Petrobras faz hedge para produção de 2019; compra "put" de Brent a US$ 60

Publicado em 22/03/2019 11:21
43 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras informou nesta sexta-feira que executou estratégia de hedge para proteger parte de sua produção de petróleo prevista para 2019, comprando opções de venda ("put") do Brent com preço de exercício ao nível de 60 dólares o barril.

As opções de venda adquiridas têm preço de exercício referenciado na média das cotações do Brent de abril até o fim de 2019.

O prêmio total da operação é da ordem de 320 milhões de dólares, e o vencimento das opções se dará em 31 de dezembro de 2019, segundo nota da companhia.

O preço do Brent é negociado perto de 67 dólares o barril, rondando suas máximas de 2019. A commodity subiu cerca de um terço desde o começo de janeiro, com cortes de produção da Opep e seus aliados.

O comunicado da Petrobras confirma reportagem da Reuters, publicada com fontes no início da semana, que indicou que a Petrobras havia comprado opções de venda com preço de exercício de 60 dólares o barril.

"A estratégia visa hedgear as operações de exportação previstas para o período, protegendo parcialmente o fluxo de caixa operacional da companhia para o ano de 2019, garantindo um nível de realização mínimo de preço para o volume", disse a estatal em nota nesta sexta-feira.

"Assim, há proteção contra os cenários de baixa dos preços, porém mantém-se a fruição dos preços mais elevados nos cenários de alta do Brent."

A estatal disse que a operação está em linha com o Plano de Resiliência, lançado recentemente, cujo objetivo é contribuir para a maximização de valor para os acionistas e para o Brasil.

O plano contém ações adicionais ao plano de negócios 2019-2023 e é consistente com os cinco pilares estratégicos da companhia: maximização do retorno sobre o capital empregado; redução do custo do capital; busca incessante por custos baixos; meritocracia; respeito às pessoas e ao meio ambiente e foco na segurança de nossas operações.

(Por Roberto Samora)

Fonte: Reuters

Nenhum comentário