Dólar tem leves variações ante real após tumulto entre Guedes e parlamentares na CCJ

Publicado em 04/04/2019 10:53
55 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar tinha leves variações ante o real nesta quinta-feira, com o mercado ainda digerindo a participação tumultuada do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e monitorando encontros do presidente Jair Bolsonaro com parlamentares.

Às 10:15, o dólar recuava 0,01 por cento, a 3,8782 reais na venda. Na véspera, a moeda encerrou com avanço de 0,57 por cento, a 3,8787 reais na venda.

O dólar futuro subia cerca de 0,2 por cento neste pregão.

Em uma audiência de mais de seis horas e marcada por embates com a oposição, Guedes reconheceu que o Congresso poderá mudar a reforma da Previdência em pontos considerados sensíveis, mas reforçou o apelo para economia robusta o suficiente para abrir caminho para o sistema de capitalização.

A participação do ministro terminou de forma abrupta, com a decisão do presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), de encerrar a audiência depois de um novo conflito entre deputados da oposição e Guedes.

Na avaliação do sócio do grupo Laatus, Jefferson Laatus, a audiência da véspera trouxe ao mesmo tempo um sinal positivo, depois que Guedes defendeu e falou bem sobre a reforma, e um sinal negativo, o de que a oposição atuará fortemente contra a proposta.

"Preocupa a ausência de aliados, a gente não viu a Joice (Hasselmann), não vimos o Eduardo Bolsonaro. O sentimento foi de que Guedes foi momentaneamente jogado aos leões", avaliou Laatus, acrescentando que a articulação política ainda está aquém do esperado por agentes financeiros.

Cresce a preocupação entre investidores sobre a capacidade de Guedes e outros membros do Executivo em convencer a Câmara dos Deputados sobre a necessidade de aprovar a reforma.

Agora o mercado passa a olhar para os encontros de Bolsonaro com parlamentares, previstos para durarem todo o dia, com o objetivo de articular a reforma da Previdência.

"É uma sinalização super positiva, de que vai começar de fato a articular. Há uma preocupação grande do mercado se ele vai conversar ou não com a oposição. Se não conversar, vai ser pior", disse Laatus sobre a agenda de Bolsonaro.

No exterior, as moedas emergentes perdiam força contra o dólar com investidores aguardando mais evidências concretas de avanço nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China em dia que tem na agenda encontro do presidente norte-americano, Donald Trump, com o vice-premiê chinês, Liu He.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 5,350 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de maio, no total de 4,843 bilhões de dólares.

(Por Laís Martins)

Fonte: Reuters

Nenhum comentário