MT: Assembleia aprova projetos criando leis bizarras

Publicado em 25/01/2010 07:00 1128 exibições

A história recente de Mato Grosso registra inúmeros trabalhos de relevância prestados por deputados estaduais e federais, mas ela traz ainda extensa lista de projetos de lei bizarros, irrelevantes, e outros que, de tão difíceis de ser aplicados, tornam-se motivos de piada entre os colegas. Tem deputado federal que parece nunca ter visitado uma prisão e apresentou projeto para separar homens e mulheres presos.

Outro parlamentar quer obrigar indústrias de confecções a produzir etiquetas macias. Entre os deputados estaduais, há os que instituem o dia do abraço, o dos amantes do flashback e a semana da família. Mas o campeão é aquele que estabelece que a data do aniversário do governador Blairo Maggi (PR) deve ser comemorada como o "Dia Estadual da Soja".

A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa chegou a aprovar a instituição do Dia da Soja na data do aniversário do governador Blairo Maggi, 29 de maio. Mas o plenário rejeitou a proposta, de autoria do então deputado José Carlos de Freitas, do antigo PFL, hoje Democratas. Demais deputados entenderam que produtores já são contemplados com o dia do Agricultor, em 28 de junho.

Outro deputado que apresentou um projeto de "extrema relevância social" foi Adalto de Freitas, o Daltinho (PMDB), que quer proibir os aplausos após a execução do Hino Nacional. No corpo do Projeto de Lei, o deputado argumentou que é preciso manter atitude respeitosa diante dos símbolos nacionais.

A deputada Chica Nunes (DEM) é outra parlamentar preocupada com questões de relevância para a sociedade. Ela apresentou projeto de Lei que institui em Mato Grosso o Dia dos Amantes do Flashback. Por incrível que pareça, a Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto deu parecer favorável ao projeto.

Fonte:
A Gazeta

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário