Não há sinal de recessão global nos próximos 12 meses, diz CEO da BlackRock

Publicado em 20/04/2019 16:55
191 exibições

BERLIM (Reuters) - Não há sinais de que a economia global deva entrar em recessão nos próximos 12 meses, disse neste sábado o presidente-executivo da gestora de ativos BlackRock, Larry Fink.

    Em entrevista ao diário alemão Handelsblatt, Fink alertou, contudo, que a economia global está nas etapas finais de um longo ciclo de crescimento, sugerindo assim que uma desaceleração é cada dia mais provável.

    "Não vejo sinais de uma recessão global nos próximos 12 meses", disse Fink, que lidera a maior gestora de ativos do mundo. "Os bancos centrais afrouxaram suas políticas econômicas por causa do fraco quarto trimestre de 2018. Passaremos por uma fase agora em que tudo não será tão bom, tampouco ruim."

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou neste mês sua previsão de crescimento econômico para 2019 e ela pode piorar ainda mais devido a disputas comerciais vigentes e o risco de o Reino Unido deixar a União Europeia sem um acordo.

Índice de construção de moradias dos EUA cai ao menor nível em quase 2 anos

WASHINGTON (Reuters) - O índice de construção de moradias dos Estados Unidos caiu para o menor nível em quase dois anos em março, pressionado pela persistente fraqueza no segmento residencial de família única, sugerindo que o mercado imobiliário norte-americano continua em dificuldades, apesar do declínio das taxas de financiamento.

A construção de novos imóveis recuou 0,3 por cento no mês passado, para uma taxa anual sazonalmente ajustada de 1,139 milhão de unidades, menor nível desde maio de 2017, informou o Departamento de Comércio dos Estados Unidos.

Os dados de fevereiro também foram revisados para baixo para mostrar a construção de moradias em um ritmo de 1,142 milhão de unidades, ante leitura inicial de 1,162 milhão de unidades.

Já a concessão de novos alvarás caiu 1,7 por cento em março, para uma taxa de 1,269 milhão de unidades, a menor em cinco meses.

Economistas consultados pela Reuters previam que a construção de moradias subisse para um ritmo de 1,23 milhão de unidades em março.

A prolongada fraqueza na atividade do setor de construção residencial provavelmente reflete a escassez de terrenos e mão-de-obra, bem como os preços elevados de materiais de construção.

Bolsas dos EUA fecham em leve alta, apoiadas em setor industrial

NOVA YORK (Reuters) - As ações do setor industrial sustentaram as altas moderadas nos índices Dow Jones e S&P 500 nesta quinta-feira, após robustos dados econômicos dos Estados Unidos e alguns balanços corporativos positivos.

O índice Dow Jones subiu 0,42 por cento, a 26.560 pontos, enquanto o S&P 500 ganhou 0,16 por cento, a 2.905 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 0,02 por cento, a 7.998 pontos.

Ibovespa fecha em alta com apoio de Petrobras

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta quinta-feira, encerrando a semana mais curta por feriado também no azul, com Petrobras entre os maiores suportes do dia refletindo alívio em receios sobre a autonomia da petrolífera de controle estatal.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,28 por cento, a 94.479,10 pontos, de acordo com dados preliminares. O volume financeiro somava 13,385 bilhões de reais.

Na semana, o Ibovespa acumulou acréscimo de 1,7 por cento, também conforme números antes do ajuste de fechamento.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário