Autonomia do BC é princípio importante para crescimento, diz Bolsonaro

Publicado em 11/04/2019 18:40 e atualizado em 11/04/2019 21:04
28 exibições

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira em sua conta no Twitter que a autonomia do Banco Central é um princípio inportante para o crescimento econômico e comemorou o envio pelo governo ao Congresso de uma proposta que dá autonomia à autoridade monetária.

"A exemplo das economias mais avançadas, oficializamos hoje a proposta que consolida a autonomia do Banco Central, princípio importante que ajuda a fornecer estabilidade, eficiência e crescimento econômico. É mais um compromisso sendo cumprido!", escreveu o presidente na rede social.

Mais cedo, em cerimônia alusiva aos 100 dias de governo Bolsonaro, o presidente assinou projeto de lei complementar que institui a autonomia do Banco Central e prevê mandato de quatro anos para os diretores, com possibilidade de uma recondução, descasado do mandato presidencial.

Bolsonaro atribui eleição a milagre e diz que recebeu missão de Deus

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira em evento com evangélicos que considera um milagre ter sido eleito presidente no ano passado e afirmou que considera sua eleição uma missão recebida de Deus.

Em rápido discurso para um grupo de ao menos 100 líderes evangélicos do Brasil e do exterior, liderado pelo pastor Silas Malafaia, em um hotel na zona oeste do Rio de Janeiro, Bolsonaro disse que até em sua casa havia dúvidas sobre se ele poderia vencer a eleição. Também participaram do encontro os presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

"Cheguei a essa condição que cheguei, que quase ninguém acreditava --até lá em casa tinha problema... Mas conseguimos chegar quase que por um milagre. Vou dizer: é um milagre, sim, no meu entender, perto do que nós tínhamos e os outros tinham", disse o presidente em discurso.

"Mas esse milagre é o que eu chamo de missão de Deus. Essa missão, com os senhores e com o povo de bem do Brasil, nós a cumpriremos e o Brasil chegará, sim, a um porto seguro", acrescentou.

No discurso aos evangélicos, Bolsonaro lembrou a viagem recente que fez a Israel e voltou a citar o país como um exemplo a ser seguido pelo Brasil. Ele lembrou ainda a visita que fez ao museu do Holocausto e, se referindo ao assassinato de 6 milhões de judeus pelo regime nazista, defendeu que pode-se perdoar, mas jamais esquecer.

"Fui mais uma vez ao museu do Holocausto. Nós podemos perdoar, mas não podemos esquecer", disse. "Quem esquece o passado, está condenado a não ter futuro. Se não queremos repetir a história, que não foi boa, vamos evitar com atos que se repita."

Bolsonaro também voltou a dizer em seu discurso que Israel tem o direito de escolher sua capital. Durante a visita que fez ao país, o presidente anunciou a abertura de um escritório comercial do governo brasileiro em Jerusalém, cidade cuja parte oriental os palestinos querem como capital de seu futuro Estado.

A medida gerou ruídos com israelenses, que esperavam que Bolsonaro cumprisse uma promessa de campanha e mudasse a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém e desagradou países árabes, grandes compradores de produtos brasileiros, especialmente na área agrícola.

No discurso aos evangélicos, Bolsonaro também lembrou que jantou na quarta-feira com embaixadores e lideranças de países islâmicos e afirmou que quer manter boas relações com essas nações.

"Eles mantêm negócios bilionários conosco e, na minha fala, falei para eles que nosso relacionamento comercial seja fortalecido e que se transforme cada vez mais em paz, harmonia e amor", discursou o presidente.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário