para comprar mantimentos. "A comida que tínhamos estragou."

Nos hospitais, a falta de luz, combinada com a ausência ou performance ruim de geradores reserva resultou na morte de 17 pacientes pelo país, segundo a organização não governamental Doctors for Health no sábado. A Reuters não pode verificar o número e o Ministério da Informação não respondeu a pedidos de comentário.

A energia voltou brevemente a partes de Caracas e outras cidades na sexta-feira mas acabou de novo perto do meio-dia no sábado.

O blecaute é, de longe, o pior em décadas. Em 2013, Caracas e 17 dos 23 Estados do país foram atingidos por um blecaute que durou seis horas, enquanto em 2018 oito Estados sofreram um queda de luz que durou 10 horas, disseram autoridades do governo na época.

EUA pressionam Índia a parar de comprar petróleo venezuelano

(Reuters) - Os Estados Unidos estão pressionando a Índia para que pare de comprar petróleo venezuelano, uma grande fonte de receita para o governo do presidente Nicolás Maduro, disse o principal representante de Washington para a Venezuela, enquanto o governo de Donald Trump ameaça mais sanções norte-americanas para cortar as linhas financeiras de Maduro.

"Nós dizemos que você não deveria estar ajudando este regime, você deveria estar do lado do povo venezuelano", disse Elliott Abrams à Reuters em uma entrevista.

A administração Trump deu a mesma mensagem a outros governos, disse Abrams, e fez um argumento semelhante para bancos estrangeiros e empresas privadas que fazem negócios com o governo de Maduro.

Abrams descreveu a abordagem dos EUA como "argumentando, persuadindo, exortando".

A pressão sobre a Índia vem em um momento no qual os Estados Unidos e seus aliados regionais, que apoiam o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, ameaçam mais sanções para cortar o fluxo de receita para o governo de Maduro e forçá-lo a renunciar.

Washington vê Guaidó como o líder legítimo da Venezuela e impôs sanções ao setor petrolífero do país e anunciou congelamentos de ativos e proibições de viagens para os principais funcionários do governo.

O mercado indiano é crucial para a economia da Venezuela, porque historicamente tem sido o segundo maior cliente pagador em dinheiro do petróleo bruto do país, atrás dos Estados Unidos, que através de sanções contra Maduro entregou grande parte dessa receita a Guaidó.

As remessas de petróleo para a China, outro grande importador da Venezuela, não geram caixa porque vão pagar bilhões de dólares em empréstimos feitos a Caracas por Pequim.

As conversações sobre a Venezuela vêm à medida que as tensões comerciais aumentam entre Washington e Nova Déli, e quando os Estados Unidos também pressionam a Índia a deixar de comprar petróleo iraniano.

Os Estados Unidos planejam acabar com o tratamento comercial preferencial para a Índia, que permite a entrada com isenção de impostos de até 5,6 bilhões de dólares em suas exportações para os Estados Unidos.

Apesar de pressão, Maduro parece determinado a continuar onde está, diz enviado dos EUA

Por Lesley Wroughton

WASHINGTON (Reuters) - Não há sinais de que o presidente venezuelano Nicolás Maduro esteja aberto a negociações para acabar com o impasse político com o líder da oposição Juan Guaidó, disse o enviado de Washington à Venezuela.

Elliott Abrams, que serviu nas administrações de Ronald Reagan e George W. Bush, disse que qualquer solução negociada precisaria ser alcançada entre os venezuelanos, e que os Estados Unidos poderiam ajudar levantando ou facilitando as sanções norte-americanas e restrições de viagem uma vez que Maduro concordasse em sair.

Abrams, no entanto, minimizou qualquer possibilidade de que o presidente venezuelano estivesse pronto para falar sobre sua saída. "De tudo o que vimos, a tática de Maduro é ficar parado", disse Abrams em uma entrevista na sexta-feira.

