Bolsonaro diz esperar aprovação de MP da reforma administrativa e defende nova Previdência

Publicado em 16/05/2019 20:45
153 exibições

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira que espera que a Medida Provisória 870, que faz a reforma administrativa, seja aprovada pelo Congresso na semana que vem sem alterações e também fez uma defesa da necessidade de reformar a Previdência.

"Na semana que vem está prevista a votação da Medida Provisória 870, que trata da reestruturação do governo. A gente espera que ela seja aprovada sem alterações. Se tiver, a responsabilidade --não só a responsabilidade como um direito-- é do Parlamento", disse Bolsonaro, que está em Dallas, onde recebeu homenagem da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

"A gente espera que o Coaf siga na Justiça, que nenhum novo ministério seja criado para evitar aumento de despesas. A gente espera que isso aconteça. Agora, o Parlamento é soberano para alterar, ou não, e o que for feito lá nós respeitaremos", disse na transmissão ao vivo que faz semanalmente em rede social.

A MP 870 tirou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Economia e colocou sob comando do Ministério da Justiça. A medida também reduziu o número de ministérios.

O parecer aprovado pela comissão mista que analisou a MP determinou a volta do Coaf para a Economia e o desmembramento do Ministério do Desenvolvimento Regional em duas pastas --Integração Nacional e Cidades.

A MP precisa ser aprovada pelos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado até o dia 3 de junho, caso contrário perderá validade. Há cinco MPs na frente da 870 na Câmara. Caso a medida caduque, todas as alterações feitas pela MP --como a extinção e fusão de ministérios-- perderá validade.

OPORTUNIDADE DE OURO

Na transmissão, Bolsonaro também voltou a defender a reforma da Previdência, medida apontada pela equipe chefiada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, como crucial para equilíbrio das contas públicas e retomada do crescimento da economia e dos investimentos.

"Dependemos e muito da reforma da Previdência. É uma oportunidade de ouro que temos de realmente mostrar para o mundo e para o Brasil também que queremos responsabilidade em nossas despesas. Não podemos gastar mais do que arrecadamos", disse o presidente, que disse que a economia brasileira está indo mal, como reflexo de coisas erradas feitas no passado.

Guedes: Bolsonaro quer expandir economia de mercado na América Latina

O governo do presidente Jair Bolsonaro está empenhado em transformar a América Latina em uma economia de mercado, disse hoje (16) o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Na cerimônia de homenagem ao presidente pela Câmara de Comércio Brasil–Estados Unidos, em Dallas, o ministro comentou sobre a boa relação de Bolsonaro com os governos da Argentina e do Paraguai.

“O nosso presidente se entende muito bem com os governos da Argentina e do Paraguai. A esquerda quis unificar a América Latina numa economia obsoleta, e nós queremos unificar em uma economia de mercado”, afirmou Guedes.

O ministro também demonstrou otimismo com a aprovação da reforma da Previdência pelo Congresso. Ele reiterou que, depois da aprovação, o governo enviará pacotes de medidas que promovam o crescimento como a quebra do monopólio na distribuição de petróleo e de gás.

“Queremos que o Brasil seja grande de novo. O Senado diz que vai aprovar a reforma da Previdência em 60 dias e isso vai mudar as perspectivas do país. Na segunda parte do ano voltaremos a crescer, podendo quebrar esse duplo monopólio do petróleo e gás, fazendo os preços diminuírem 50%”, disse.

Ao mencionar o prazo de 60 dias para a aprovação das mudanças na Previdência, o ministro foi bastante aplaudido pela plateia, formada por empresários e por representantes do governo. A cerimônia de entrega do prêmio de personalidade do ano pela Câmara de Comércio Brasil–Estados Unidos ocorre há 50 anos. Pela primeira vez, o evento foi realizado fora de Nova York.

Fonte: Reuters/Agencia Brasil

Nenhum comentário