Bolsas da Ásia fecham em queda com avanço do dólar

Publicado em 27/10/2010 09:29
187 exibições
As bolsas de valores da Ásia registraram quedas nesta quarta-feira e o dólar avançou em meio a dúvidas sobre se o Federal Reserve (FED, o banco central americano) fará uma compra agressiva de ativos para injetar mais dinheiro na economia americana. O índice MSCI que reúne bolsas da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão teve queda de 1,78%, a 457,44 pontos, enquanto o indicador de mercados emergentes caiu de 1,12%.

O Wall Street Journal publicou nesta quarta-feira que o FED vai provavelmente revelar um programa do Tesouro dos Estados Unidos para compra de bônus avaliado em "algumas centenas de bilhões de dólares", mas não citou fontes.

A reunião da autoridade monetária dos EUA na próxima semana, entre 2 e 3 de novembro, mas alguns investidores começaram a reconsiderar a possibilidade de um grande programa de quantitative easing depois de comentários emitidos por vários membros do banco central americano.

"Eu ainda acho possível que o pacote não seja certo para novembro, apesar de que o mercado esteja operando como se já seja", disse Brian Dolan, estrategista-chefe de moeda da Forex.com.

Novos dados da Austrália mostraram que os preços ao consumidor subiram menos que o esperado no último trimestre enquanto o ritmo anual do núcleo da inflação foi o mais lento em cinco anos, o que reduz em grande parte a urgência para uma alta dos juros no país na próxima semana.

A retomada do dólar tem feito com que alguns investidores se esquivem de ações atreladas a commodities, o que fez o indicador do setor na Ásia perde 1,2% na sessão. A bolsa de Tóquio encerrou com oscilação positiva de 0,1%, após operar com alta mais expressiva mais cedo, em meio a realização de lucros nos setor bancário disparada por quedas em Hong Kong e Xangai.

O mercado em Xangai teve desvalorização de 1,46%, Hong KOng caiu 1,85% e Seul recuou 0,51%. Taiwan apurou perda de 0,63% e Cingapura teve queda de 1,21%. Sydney registrou baixa de 0,85%.
Fonte: Reuters

Nenhum comentário