No Estadão: Reajuste divide caminhoneiros e parte da categoria ameaça greve

Publicado em 18/04/2019 08:32 e atualizado em 18/04/2019 09:40
226 exibições

O anúncio da alta do diesel na quinta-feira, 17, à noite foi mais um revés sofrido pelos caminhoneiros nesta semana. Depois do pacote de medidas que frustrou a categoria, a decisão da Petrobrás de elevar em R$ 0,10 o litro do diesel deixou os motoristas divididos. A ala mais radical já se articula para uma paralisação nos próximos dez dias. Mas também há a turma do “deixa disso” e que prefere esperar mais.

O caminhoneiro Wanderlei Alves, conhecido como Dedeco, diz que não tem outra alternativa a não ser decretar uma greve. “O governo pagou para ver. Agora só estamos vendo a data, mas será em menos de dez dias.” Ele destaca que a conta não fecha já que o preço do frete continua igual e os custos, subindo. Para quem gasta 10 mil litros de diesel, o aumento de quinta-feira representa R$ 1 mil no bolso do caminhoneiro, como é o caso de Dedeco. “O governo insiste em tratar do setor com quem não tem caminhão”, critica Dedeco, uma das lideranças nacionais.

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão

Fonte: Estadão

Nenhum comentário