Código Florestal: Aldo diz que seu relatório pretende "corrigir" problemas da legislação ambiental

Publicado em 05/07/2010 16:01 321 exibições
O relator da reforma da Código Florestal, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), afirmou que não procurou "encobrir" de nenhuma forma os problemas que "pretendia corrigir" com seu relatório. O relator disse que "formulou soluções que podem estar carregadas de defeitos, limitações", mas cobrou que os deputados que criticaram seu relatório pensem na situação dos assentados da reforma agrária, também prejudicados pela legislação ambiental. Rebelo disse que seu relatório vai solucionar o problema dos agricultores e também dos assentados. "Temos condições de resolver o problema dos assentados do Incra que não têm condições de acessar o crédito.", afirmou.

Mais cedo, o relator contou que a Polícia Florestal de São Paulo apreendeu 64 cabeças de gado que pastam numa unidade de conversação ambiental do Vale do Paranapanema (SP). Além da apreensão dos animais, os assentados foram multados em R$ 3 milhões. "Será que algum dos que criticaram meu relatório estão preocupados com os assentados?", questionou Rebelo, ao fazer suas considerações finais na reunão. "Quero prestar solidariedade aos assentados. Dizer ao líder dos MST que estou solidário com os assentados. Não estou solidário com a Polícia Florestal de São Paulo", disse.

À tarde, os deputados apresentarão propostas às sugestões divulgadas hoje pelo relator. Um nova reunião está marcada para as 15 horas. O relator também demonstrou  preocupação com o desmatamento na Mata Altântica, principalmente no Nordeste. Aldo Rebelo ressaltou ainda que não tem ligação com a bancada ruralista, como insinuaram algumas Organizações Não Governamentais (ONGs). "Nunca integrei ou frequentei a Frente Parlamentar da Agropecuária. Também não frequento bancada do meio ambiente. Sempre pertenci à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional. Não faço segredo das minhas convicções", disse.

Fonte:
CNA

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário