Ibovespa fecha em alta com recuperação de Petrobras; JBS renova cotação recorde (REUTERS)

Publicado em 16/04/2019 18:23 e atualizado em 16/04/2019 19:07
159 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista fechou no azul nesta terça-feira, com o Ibovespa batendo 95 mil pontos no melhor momento, apoiado na forte alta de Petrobras em meio à repercussão benigna de medidas do governo para caminhoneiros.

Papéis de empresas de proteínas também se destacaram, com JBS disparando mais de 8 por cento e renovando máxima histórica.

Índice de referência da bolsa brasileira, o Ibovespa subiu 1,34 por cento, a 94.333,31 pontos, tendo tocado 95.061,95 pontos na máxima. O giro financeiro somou 14 bilhões de reais.

O governo federal anunciou um conjunto de medidas para melhorar as condições de trabalho de caminhoneiros autônomos e reduzir os custos da categoria, incluindo promessa de 2 bilhões de reais para conclusão de obras e manutenção de rodovias.

De acordo com profissionais do mercado ouvidos pela Reuters, ainda é preciso aguardar pelo desfecho da reunião sobre a política de reajustes da Petrobras nesta terça-feira, mas as medidas sinalizaram que a empresa pode ser poupada.

“A leitura é de que o governo quer corrigir o que fez (na última semana, quando pressão do presidente Jair Bolsonaro fez a companhia voltar atrás em aumento do preço do diesel)”, destacou o gestor Marco Tulli, da mesa da Bovespa da Coinvalores.

Na última sexta-feira, os papéis da estatal despencaram com a decisão de suspender reajuste anunciado e cancelado na quinta-feira, fazendo a empresa perder mais de 30 bilhões de reais em valor de mercado.

Dados da B3 disponibilizados nesta terça-feira sobre as negociações de estrangeiros no segmento Bovespa no último dia 12 de abril mostraram saída líquida de 2,8 bilhões reais naquele pregão.

Em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro reúne-se com os ministros de Minas e Energia e da Infraestrutura, além do presidente da Petrobras e técnicos da área para discutir a política de reajustes da petrolífera de controle estatal.

As discussões sobre a reforma da Previdência permaneceram no radar. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara ignorou acordo fechado entre lideranças na véspera que prevê a votação da matéria na próxima semana e afirmou que ainda decidirá se ela poderá ser votada nesta semana.

No exterior, Wall St encontrou suporte em resultados corporativos como o da Johnson & Johnson e na alta de papéis de companhias de tecnologia. As bolsas na Ásia fecharam no azul, mesma direção de pregões na Europa.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN e PETROBRAS ON subiram 3,05 e 3,57 por cento, respectivamente, com investidores repercutindo medidas para caminhoneiros e atentos a uma reunião no Planalto sobre a política de preços da companhia. Mais cedo, ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o governo sempre afirmou que a Petrobras tem autonomia para realizar a sua política de preços de combustíveis.

- JBS disparou 8,48 por cento, para 19,45 reais, cotação recorde para fechamento, tendo como pano de fundo expectativas favoráveis de analistas para a processadora de carne em razão da disseminação da gripe suína africana na China, com o Morgan Stanley elevando a recomendação dos papéis para ‘overweight’. No setor, MARFRIG avançou 7,42 por cento e BRF saltou 6,26 por cento.

- VALE fechou em alta de 3,45 por cento, acelerando os ganhos após decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais autorizar a mineradora a retomar a operação de sua mina Brucutu, a maior de minério de ferro da companhia em Minas Gerais, segundo documento visto pela Reuters.

- SABESP valorizou-se 3,61 por cento, em meio a perspectivas de mudanças na Medida Provisória do marco regulatório do saneamento, que podem facilitar a privatização da companhia de água e esgoto do Estado de São Paulo.

- BANCO DO BRASIL subiu 2,07 por cento, em sessão positiva para empresas de controle estatal, enquanto os privados ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN encerraram com decréscimos de 0,09 e 0,17 por cento, respectivamente.

- VIA VAREJO cedeu 3,37 por cento e B2W recuou 3,66 por cento, em sessão mais fraca do setor de varejo. MAGAZINE LUIZA perdeu 0,26 por cento.

- BRASKEM PNA caiu 0,16 por cento, após a Justiça de Alagoas suspender o pagamento de dividendos de 2,7 bilhões de reais, em meio a acusações de envolvimento da petroquímica em um fenômeno geológico ocorrido em bairros próximos à área de extração de salgema na capital alagoana.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário