Ataque ocidental atinge complexo de Gaddafi, diz Trípoli

Publicado em 21/03/2011 13:49 207 exibições
Forças ocidentais lançaram uma segunda onda de ataques aéreos sobre a Líbia entre a noite de domingo e a manhã desta segunda-feira, e autoridades em Trípoli disseram que um míssil disparado para matar Muammar Gaddafi destruiu um edifício em seu complexo fortificado.

"Foi um bombardeio bárbaro", declarou o porta-voz do governo Mussa Ibrahim, mostrando estilhaços que disse serem do míssil. "Isto contradiz (as declarações dos) norte-americanos e ocidentais... de que não têm como objetivo atacar este local."

As forças do Ocidente não comentaram o ataque.

As primeiras ofensivas aéreas de sábado detiveram o avanço das forças de Gaddafi sobre o bastião rebelde de Benghazi, no leste, e miraram as defesas aéreas líbias para permitir que aviões ocidentais patrulhem os céus do Estado produtor de petróleo do norte da África.

A segunda onda de ataques aéreos também atingiu as tropas de Gaddafi nas cercanias de Ajdabiyah, cidade estratégica no desolado leste da Líbia que os rebeldes pretendem retomar e onde seus combatentes disseram necessitar de mais ajuda para enfrentar o inimigo.

"Se não tivermos mais ajuda do Ocidente, as forças de Gaddafi vão nos comer vivos," disse o rebelde Nouh Musmari à Reuters.

A intervenção, autorizada pela ONU para proteger civis envoltos na revolta de um mês contra Gaddafi, atraiu críticas do líder da Liga Árabe, Amr Moussa, que questionou a necessidade de bombardeios pesados, que disse ter matado muitos civis.

Moussa afirmou na segunda-feira, entretanto, que a Liga respeita a resolução da Organização das Nações Unidas, mas sublinhou a necessidade de proteger os civis.

Os Estados Unidos, que conduzem os ataques aéreos em uma coalizão com Grã-Bretanha, França, Itália e Canadá entre outros, disse que a campanha está funcionando e rejeitou o anúncio de cessar-fogo dos militares líbios na noite de domingo.

ATAQUES "DURANTE ALGUM TEMPO"

Henri Guaino, um dos assistentes mais próximos do presidente francês Nicolas Sarkozy, declarou que os ataques não objetivam derrubar o autocrata que governa a Líbia há 41 anos, mas afirmou à rádio RMC que devem durar "algum tempo."

O ministro da Defesa britânico disse que um de seus submarinos voltou a disparar mísseis Tomahawk como parte da segunda onda de ataques para aplicar a resolução da ONU, mas que uma missão aérea foi cancelada por causa da presença de civis na área a ser atingida.

O governo líbio pediu à população de cidades grandes e pequenas e tribos que se unam a uma marcha de Trípoli a Benghazi para "trocar pêsames,... anunciar o perdão... e em seguida podemos nos reunir como uma só família..."

A intervenção na Líbia é a maior contra um país árabe desde a invasão do Iraque em 2003.

A retirada do apoio árabe tornaria muito mais difícil levar adiante o que analistas de defesa dizem ser, em qualquer caso, uma campanha em aberto, difícil e com um desfecho incerto.

Fonte:
Reuters

0 comentário