Tanques de Gaddafi bombardeiam cidade rebelde, 4 crianças morrem

Publicado em 22/03/2011 08:16 177 exibições
Forças leais ao líder líbio Muammar Gaddafi bombardearam a cidade de Misrata, no oeste do país e controlada por rebeldes. Entre as vítimas estão quatro crianças, mortas quando o carro em que estavam foi atingido, disse um morador à Reuters nesta terça-feira.

"A situação aqui é muito ruim. Tanques começaram a bombardear a cidade nesta manhã", disse o morador, chamado Mohammed, à Reuters por telefone. Ele estava do lado de fora do hospital da cidade.

"Atiradores de elite estão participando das operações também. Um carro civil foi destruído, matando quatro crianças que estavam nele, a mais velha tinha 13 anos", acrescentou.

Combates em cidade líbia de Misrata mataram 40 só na 2ª feira

Quarenta pessoas foram mortas na segunda-feira por forças leais ao líder líbio Muammar Gaddafi na cidade rebelde de Misrata, disse um morador à Reuters nesta terça-feira.

O morador, Mohammed Ahmed, disse que o número lhe foi passado por um membro do comitê rebelde encarregado do atendimento médico. Ele não especificou quantos dos mortos eram civis e quantos eram combatentes.

O número não pôde ser verificado independentemente e autoridades líbias não confirmaram imediatamente.

Brasil defende cessar-fogo efetivo para proteger civis na Líbia

O governo brasileiro pediu na segunda-feira a implementação de um cessar-fogo efetivo na Líbia para garantir a proteção de civis e defendeu a criação de condições para resolver a crise no país pelo diálogo.

Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França lideram uma coalizão militar na Líbia desde sábado, quando iniciaram uma incursão no país do norte da África para impedir mais ataques das tropas do líder líbio, Muammar Gaddafi, contra civis.

"O Brasil reitera sua solidariedade com o povo líbio na busca de uma maior participação na definição do futuro político do país em ambiente de proteção dos direitos humanos", afirmou o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

Na semana passada, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma zona de exclusão aérea na Líbia para conter os confrontos entre os aliados de Gaddafi e os rebeldes, que exigem desde o mês passado o fim de seu regime de 41 anos -- na esteira das revoluções no Egito e na Tunísia.

A nota do governo brasileiro foi divulgada pelo Itamaraty no mesmo dia em que o presidente norte-americano, Barack Obama, deixou o Brasil com destino ao Chile, após visitar Brasília e Rio de Janeiro no fim de semana.

Fonte:
Reuters

0 comentário