Bovespa avança 0,72% e dólar bate R$ 1,67; após fortes perdas, ações da Petrobras sobem

Publicado em 08/10/2010 14:47
347 exibições

O investidor sustenta a recuperação vista no mercado brasileiro de ações, após uma abertura em tom negativo, na rodada de negócis desta sexta-feira. As ações da Petrobras, que arrastaram a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) ao registrar fortes perdas, têm um dia de "trégua", com valorização moderada. Esses papéis foram alvo de recomendações desfavoráveis de vários bancos, devido ao desânimo com as perspectivas de curto prazo da empresa.

No exterior, as Bolsas americanas oscilam em terreno positivo, apesar do desempenho decepcionante do relatório "payroll", o indicador mais esperado da semana. Analistas acreditam que, diante dos novos sinais de fraqueza econômica, o Federal Reserve (banco central dos EUA) será obrigado a lançar uma nova rodada de estímulos monetários (injeção de recursos no sistema financeiro).

O índice Ibovespa, que reflete os preços das ações mais negociadas, sobe 0,72%, aos 70.419 pontos. O giro financeiro é de R$ 3,71 bilhões. Nos EUA, o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, avança 0,55%.

O dólar comercial é cotado por R$ 1,673, em queda de 0,77%. A taxa de risco-país marca 198 pontos, número 1% abaixo da pontuação anterior.

Entre as primeiras notícias do dia, o Departamento de Trabalho dos EUA revelou que a economia local perdeu 95 mil empregos (entre contratações e fechamento de vagas) em setembro. A taxa de desemprego ficou estável em 9,6%. Economistas do setor financeiro esperavam uma perda muito menor, em torno de 10 mil.

Ainda nos EUA, outro relatório oficial informou que o nível dos estoques no setor atacadista aumentou 0,8% em agosto, acima das expectativas do mercado (consenso em torno de 0,5%). A recomposição dos estoques é usualmente interpretado como um sinal de recuperação da economia, já que no auge da crise mundial, as empresas esvaziaram seus 'armazéns' para fazer caixa.

No front doméstico, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontou que o nível de emprego no setor industrial teve sua oitava expansão consecutiva (0,1%), no mês de agosto. Em relação a igual período em 2009, houve alta de 5,2%.

E a FGV (Fundação Getulio Vargas) registrou uma inflação de 1,1% em setembro, a mesma variação de agosto, pela leitura do índice IGP-DI. No acumulado do ano, a variação foi de 8,04%; nos últimos 12 meses, 7,95%.

Fonte: Folha Online

Nenhum comentário