Guedes diz que Brasil precisa manter comércio com China, mas ampliar com EUA

Publicado em 18/03/2019 18:26
115 exibições

WASHINGTON (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta segunda-feira que o Brasil deve manter o comércio com a China e precisa aumentar o comércio com os Estados Unidos, em contraposição à parte do governo do presidente Jair Bolsonaro, que sugere uma diminuição da dependência do país com os chineses.

“O Brasil tem que comercializar com todo mundo. Vamos seguir o jogo com a China. O que temos de fazer é aumentar o comércio com os Estados Unidos”, defendeu Guedes em conversa com jornalistas em Washington, onde acompanha Bolsonaro e outros ministros.

“Nós tivemos uma atitude de desinteresse por um parceiro extraordinário que está aqui do nosso lado e isso se agudizou no período de governo do PT”, acrescentou.

Guedes disse ainda que a essência do comércio é o “ganha-ganha” e que a intenção de aumentar o comércio com os norte-americanos não é o mesmo que se contrapor à China.

Exportação de soja do Brasil será de 70 mi t em 2019, queda de 17%, prevê Safras

SÃO PAULO (Reuters) - As exportações de soja do Brasil devem somar 70 milhões de toneladas em 2019, uma queda de 17 por cento em relação ao ano anterior, informou nesta segunda-feira a consultoria Safras & Mercado.

Mesmo com a baixa nas exportações, a estimativa prevê redução nos estoques finais dos grãos, a 200 mil toneladas, 19 por cento a menos que em 2018.

A cifra segue quedas de 10 por cento tanto em oferta, para 115,85 milhões de toneladas, quanto em demanda, para 115,65 milhões de toneladas. A queda na oferta se dá em meio a uma quebra de safra pela seca.

Ainda segundo análise de oferta e demanda da empresa, o Brasil esmagará 42,5 milhões de toneladas da oleaginosa no ano, leve alta de 1 por cento ante 2018, acompanhando avanço igual da produção de farelo de soja, que alcançará 32,375 milhões de toneladas.

O farelo, porém, tem estoque previsto 121 por cento maior que o do ano anterior, a 3,422 milhões de toneladas, alavancado por queda de 17 por cento nas exportações, não compensada por um leve avanço de 3 por cento no consumo interno.

A Safras informa também que a produção de óleo de soja deverá ser de 8,46 milhões de toneladas, com exportações registrando queda de 48 por cento, a apenas 700 mil toneladas.

Os estoques do óleo subirão 31 por cento, para 128 mil toneladas, mesmo com um avanço de 200 mil toneladas no consumo interno, para 7,8 milhões de toneladas.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário