Em quarto dia de ganhos, Bovespa fecha com avanço de 1,66%

Publicado em 11/02/2010 18:21 508 exibições

O mercado brasileiro de ações teve o seu quarto dia consecutivo de ganhos na jornada desta quinta-feira. Os investidores reagiram positivamente ao compromisso da União Europeia em garantir a estabilidade financeira da região, embora não tenha se mencionado valores uma possível ajuda à Grécia. As ações da Vale puxaram a nova recuperação da Bolsa, apesar da decepção com o lucro menor. A taxa de câmbio doméstica atingiu R$ 1,85.

O Ibovespa, índice que reflete os preços das ações mais negociadas, valorizou 1,66% no fechamento, aos 66.128 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,96 bilhões. Ainda operando, a Bolsa de Nova York sobe 0,92%.

Movimentando mais de R$ 1 bilhão em negócios, a ação preferencial teve ganho de 1,89%, puxando o mercado brasileiro. A ação ordinária, com volume de R$ 396 milhões, subiu outros 2,34%.

Ontem à noite, a mineradora anunciou um lucro líquido de R$ 10,249 bilhões para o exercício do ano passado, o que representa um decréscimo de 51,8% sobre o resultado de 2008. O resultado do último trimestre (R$ 2,62 bilhões) veio da abaixo das expectativas de muitos analistas.

A diretoria da Vale alegou que a empresa sofreu os efeitos da crise mundial, mas que a recuperação, ainda incipiente, da economia melhora as perspectivas para 2010. Analistas do setor financeiro destacam as vendas um pouco maiores para mercados em retomada, como Europa e Japão.

Profissionais do setor também "nutrem esperanças" em torno de um forte reajuste dos preços do minério de ferro exportado para a China, um dos maiores importadores mundiais de commmodities (matérias-primas). Mas o gigante asiático também é visto como um risco, com o temor por outras medidas de Pequim para conter a economia.

A equipe de analistas da Brascan corretora viu um ponto de compra para os papéis da mineradora: "mantemos nossa posição favorável ao mercado de minério de ferro, que deve apresentar um forte aquecimento em 2010", afirmam Rodrigo Ferraz e Pedro Montenegro, profissionais da corretora, em relatório distribuído hoje.

O dólar comercial foi cotado por R$ 1,850, em leve alta de 0,05%. A taxa de risco-país marca 211 pontos, número 4,09% abaixo da pontuação anterior.

Entre as principais notícias do dia, o BCE (Banco Central Europeu) divulgou relatório onde prevê o aumento do desemprego na zona do euro e que a região deve apresentar um crescimento somente moderado, e bastante irregular, neste ano.

A reunião de cúpula entre os membros da zona do euro resultou num compromisso de medidas "decididas e coordenadas" para garantir a estabilidade financeira da região, porém não em uma ajuda financeira imediata à Grécia, país sob grave crise fiscal.

O Departamento de Trabalho dos EUA apontou uma queda inesperada na demanda pelos benefícios do auxílio-desemprego, cuja cifra total encolheu para 440 mil (dado atualizado até semana passada).

O banco suíço Credit Suisse revelou hoje que teve um lucro líquido de aproximadamente US$ 6,3 bilhões no ano passado, ante um prejuízo bilionário registrado em 2008.

No front doméstico, a Fiesp (federação das indústrias paulistas) contabilizou a geração de 12 mil postos de trabalho em janeiro (já consideradas as demissões), o que significa um avanço de 0,42% sobre dezembro. Sobre janeiro do ano passado, no entanto, a abertura de vagas foi 2,68% menor.

Fonte:
Folha Online

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário