Dólar fecha em alta ante real com mercado avaliando acordo comercial, mas na semana acumula queda

Publicado em 13/12/2019 18:16 e atualizado em 14/12/2019 10:25
125 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta moderada contra o real nesta sexta-feira, depois de intenso vaivém especialmente na parte da manhã, em meio à onda de notícias sobre o acordo comercial entre Estados Unidos e China.

Depois de cair a 4,0757 reais na venda (-0,43%) às 12h07 --nova mínima em cinco semanas atingida após o anúncio do acordo--, a moeda tomou fôlego e firmou alta na parte da tarde, conforme investidores avaliaram o acordo comercial como menos positivo do que o colocado nos preços, com cancelamento de tarifas, mas manutenção das já existentes e carência de detalhes oficiais sobre outros pontos.

"O resultado veio melhor do que o esperado há dez dias, mas pior do que se esperava três dias atrás, por isso o ajuste (a alta) do dólar", disse Roberto Serra, gestor sênior de câmbio da Absolute Investimentos. "Houve uma expectativa construída e agora veio a realidade", completou.

Ao fim da sessão no mercado interbancário, às 17h, o dólar subiu 0,38%, a 4,1086 reais na venda. A alta do dólar desta sessão é apenas a segunda dos últimos dez pregões. No período, a moeda acumulou baixa de 3,11%.

Na semana, a cotação recuou 0,89%, na segunda baixa semanal consecutiva.

Assim como o real, outras moedas emergentes e associadas ao risco perdiam terreno nesta sessão, com destaque negativo para o iuan chinês negociado fora da China, em queda de 0,8% ante o dólar, pior desempenho entre 33 rivais da moeda dos EUA.

Na B3, em que os negócios vão até as 18h15, o contrato de dólar futuro mais movimentado tinha alta de 0,38%, a 4,1080 reais.

Com a leve alta desta sexta, o dólar "defendeu" o suporte técnico na média móvel linear de 100 dias, em torno de 4,095 reais. Mas a cotação ainda segue abaixo de sua média móvel linear de 50 dias, perto de 4,13 reais, rompida recentemente.

A queda abaixo de linhas de suporte pode acionar ordens automáticas de vendas e reforçar movimentos de baixa da moeda norte-americana.

Até o fim do mês, o Citi espera que o dólar caia a 4,05 reais, com a moeda rondando os 4 reais ao longo de 2020, mas com viés de baixa.

"Acreditamos que esse movimento de alívio se deva sobretudo pelo exterior, para o qual vemos um cenário levemente benigno, no sentido de acomodação", disse o economista-chefe do Citi Brasil, Leonardo Porto.

Apesar da alta do dólar nesta sessão, a volatilidade implícita da moeda --uma medida da incerteza no mercado cambial-- voltou a cair. A volatilidade para três meses recuava a 10,275% ao ano, perto das mínimas desde 2014.

"Isso mostra um mercado que vê a alta do dólar nas últimas semanas não como sinal de aversão a risco, mas por fatores estruturais, como o juro baixo, que no fim é uma coisa boa", explicou Serra, da Absolute.

Wall Street fecha perto da estabilidade após EUA e China anunciarem acordo comercial

NOVA YORK (Reuters) - Os índices S&P 500 e Dow Jones encerraram o pregão desta sexta-feira próximos à estabilidade, após atingirem recordes no início da sessão, conforme Estados Unidos e China anunciaram um acordo comercial inicial, amenizando tensões que têm abalado os mercados.

O Dow Jones teve variação positiva de 0,01%, para 28.135,51 pontos. O S&P 500 registrou oscilação positiva de 0,01%, para 3.168,77 pontos. E o Nasdaq Composite ganhou 0,2%, para 8.734,88 pontos.

Fonte: Reuters

0 comentário