Bolsa Família já beneficia 26% dos novos assentados

Publicado em 07/06/2010 08:13 465 exibições
Governo mira recém-contemplados pela reforma agrária e os acampados. Extensão do benefício esbarra em resistência de prefeitos e do MST, que teme perder poder de mobilizar sem-terra.
Um em cada quatro novos assentados da reforma agrária já é atendido pelo programa Bolsa Família. O governo quer estender o benefício também aos sem-terra à espera de um lote.

Segundo os cadastros oficiais, de 66,4 mil famílias assentadas em 2008, 17,5 mil (26%) já possuem o cartão.

A meta agora é alcançar os demais assentados a partir de 2008, desde que estejam na faixa de renda familiar para inclusão, de R$ 140 mensais per capita.

Nesse público-alvo estão também as 214 mil famílias acampadas que recebem uma cesta básica do governo a cada três meses.

A entrada dos assentamentos no Bolsa Família ainda engatinha por conta de uma série de dificuldades.

O primeiro entrave é convencer prefeitos a incluir os sem-terra no Cadastro Único, caminho obrigatório para inclusão no Bolsa Família.

O segundo é a resistência do próprio MST, que avalia que o benefício pode afastar os sem-terra de mobilizações, como invasões.

O Bolsa Família atende hoje cerca de 12 milhões de famílias, que recebem entre R$ 22 e R$ 200 mês.

O Nordeste detém a maior proporção de assentados com o cartão do programa (36%), seguido de Norte (26%), Sudeste (23%), Sul (22%) e Centro-Oeste (13%).

Até que cheguem os primeiros créditos, o que leva em média um ano e meio, o Bolsa Família é a única renda das famílias assentadas.

Rolf Hackbart, presidente do Incra, afirma que a inclusão no programa não inibe a produção. Ele defende que o benefício cesse após a chegada dos primeiros créditos.

Fonte:
Folha de São Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário