Drones atingem central petrolífera saudita, fontes dizem que fluxo de óleo foi rompido

Publicado em 14/09/2019 15:13 e atualizado em 14/09/2019 19:06
308 exibições

RIAD/DUBAI/LONDRES (Reuters) - O grupo houthi do Iêmen, alinhado ao Irã, atacou duas instalações no centro da indústria petrolífera da Arábia Saudita, incluindo a maior instalação de processamento de petróleo do mundo, um ataque que, segundo três fontes, desestabilizou importações e exportações.

O ataque ocorreu antes do amanhecer às instalações da Saudi Aramco e gerou vários incêndios, embora o reino, maior exportador de petróleo do mundo, tenha dito que eles estavam sob controle.

Três fontes próximas ao assunto afirmaram que a produção de petróleo e as exportações serão afetadas. Uma fonte disse que a produção de 5 milhões de barris por dia seria impactada - perto da metade da produção do reino -, mas não deu mais detalhes. 

A televisão estatal disse que as exportações continuam, embora a Aramo ainda não tenha se pronunciado desde o ataque, que os houthis afirmam ter envolvido 10 drones. As autoridades ainda não disseram se a produção de óleo ou as exportações serão afetadas.

A Arábia Saudita, que liderou uma coalizão militar sunita que interviu no Iêmen em 2015 contra os houthis, culpou o Irã por ataques anteriores, algo que Teerã nega. Riad acusa Teerã de armar os houthis, acusação negada pelo grupo e pelo governo iraniano.

A TV estatal Ekhbariya, citando seu correspondente, afirmou que não houve vítimas nos ataques deste sábado. Uma testemunha da Reuters próxima ao local afirmou que pelo menos 15 ambulâncias foram vistas na região e que há forte presença de forças de segurança ao redor de Abqaiq.

REUNIÃO DE CRISE

Abqaiq fica 60 quilômetros ao sudoeste do quartel-general da Aramo, em Dhahran. A instalação lida com óleo bruto do maior campo convencional de petróleo do mundo, o supergigante Ghawar, e com exportações aos terminais Ras Tanura - maior instalação de carregamento de petróleo offshore do mundo - e Juaymah. Também bombeia para o oeste, atravessando o reino, aos terminais de exportação do Mar Vermelho.

Duas fontes afirmaram que Ghawar queimava gases depois que os ataques atingiram instalações de processamento de gás. Khurais, 190 quilômetros mais para o sudoeste, tem o segundo maior campo petrolífero do país.

As três fontes disseram que a Aramo havia elevado níveis de emergência e realizava uma reunião de crise após o ataque.

Foi o último de uma série de mísseis e ataques de drones dos houthis a cidades sauditas, a maioria dos quais interceptados. Mas recentemente os ataques conseguiram atingiram seus objetivos, incluindo o campo petrolífero de Shaybah, no mês passado, e estações de bombeamento de óleo, em maio. Os dois ataques causaram incêndios, mas não interromperam a produção.

"É uma situação relativamente nova para os sauditas. Por muito tempo, eles nunca tiveram medo real de que suas instalações de óleo fossem atingidas pelo ar", afirmou o diretor fundador do Centro de Política Global, Kamran Bokhari, baseado em Washington, à Reuters.

CHAMAS E FUMAÇA

Horas depois do ataque em Abqaiq, a testemunha da Reuters disse que fogo e fumaça ainda eram visíveis, mas que começavam a desaparecer. Imagens filmadas pela Reuters mostravam chamas vivas e grossas fumaças subindo em direção ao céu. Um veículo de emergência foi visto correndo em direção ao local.

O Ministério do Interior da Arábia Saudita disse que equipes de segurança industrial da Aramco trabalharam para conter o fogo desde às 4:00, horário local, conseguindo controlá-lo. A origem dos drones não foi identificada, mas disse que havia uma investigação em andamento.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita lançou ataques aéreos à província de Saada, no norte do Iêmen, um bastião houthi, neste sábado, disse uma testemunha da Reuters. A Masirah TV, controlada pelos houthis, disse que aviões de guerra queriam atingir um campo militar.

O porta-voz militar dos houthis, sem apresentar evidências, afirmou que os drones atingiram refinarias nos dois locais sauditas, que estão a mais de 1.000 quilômetros da capital do Iêmen, Sannã, e prometeu ampliar os ataques contra a Arábia Saudita.

As tensões na região cresceram nos últimos meses, depois que os Estados Unidos saíram de um acordo nuclear internacional e estendeu suas sanções econômicas ao Irã.

Fumaça gerada por incêndios em instalação petrolífera da Aramco em Abqaiq

AIE diz que mercados de petróleo estão bem abastecidos após ataque na Arábia Saudita

Instalação petrolífera da Aramco em chamas após ataque de drones em Buqayq

  • Instalação petrolífera da Aramco em chamas após ataque de drones em Buqayq /REUTERS

LONDRES (Reuters) - A Agência Internacional de Energia (AIE) afirmou neste sábado que está monitorando de perto a situação na Arábia Saudita após ataques de drones contra instalações petrolíferas no país.

A agência afirmou que os mercados globais de petróleo estão atualmente "bem abastecidos, com amplos estoques comerciais".

"Estamos em contato com autoridades sauditas, bem como com as maiores nações produtoras e consumidoras", afirmou a agência em comunicado.

A AIE não mencionou planos sobre eventual liberação de estoques emergenciais de petróleo.

Trump diz que EUA estão prontos para proteger segurança saudita, diz agência

DUBAI (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou ao príncipe da Arábia Saudita Mohammed bin Salman que Washington está pronta para cooperar com a segurança do reino após ataques de drones atingirem instalações petrolíferas do país neste sábado, publicou a agência estatal de notícias SPA.

Trump também afirmou a Salman durante conversa por telefone que os ataques contra o país tiveram impacto negativo sobre as economias dos EUA e global, afirmou a SPA em árabe.

Fonte: Reuters

0 comentário