Superavit do agronegócio cresce 30% em São Paulo

Publicado em 15/10/2010 15:06
360 exibições
Segundo IEA, entre janeiro e setembro de 2010, exportações do setor atingiram US$ 14,8 bilhões

Entre os meses de janeiro e setembro deste ano, o saldo da balança comercial do agronegócio paulista alcançou a marca dos US$ 9,05 bilhões (equivalentes a cerca de R$ 15 bilhões). O montante é 30,2% superior ao registrado no mesmo período de 2009, segundo dados divulgados esta semana pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Enquanto as exportações do setor primário cresceram 29,8% no estado, atingindo US$ 14,8 bilhões, as importações aumentaram 29,2%, chegando a US$ 5,75 bilhões.

Os quatro principais agregados de cadeias de produção nas exportações paulistas foram: cana, açúcar e álcool (US$ 6,74 bilhões), carne bovina (US$ 2,05 bilhões), papel, celulose e madeira (US$ 1,49 bilhão) e frutas (US$ 1,35 bilhão).

No balanço geral do comércio exterior de São Paulo, as importações nos demais setores, sem contar o agronegócio, somaram US$ 43,84 bilhões e as exportações, US$ 22,77 bilhões. Ou seja, deficit de US$ 21,07 bilhões entre janeiro a setembro de 2010. Isso significa que a balança comercial paulista seria ainda menos rentável, não fosse o desempenho dos produtores rurais.

Segundo os pesquisadores do IEA José Sidnei Gonçalves e José Roberto Vicente, a valorização do dólar em relação ao real barateia as importações e reduz a competitividade das exportações. Por isso, no Brasil, 53,97% do valor das exportações do agronegócio corresponderam a produtos básicos entre janeiro e setembro. Em São Paulo, no mesmo período, os produtos básicos representaram 18,03% e a participação de industrializados dos agronegócios se mostra muito maior, com 81,97% de participação.

Já a participação das exportações dos agronegócios paulistas na balança comercial do estado teve aumento de 2,1 pontos percentuais, e as importações diminuíram 0,7 ponto percentual, na comparação dos primeiros semestres de 2009 e 2010, como mostra o gráfico acima.

Fonte: Globo Rural

Nenhum comentário