Banco do Brasil faz novas exigências ambientais para liberar créditos aos produtores rurais

Publicado em 18/01/2011 08:25 e atualizado em 06/03/2020 10:51 2890 exibições
O Gerente de  Divisão da Diretoria de Agronegócios do Banco do Brasil, Antônio Pontoglio,  informou em evento realizado em Goiás que desde o dia 02 de janeiro de 2011, o Banco do Brasil está fazendo novas exigências quanto à outorga de uso d'água, averbação de reserva legal e licenciamento ambiental para operações de crédito rural.

a) - Licenciamento  ambiental: O produtor terá que observar a legislação estadual ou, em caso de inexistência ou lacunas na legislação estadual, exigir o licenciamento ambiental  ou dispensa formal do órgão competente para todos os projetos agropecuários  propostos, inclusive para operações de Pronaf, de Pronamp e de custeio  agropecuário;

b) Outorga de uso de água:

I.exigir em operações de investimento em atividades que se utilizam de recursos hídricos e de custeio irrigado em áreas de conflito de água.

II.exigir a partir de 02.01.2011, para custeio irrigado em áreas sem conflito de água, investimento e custeio para financiamento de atividades  pecuárias de suinocultura e confinamento de bovinos,
bubalinos, caprinos e  ovinos, a apresentação da outorga, da dispensa ou de protocolo de requerimento  da outorga de uso de água;

c)Reserva Legal: a partir de  12.06.2011, exigir a  averbação, ou adesão ao Programa Mais Ambiente - Programa do Governo Federal  para Regularização Ambiental. A partir dessa data inicia-se vigência das penalidades e multas previstas para o produtor/proprietário que não
averbar a  Reserva Legal.

As novas exigências decorrem, segundo informações da Superintendência do DF, da necessidade de resguardar o Banco do Brasil de corresponsabilização por eventuais danos ambientais ocasionados por empreendimentos financiados; contribuir na mitigação de riscos, principalmente,  legal e de imagem; além de ratificar a postura de responsabilidade  socioambiental do Banco do Brasil.

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

11 comentários

  • Hilário Casonatto Lucas do Rio Verde - MT

    O QUE O BANCO DO BRASIL QUER É NÃO EMPRESTAR PARA O AGRICULTOR POIS GANHA MAIS ESPECULANDO. O PRODUTOR RURAL DEVE FAZER O PLANTIU COM RECURSOS PROPRIOS, IR CAPITALIZANDO-SE E COMO UM AMIGO MEU DIZIA UMA SAFRA GUARDADA OUTRA PLANTADA E DINHEIRO PARA PLANTAR A DO PROXIMO ANO,CHEGAREMOS LA E USAR BANCO SÓMENTE PARA SENTAR

    2
  • Diego Henrique Uroda Três Passos - RS

    As oxidrilas degradam o meio ambiente, meu amigo Leandro, risos, Qual a expectativa destas lavouras tão caprichadas destas tuas bandas? Sou de Três Passos - RS, falando em corretivos, "Imagine em um assentamento de 500 ha fazer a correção da acidez do solo aplicando casca de ovo e cinzas, brincadeira.

    Um grande abraço!

    0
  • LEANDRO M GRANELLA [email protected] - RS

    A Burrocracia não tem limite.... e o marketing falso também ! O Banco do Brasil que deveria estar ao lado do produtor, o usa para fazer Marketing para a sociedade urbana leiga, se dizendo amigo do meio ambiente nas nossas costas. Eu tive de solicitar ao órgão amiental do estado(levou mais de mês) a dispensa de licença ambiental, pasmen para financiamento de corretivos de solo !!! A coisa está ficando difícil mesmo

    1
  • José Augusto Baldassari Franca - SP

    Caro João Batista, a troca de comentários foi feita em função da falta de união e de uma efetiva participação do produtor rural nesta luta permanente pelos justos interesses do setor. Na verdade,o produtor rural e suas instituições só se interessam,só se "mexem" quando estes interesses, repito, justos, são ameaçados por leis e prazos completamente e propositalmente fora da realidade ,e ainda assim esta defesa geralmente é articulada próxima de seu prazo final. Veja agora esta"novidade"estipulada pelos"bancários-ambientalistas"do Banco do Brasil. Imagine as consequências da falta de financiamento,à não ser que o produtor se submeta a esta chantagem assinando esta novidade:Um TAC bancário!, Qualquer técnico sério,bem intencionado,em relação a este assunto, esperaria a votação das necessárias modificações do ultrapassado e

    inaplicável Código Florestal,então todos ,obviamente,obedeceriam a

    legislação votada que entrará em vigor.(ATENÇÃO:esperamos que,quando isto ocorrer,que não se inicie novamente o"rosário de interpretações da legislação",sempre contrárias ao produtor rural,pois esta verdadeira raiva contra o produtor,à muito se despediu da razão,se tornou uma coisa patológica ). No caso em questão,leiam abaixo,é clara a intenção do"BB"é se livrar das pressões,como sempre,silenciosamente muito bem orquestradas e assim se apresentar à sociedade como um banco"verde",às custas do produtor rural. Abraço do José Augusto. Franca/SP. PS: O único aspecto positivo destas legislações,destas"medidas fabricadas", veja