Cerca de 56 países reconheceram Guaidó como o chefe de Estado interino da Venezuela, mas Maduro mantém o apoio da Rússia e da China, bem como o controle de instituições estatais, incluindo as forças armadas.

Abrams se encontrou com representantes russos nos EUA sobre o apoio de Moscou a Maduro. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse no início do mês, depois de um telefonema com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que Moscou estava pronta para participar de conversações bilaterais sobre a Venezuela.

"Os russos não estão felizes com Maduro por todas as razões óbvias", disse Abrams. "Em algumas conversas me disseram que deram conselhos a Maduro e ele não aceita."

"Eles continuam a apoiá-lo e não há indicação de que eu tenha visto que eles estão dizendo que é hora de acabar com isso", disse ele, acrescentando: "Pode chegar um ponto em que os russos cheguem a uma conclusão de que o regime é realmente irrecuperável ".

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Washington pediu aos bancos estrangeiros que garantam que os funcionários do governo de Maduro e da Venezuela não estejam escondendo ativos financeiros no exterior. John Bolton, o conselheiro de segurança nacional dos EUA, na semana passada ameaçou impor sanções contra qualquer instituição financeira que ajudasse Maduro.

"Não vamos conseguir nenhuma cooperação dos bancos russos, mas acho que cada passo que damos dificulta que o regime roube dinheiro", disse Abrams.

Moscou tem 3,1 bilhões de dólares em dívidas soberanas da Venezuela e atuou como credor de última instância para Caracas, com o governo e a gigante do petróleo russa, a Rosneft, entregando à Venezuela pelo menos 17 bilhões de dólares em empréstimos e linhas de crédito desde 2006.

Abrams disse que ainda não falou com autoridades do governo chinês sobre o apoio de Pequim a Maduro, culpando os problemas de agendamento. "Nós vamos fazer isso", disse Abrams.

Referindo-se a Cuba, o enviado norte-americano descreveu a ilha como "um parasita que se alimenta da Venezuela há décadas", tomando seu petróleo enquanto oferece inteligência e outras proteções para Maduro.

"Há milhares de oficiais cubanos, e literalmente, fisicamente em torno dele. De certa forma, eles são os principais assessores de Maduro", disse Abrams sobre o papel de Havana.

Cuba tem sido um dos principais apoiadores do governo socialista venezuelano desde a Revolução Bolivariana que começou sob o ex-líder Hugo Chávez.

Cuba negou ter forças de segurança na Venezuela e disse que declarações como a de Abrams faziam parte de uma campanha de mentiras que visava abrir caminho para a intervenção militar norte-americana no país sul-americano.

(Reportagem adicional de Christian Lowe em Moscou).

  •  Reuters
.
Motoristas formam filas para comprar combustível em Caracas, Venezuela 10/03/2019. REUTERS/Carlos Jasso

Venezuela entra no quarto dia de blecaute

CARACAS (Reuters) - Venezuelanos irritados fizeram fila para comprar água e combustível neste domingo, quando o país entrou no quarto dia de apagão em todo o país, que deixou alimentos já escassos apodrecendo nas lojas, casas sofrendo por falta de água e telefones celulares sem sinal.    

As autoridades conseguiram fornecer apenas acesso desigual a energia desde que o blecaute começou na quinta-feira, no que o presidente Nicolás Maduro chamou de ato de sabotagem apoiado pelos Estados Unidos, mas os críticos insistem que é o resultado da incompetência e da corrupção.    

Sem uma explicação oficial coerente do problema ou do prazo provável para resolvê-lo, os venezuelanos, que há anos encontram maneiras de rir das privações da crise econômica, estão agora preocupados com a possibilidade de que o apagão se estenda indefinidamente.    

A pior queda de energia do país ocorre enquanto Maduro enfrenta um colapso econômico hiperinflacionário e uma crise política sem precedentes. Em janeiro, o líder da oposição Juan Guaidó invocou a constituição para assumir a presidência depois de declarar a reeleição de Maduro em 2018 como uma fraude.    

