Ato de caminhoneiros reúne apenas 40 pessoas em Curitiba (no ESTADÃO)

Publicado em 30/03/2019 20:08 e atualizado em 31/03/2019 02:27
155 exibições
Um grupo de caminhoneiros fez uma manifestação em Curitiba, neste sábado, por reivindicações da categoria junto ao governo federal. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o protesto reuniu cerca de 40 profissionais. A principal reivindicação da categoria envolve a política de preços do diesel da Petrobras
Ato de caminhoneiros reúne apenas 40 pessoas em CuritibaO ato ocorreu na BR-476, Linha Verde, e começou por volta das 11h30, no quilômetro 142 Foto: PRF/PR

Na última quarta-feira, 27, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos(CNTA) descartou a possibilidade de uma nova greve para este fim de semana, alegando que os profissionais estariam organizando apenas uma carreata para “chamar a atenção do governo para algumas insatisfações."

O ato ocorreu na BR-476, Linha Verde, e começou por volta das 11h30, no quilômetro 142. Os caminhoneiros saíram em comboio, pela faixa da direita, sem atrapalhar o fluxo de automóveis, e foram acompanhados por viaturas da PRF. A manifestação acabou por volta das 13h, no quilômetro 122.

Os caminhoneiros estão insatisfeitos com o governo. A principal questão envolve a política de preços do diesel da Petrobras. A estatal anunciou na terça-feira, 26, que manterá o preço do diesel congelado nas refinarias pelo prazo mínimo de 15 dias. Os caminhoneiros gostariam que a empresa baixasse o preço do diesel e mantivesse a tabela congelada por pelo menos 30 dias.

Bolsonaro diz em vídeo que governo respeita caminhoneiros e tem atendido categoria

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse em vídeo nas redes sociais nesta sexta-feira que seu governo respeita os caminhoneiros e tem tomado medidas de interesse da categoria, como uma mudança na periodicidade dos reajustes do diesel pela Petrobras.

O material, postado no Twitter pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, vem em meio a ameaças de uma nova greve de caminhoneiros devido a recentes altas no combustível.

O jornal O Estado de S. Paulo publicou na semana passada que paralisações poderiam ser mobilizadas para sábado, 30 de março.

Em 2018, uma histórica greve dos motoristas de caminhão contra altas nos preços do diesel gerou caos pelo país, obrigando o governo a negociar um subsídio temporário ao combustível, até o final daquele ano, e culminando na saída do então presidente da Petrobras, Pedro Parente.

"Olá, amigos caminhoneiros de todo o Brasil. No dia de ontem, anunciamos algumas medidas do interesse de vocês, como a (mudança na) periodicidade da recomposição do preço do diesel e também a questão do 'cartão caminhoneiro'... esse é um governo que respeita e reconhece o trabalho de todos vocês", disse o presidente no vídeo.

O material foi colocado por Onyx como "recado do presidente" e do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, para a categoria.

Freitas, que também aparece nas imagens, destaca medidas e promessas do interesse dos caminhoneiros, como a previsão do governo de concluir a pavimentação ainda neste ano da rodovia BR-163, importante para o escoamento de grãos para o porto fluvial de Miritituba (PA). 

A Petrobras anunciou no dia 26 de março uma mudança em sua política de preços, prevendo que reajustes do diesel ocorrerão em periodicidade superior a 15 dias. 

A estatal também disse na ocasião que sua subsidiária de combustíveis BR Distribuidora está desenvolvendo para implantação em período estimado de 90 dias um cartão de pagamentos que viabilizará a compra de diesel por caminhoneiros a preço fixo em postos com bandeira BR.

Em mais um evento fora da agenda, Bolsonaro fala a homens em evento sobre "hombridade"

BRASÍLIA (Reuters) - Em mais um evento fora da agenda, o presidente Jair Bolsonaro decidiu nesta sexta-feira participar de uma palestra para homens em um evento organizado pela igreja evangélica Comunidade das Nações, convidado pelo pastor Claudio Duarte, amigo do presidente.

Bolsonaro chegou ao local da palestra pouco depois das 17h, ainda dentro do horário regular de expediente, depois de ter saído do Planalto para o Palácio do Alvorada em torno de 15h30. Até o à noite desta sexta o evento não constava da agenda oficial.

O presidente ficou em torno de uma hora e meia no local e falou para cerca de 500 homens no evento "Escola de Hombridade" --segundo a organização, uma palestra em que os participantes recebem orientações e conselhos de como um cristão deve agir em casa, com a família e no trabalho.

Em um vídeo repassado por um dos participantes, Bolsonaro é recebido aos gritos de "mito". Ao iniciar sua fala, chama os presentes de "varões do Brasil", agradece mais uma vez por estar vivo e afirma que, diferente do rei Salomão, personagem bíblico que pedia inteligência, ele pede também coragem para "decidir o futuro desse país".

Jornalistas não tiveram acesso à palestra, a pedido da Presidência da República, segundo a organização do evento.

As "agendas secretas" do presidente têm se tornado rotina. Apenas esta semana, Bolsonaro já havia "desaparecido" outras três vezes, participando de eventos públicos que não estavam e nunca foram incluídos na agenda oficial, apesar da Lei de Acesso à Informação e da lei que trata dos conflitos de interesse na administração pública exigirem a publicação na internet da agenda de todas as autoridades.

Na terça-feira, Bolsonaro foi pela manhã ao cinema com a esposa, Michele, alguns ministros e equipe da secretaria de comunicação da Previdência assistir a um filme religioso chamado "Superação: o milagre da fé", com tradução simultânea em libras. Sua mulher é evangélica e tradutora de libras.

Na quarta, em viagem a São Paulo, Bolsonaro se reuniu com o governador de São Paulo e outros empresários na casa de Elie Horn, fundador da construtora Cyrela. O encontro estava na agenda do governador, mas nunca entrou na do presidente.

Na noite de quinta, já depois do expediente, Bolsonaro foi a uma churrascaria para a festa de aniversário do deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), um de seus melhores amigos.

Mesmo durante sua viagem aos Estados Unidos o presidente encaixou em seu apertado cronograma uma visita à CIA que foi escondida na agenda oficial. No entanto, ainda a caminho da agência norte-americana, seu filho Eduardo, que o acompanhava, colocou a informação em sua conta no Twitter.

A principal reivindicação da categoria envolve a política de preços do diesel da Petrobras

 

Fonte: ESTADÃO/Reuters

Nenhum comentário