    agora o"BB",e das inúmeras campanhas contrárias ao agronegócio -

    Agora,esta tentativa de vincular a tragédia fluminense ao Código Florestal - é que isto obriga o setor a agir, e esta ação deveria ser centralizada,bem articulada e não dispersa como lamentavelmente ocorre,pois as nossas reações ainda são pontuais e isoladas. Para pensar: Quanto à união,articulação e ação,deveríamos observar e aprender com nossos colegas argentinos.

    0
  • Luiz Prado Rio de Janeiro - RJ

    A estupidez da burocracia não conhece limites ou pauta-se pela propina potencial. Uma outorga de captação de água pode facilmente levar um ano. E a dispensa de licenciamento ambiental tem sido exigida pela idiotice da máquina do poder público - inclusive do BNDES - até mesmo para prédiós públicos no centro de áreas densamente urbanizadas. É compreensível que a burocracia nutra-se de mais burocracia. Compreensível mas inaceitável. Se estivéssemos num país sério, a tendência seria sempre no sentido de redução da papelada.

    0
  • Thiago Afonso Uberaba - MG

    Eu gostaria de saber se as pessoas que moram na cidade, no conforto, tem que deixar 20% do espaço interior de sua residência para fazer reserva legal.. o mundo inteiro precisa do agricultor para se alimentar.. e por falar em alimento:

    "JÁ SE ALIMENTOU HOJE?? AGRADEÇA O PRODUTOR RURAL!!!

    0
  • Diego Henrique Uroda Três Passos - RS

    Me desculpe a ignorância senhor Menezes, mas o que significa esta data?

    envie-me por favor no [email protected]

    Muito obrigado, e uma ótima semana.

    0
  • José Roberto de Menezes Londrina - PR

    12/06/2011, dia nacional do sequestro de terra produtivas.

    0
  • Diego Henrique Uroda Três Passos - RS

    Sou de Três Passos - RS bem distante de você meu amigo Reginaldo,

    perfeito defensor de agricultores que dão orgulho à Pátria, concordo por demais

    com os que pensam melhor a questão político-ambiental dos país, que erro-

    neamente considera um país enorme como o Brasil de forma homogênea e

    desconsiderando particularidades geográficas como o nosso Pampa por

    exemplo, esse desrespeito implica no meu ponto de vista especialmente

    ao produtor rural descapitalizado, é uma pena termos tantos Brasis em um

    território apenas e que por fim beneficia sempre uma 1/2 dúzia de

    preguiçosos, parasitas e que não entendem nada de agricultura.

    0
  • reginaldo massuia nhandeara - SP

    É isso ai mesmo, em breve vao ver o quanto estara valendo os alimentos, pois reserva legal ninguem tem e nem vai fazer tao rapido assim, é só bater uma inflaçao pesada no pais q os governantes vao passar dar mais atençao ao produtor rural e sabera q é atraves dele q sustenta essa porcaria desse pais, pois ate agora so vieram sugando o produtor atraves de comida de graça para a populaçao.

    E peço a todos os produtores desse pais para nos unir-mos, e se querem fazer reserva ou o q seja, que pagam pelas terras q iremos perder e tambem o custo desse investimento, pq plantar arvores nao fica barato.

    Essas pragas ficam culpando o produtor por tudo, só q nas cidades fazem casa na barranca dos corregos, constroem avenidas encima de corregos e quando chove o produtor rural é q leva a culpa, e digo com toda a certeza pra vcs burros ambientalista que vai ficar pior, os rios q cortam as cidades sao os mesmo e as cidades nao param de crescer, vai ter cada vez mais tragedia, mas nao por culpa do produtor rural, mas sim pelo tanto de asfalto e concreto usado e q nao deixa agua infiltrar no solo. Vende-se um monte de carro, poluindo ainda mais o meio ambiente e o culpado é o pum do boi, ah, vao trabalhar e parar de atrapalhar a vida de quem sustenta esse pais seus imbecis. Vem aqui no corrego q passa no sitio e ve se tem poluiçao, vem respirar o ar do campo seus bando de idiotas q nao entendem nada de nada a nao ser ficar andando de carro e sim poluindo o planeta e atrapalhando a vida de quem produz o alimento q vcs comem, quem polui o planeta sao vcs e ainda culpam o produtor rural por tudo.

    Eu nao sei por quanto tempo estarei aqui, mas torço para um dia nao terem mais o que comer, ai sim vcs vao dar valor no produtor rural, pois o produtor rural sempre foi desrrespeitado, tratado como um bandido.

    vamos nos unir meus colegas produtores rurais desse pais. abraço a todos

    0