Moradores irritados do bairro de Chacao em Caracas montaram barricadas ao longo de uma avenida principal e em ruas laterais para protestar contra a contínua paralisação.    

"A comida que tínhamos em nossas geladeiras estragou, as empresas estão fechadas, não há comunicação, nem mesmo pelo celular", disse Ana Cerrato, 49, comerciante, diante de uma pilha de arame farpado e detritos.    

"Nenhum país pode suportar 50 horas sem eletricidade. Precisamos de ajuda! Estamos em uma crise humanitária!"    

Filas em postos de combustível enquanto os motoristas aguardavam para abastecer com gasolina e ônibus esperavam encher de diesel. Famílias ficaram sob o sol para comprar água potável, que não está disponível para a maioria dos moradores cujas casas não têm energia.    

A estatal de petróleo PDVSA disse no domingo que os suprimentos de combustível estavam garantidos, mas muitos postos continuaram fechados por falta de energia.    

Comerciantes incapazes de manter os frigoríficos trabalhando começaram a doar queijo, vegetais e carne aos clientes.    

"Eu vou dar isso para as crianças de rua que eu vejo", disse Jenny Paredes, dona de um café, em referência ao leite que ela não poderia mais manter.    

Outras lojas tinham suprimentos roubados.    

Um pequeno supermercado em uma área da classe trabalhadora do oeste de Caracas foi saqueado na noite de sábado depois que os manifestantes barricaram uma avenida e entraram em confronto com a polícia, segundo os vizinhos e o dono da loja, Manuel Caldeira.    

"Eles pegaram comida, quebraram as vitrines, roubaram balanças e terminais de ponto de venda", disse Caldeira, de 58 anos, em pé no chão de fábrica coberto de vidro. "Nós não estávamos aqui (quando aconteceu), chegamos aqui e descobrimos tudo isso destruído."    

O ar na loja ainda cheirava a gás lacrimogêneo da noite anterior, quando a polícia disparou cartuchos para dispersar os saqueadores. Dois funcionários lutavam para abrir portas de proteção de aço danificadas pelos ladrões.    

"O sistema elétrico nacional tem sido objeto de múltiplos cyberataques", escreveu Maduro no Twitter neste domingo. "No entanto, nós estamos fazendo grandes esforços para restaurar o fornecimento (de forma) estável e definitiva nas próximas horas."

'NENHUM DIAGNÓSTICO'    

Guaidó criticou severamente o governo por não explicar o que estava acontecendo.    

"O regime a esta hora, dias depois de um apagão sem precedentes, não tem diagnóstico", disse ele.    

Guaidó foi reconhecido como líder legítimo da Venezuela pelos Estados Unidos e pela maioria dos países ocidentais, mas Maduro mantém o controle das forças armadas e das funções do Estado.    

Apesar da pressão de marchas frequentes da oposição e das sanções dos EUA ao vital setor de petróleo do país, Maduro não está aberto a negociações para acabar com o impasse político e parece disposto a tentar ficar onde está, disse Elliott Abrams, o enviado do governo Trump para a Venezuela.     

Falando na rede de televisão norte-americana ABC, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, disse no domingo que acha que o 'momentum' está do lado de Guaidó.    

"Há incontáveis ​​conversas entre membros da Assembleia Nacional e membros das Forças Armadas na Venezuela; falando sobre o que pode acontecer, como eles podem se mobilizar para apoiar a oposição", disse Bolton.    

Nos hospitais, a falta de luz, combinada com a ausência ou performance ruim de geradores reserva resultou na morte de 17 pacientes pelo país, segundo a organização não governamental Doctors for Health no sábado.

A Reuters não pode verificar o número e o Ministério da Informação não respondeu a pedidos de comentário.

A energia voltou brevemente a partes de Caracas e outras cidades na sexta-feira mas acabou de novo perto do meio-dia no sábado.

Fonte Reuters

Nenhum comentário