Segundo Rossi, Europa precisa de informações sobre a produção agrícola e pecuária do Brasil

Publicado em 13/07/2010 10:14 344 exibições
Comissão do Comércio Internacional diz que ainda há na Europa desinformação sobre produção brasileira.
Os setores público e privado brasileiros terão de redobrar os esforços para informar e esclarecer a opinião pública europeia sobre o novo paradigma da produção agrícola e pecuária. A avaliação é do ministro da Agricultura, Wagner Rossi, que esteve reunido na manhã desta terça-feira  (13) com o presidente da Comissão de Comércio Internacional do Parlamento Europeu, o deputado português Vital Moreira.
        
Rossi está em missão oficial na União Europeia (UE), à frente de uma comitiva que inclui autoridades públicas e empresários, para falar sobre os novos rumos da produção no campo. “Percebemos que ainda há uma visão atrasada, do passado, sobre a agricultura brasileira”, disse o ministro na saída do encontro. "Não é consistente, mas há um pouco disso". Ele ouviu do deputado Vital Moreira elogios à mudança “copérnica” na percepção da imagem do Brasil na Europa, nos últimos dez anos. "Estamos no caminho, mas ainda há muito a fazer", comentou.
         
A vinda da comitiva é considerada importante por governo e empresários para intensificar a relação comercial entre Brasil e União Europeia, principal mercado dos produtos nacionais, inclusive agrícolas. Há dois anos, a venda de carne bovina brasileira para a UE caiu em até 85%. A Europa foi o destino de 46% das exportações brasileiras em 2009.
       
Ex-deputado federal, Wagner Rossi disse que encontros como esse são importantes porque é no Parlamento Europeu que boa parte das pressões políticas são exercidas, inclusive pelos agricultores do continente, preocupados em preservar mercados. A competitividade dos produtos brasileiros é alvo de temores dos produtores agrícolas europeus.
       
Importância - O deputado Vital Moreira declarou que o Brasil representa um dos pontos centrais da política de comércio exterior europeia, mas admitiu que há dificuldades, embora as considere menores. Ele falou da “desinformação” sobre o grau de desenvolvimento da produção agrícola brasileira. “O Brasil é, entre as nações emergentes, importante demais para a União Européia”, disse o deputado. “E a Europa, por sua vez, é um mercado de mais de 500 milhões de consumidores, que são muito exigentes”.
        
As reuniões do ministro da Agricultura em Bruxelas ocorrem às vésperas da retomada dos encontros de cúpula entre autoridades dos países do Mercosul e da Europa, previstas para serem iniciadas nesta quarta-feira (14), em Brasília, pelos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Durão Barroso.
        
O deputado Vital Moreira insistiu na ideia de que é preciso “ultrapassar e superar os preconceitos” existentes para abrir ainda mais os mercados. “Vejo com bons olhos os êxitos das negociações, que são naturalmente difíceis, mas não insuperáveis”, comentou.
        
Meio ambiente - Rossi fez um relato prolongado sobre o novo paradigma da agricultura brasileira, que busca aliar aumento de produção e preservação ambiental. “Queremos mostrar que o Brasil faz o “dever de casa”, que seguimos os princípios normativos mais modernos na questão da segurança e sanidade animal e vegetal. Além disso, os modos de produção no campo estão mudando para melhor e a expressão disso são as políticas públicas levadas pelo governo brasileiro para reduzir a emissão dos gases de efeito estufa”, declarou o ministro.
         
Nas reuniões e encontros oficiais que vem mantendo com autoridades e empresários europeus, Wagner Rossi tem falado longamente sobre os programas federais que favorecem o aumento da produção agrícola combinado com a proteção do meio ambiente.
         
As linhas centrais dos programas Agricultura de Baixo Carbono (ABC), lançado pelo governo em junho, de Estímulo à Produção Agropecuária Sustentável (Produsa) e de Plantio Comercial e Recuperação de Florestas (Propflora) foram apresentadas por Wagner Rossi ao deputado Vital Moreira. Os três programas destinarão para a safra 2010/2011 R$ 3,150 bilhões em linhas de crédito. Os recursos estão disponíveis nos bancos com taxas e prazos diferenciados.
         
Ainda nesta terça-feira, Wagner Rossi se encontra com o comissário de Agricultura e Desenvolvimento Rural da União Europeia, Dacian Ciolos. O regresso da missão oficial para o Brasil está prevista para ocorrer na quarta-feira (14).
Fonte:
Mapa

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário