Kátia Abreu defende debate sobre Código Florestal e critica reserva legal

Publicado em 23/06/2010 08:06 e atualizado em 23/06/2010 09:08 1062 exibições
"Temos que resolver o Código Florestal sem exageros e sem transformar a questão em dogma, religião ou reserva de mercado", defendeu a senadora Kátia Abreu (DEM-TO) ao cobrar dos que se auto-intitulam "únicos defensores do meio ambiente" que debatam o assunto com ela nas comissões temáticas do Senado. Um dos temas que a senadora quer tratar é a "reserva legal", um dos pontos mais polêmicos do código em votação na Câmara dos Deputados.

A senadora pelo Tocantins disse que o Brasil é o único país no mundo que dispõe de um instrumento chamado de reserva legal, que é uma área localizada no interior de uma propriedade rural que não pode ser utilizada para a produção. Kátia Abreu lembrou que a reserva legal surgiu em 1934 como uma forma de o Brasil preservar uma reserva de madeira para utilizar como matéria-prima para a produção de carvão, a principal fonte de energia da época.

Para Kátia Abreu, uma reserva ambiental, para ter sentido, tem que permitir os fluxos dos animais para possibilitar que eles procriem e também servir para a multiplicação das plantas. A reserva de pequenos pedaços de terra em cada propriedade rural, na sua avaliação, não contribui de forma alguma para a preservação do meio ambiente. A senadora opinou que mais válido seria o governo federal criar parques nacionais de conservação, pagando pela desapropriação de terra de produtores.

Caso os produtores brasileiros sejam obrigados a reduzir sua produção de carne, frutas, arroz e feijão para criar uma reserva legal, a senadora considera que o Brasil estará cometendo uma injustiça e se comportando com hipocrisia, já que terá que importar alimentos outros países cujos produtores não são obrigados a reservar parte de suas propriedades.

- O Brasil tem preservados 56% de sua cobertura original nativa. Se é pouco ou muito, não sei. Mas qual a cobertura original dos países das ONGs que estão nos criticando? Em toda a Europa a cobertura original nativa é inferior a 1%. Por que as ONGs não exigem reserva legal dos países europeus? - indagou Kátia Abreu.

Fonte:
Agência Senado

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

5 comentários

  • Gerd Hans Schurt Cidade Gaúcha - PR

    Katia Abreu para presidente do Brasil. Katia Abreu para presidente do Brasil, é a melhor solução para todos

    0
  • Luiz Prado Rio de Janeiro - RJ

    Marcio - Bom, os banqueiros de lá noemaram o presidente do Banco Central daqui, neste governo que finge ser daqui mas é cria do de lá. Lula agora finge que quer proibir a aquisição de terras brasileiras por estrangeiros mediate emenda constitucional. Bem, já finge isso há muito tempo. Na página do Departmnt of Agriculture do governo do EUA chegou a constar uma recomendação para que os fazendeiros de lá comprassem terras aqui, recomendando regiões, descrevendo as vocações da terra e dando referências de preços. Se esse Lula continua com essas farsas, de repente alguém vai perguntar a ele se ele não quer proibir a aquisição de minas daqui pela turma de lá, dos grandes.

    0
  • Giovanni Rezende Colinas do Tocantins - TO

    Sem mentiras e sem hipocrisia. Somente com a verdade e a coerência.

    Kátia Abreu para Presidente.

    Se o Brasil fosse sério, essa mulher seria aclamada por todos, até pelo Lula, assim como por mim.

    0
  • Marcio Antonio Cezarotto Santarém - PA

    Benza comentário de Luiz Prado. Carioca, É o seguinte: Se o Brasil se orgulha de ter 253 bilhões de dolares em reseravas, cuja 80% é título do Gov USA, ora, paga-se 10% e empresta-se a 0,25%. Dinheiro nosso usado contra nós mesmos. O Brasil não existe, eu desisti de acreditar. Quem está rindo à toa nestes dias? Quem mama no governo e os pobres, principalmente os de espírito. Acho que seria a hora de nos "norte-americanizarmos" aquilo que é país. Daria meu sangue pra morar aqui e ser tratado como cidadão norte americano.

    0
  • Luiz Prado Rio de Janeiro - RJ

    Já é hora de criar uma CPI para saber de onde vêm os recursos financeiros dessas ONGs - Greenpeace, Conservation International, The Nature Conservancy - e como são indicados os seus diretores aqui. E também saber de onde vem a grana da SOS Mata Atlântica, de onde veio nos últimos 10 anos, para saber se ela não esteve pendurada nos governos.

    0