Dólar no Brasil zera alta na semana com previdencia e dados dos EUA

Publicado em 26/04/2019 19:46
137 exibições

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caiu pelo segundo dia seguido ante o real nesta sexta-feira, praticamente anulando a alta da semana, influenciado pelo ambiente externo positivo e pela expectativa em torno da reforma previdenciária.

Um dia após o diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra Fernandes, dizer que a autoridade monetária não tem "preconceitos" em relação ao uso de qualquer instrumento cambial, nesta sexta foi a vez de o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmar não haver motivos estruturais para a cotação se manter acima de 4 reais.

O dólar à vista fechou esta sessão em queda de 0,62 por cento a 3,9317 reais na venda.

A moeda norte-americana cedeu também no exterior, após a abertura de dados do PIB dos Estados Unidos indicar atividade mais lenta, o que reforça a postura branda do Federal Reserve na política monetária.

Na semana, o dólar acumulou alta de 0,05 por cento. Até quarta-feira, a valorização acumulada era de 1,44 por cento.

A pressão sobre o câmbio cresceu no começo da semana à medida que o mercado demonstrou mais dúvidas sobre a capacidade do governo de se articular a favor de um andamento célere da reforma da Previdência. Para o Morgan Stanley, os níveis alcançados pela moeda norte-americana parecem exagerados.

Estrategistas do banco notam que os prêmios de risco bateram patamares similares aos vistos na época da greve dos caminhoneiros, em maio passado, e que as posições vendidas em real superaram as máximas das eleições presidenciais.

"Isso potencialmente fortalece o caso de o real não ter uma performance tão fraca quanto a temida, conforme preço e posicionamento se alinham", afirmam estrategistas em nota.

O Morgan Stanley estima dólar de 3,50 reais ao fim deste ano. Na Focus, a mediana das projeções colhidas pelo Banco Central aponta taxa de 3,75 reais.

Fonte: Reuters

0 comentário