Código Florestal: 800 produtores de MS seguem para Brasília a caminho da mobilização

Publicado em 04/04/2011 15:37 e atualizado em 04/04/2011 16:08 244 exibições
Quinze ônibus com 800 produtores rurais do Mato Grosso do Sul saíram na manhã desta segunda-feira (04.04) rumo a Brasília em defesa da aprovação do novo Código Florestal Brasileiro. Eles vão se encontrar com aproximadamente 20 mil produtores rurais e representantes da sociedade civil, no Congresso Nacional, para a mobilização que ocorre nesta terça-feira (05),  a favor da votação do substitutivo do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

O Presidente do Sindicato Rural de Rio Negro, Maurício Bonifácio Delalibera, vai viajar cerca de 20h até Brasília para participar do ato. “O que nós queremos é o equilíbrio entre o desenvolvimento e a produção e para isso precisamos nos mobilizar”, ressaltou. O atual debate em torno da proposta que atualiza o Código Florestal brasileiro divide opiniões e dá abertura a um diálogo que envolve ambientalistas, ruralistas e sociedade civil.

“Estamos tentando dar um caráter científico e prático para essa discussão. Isso vai aproximar ambientalistas e produtores rurais”. A declaração do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul - FAMASUL, Eduardo Riedel, ratifica que a alteração no Código Florestal não atenderá somente às necessidades do setor agropecuário e sim à realidade econômica e sustentável do País. “Essa discussão está trazendo para o centro o debate e eliminando os radicalismos de posição”, complementou.

De acordo com o presidente da FAMASUL, o texto de Aldo Rebelo não é consenso entre o setor produtivo e nem entre os ambientalistas. Mas a discordância, ressalta, é o que traz consistência ao debate, levando-se em conta tanto aspectos ambientais quanto econômicos. “O grande mérito do relatório é justamente não se pautar por extremismos, por uma visão desenvolvimentista pura, embora também não se paute pelo ambientalismo romântico”, balanceou.

Com a atualização do Código, a expectativa é que a nova legislação traga segurança jurídica ao campo, garantindo a oferta de alimentos de qualidade à população brasileira. “A perspectiva é que o texto seja aprovado, porque ele é feito frente à realidade do País”, enfatizou Eduardo Riedel.

Desde que entrou em vigor, em 1965, o Código Florestal brasileiro passou por diversas modificações feitas por meio de leis e medidas provisórias. Dentre elas o decreto 7029, de 2009, que se entrar em vigor no dia 11 de junho, como está previsto, deve deixar cerca de 90% dos produtores rurais brasileiros em situação irregular perante a lei.

De acordo com o que está previsto no documento, todas as propriedades rurais serão obrigadas a possuir reservas legais de florestas nativas registradas até 11 de junho, uma condição que atualmente poucas atendem. “Temos que lembrar que na década de 1960 o Brasil era importador de alimentos. E hoje além de ser exportador expressivo, atende a demanda interna que aumentou expressivamente”, reforçou Eduardo Riedel.

FAEMA participará de mobilização de produtores rurais em Brasília

A Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão - FAEMA, sindicatos dos produtores rurais e entidades ligadas ao setor agropecuário farão parte da comitiva que participará da mobilização, terça-feira (5), em Brasília, para apoiar no Congresso Nacional o projeto de  modernização do Código Florestal.

Cerca de 20 mil produtores rurais e representantes de diversos segmentos da sociedade civil de todos os Estados brasileiros estarão no dia 5 de abril,  na Esplanada dos Ministérios, para participar de uma mobilização que tem o objetivo de demonstrar ao Congresso Nacional a necessidade de atualizar o Código Florestal.

“Os produtores rurais virão para Brasília para mostrar de forma pacífica, cívica, ao Congresso Nacional que o quadro de insegurança jurídica prejudica as atividades no campo e que por isso é preciso modernizar a legislação ambiental”, afirmou a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu.

“Agora é chegada a hora de esforço especial de cada um  nós  para sensibilizar e orientar os políticos,  especialmente os deputados da bancada federal do Maranhão, para que mantenham o compromisso assumido  de  votar com o relatório do deputado Aldo Rebelo (PC do B –SP).  Vamos  defender a aprovação da proposta de atualização do Código Florestal, em tramitação na Câmara”, afirmou o presidente da Faema, José Hilton Coelho de Sousa.

De acordo com o presidente  da Comissão de Meio Ambiente da CNA, Assuero Veronez,  a grande  mobilização nacional dos produtores em Brasília   mostrará ao Congresso Nacional,  ao Governo Federal e à sociedade, a necessidade de aprovar o texto proposto pelo deputado Aldo Rebelo. Caso contrário, mais de 90% dos produtores rurais brasileiros estarão sendo criminalizados e multados a partir de 12 de junho deste ano, conforme prevê o Decreto nº 7.029.

Integram a caravana maranhense: Produtores rurais maranhenses e os presidentes da FAEMA, José Hilton;  da Associação dos Criadores do Maranhão - Ascem, Marcos Túlio; dos sindicatos rurais de Imperatriz,  Carlos Marques; Bacabal,  Jadson do Lago; Pedreiras Rosimeire Barros; Vitorino Freire, Paulo Veríssimo; Açailândia, Roberto Pacheco; Caxias,  Benedito Moura; do sindicato dos produtores de leite,  Alexandre Ataíde; o secretário de Estado da Sagrima,  Claudio Azevedo; o secretário adjunto da Sagrima e vice presidente da Faema, Raimundo Coelho; o superintendente do Senar-MA, Luis Figueiredo; o produtor rural,  César Viana; o deputado estadual e ex-presidente do sindicato rural de Bacabal, Carlinhos Florêncio e o representante da  Federação da Indústria do Maranhão - Fiema, Raimundo Gaspar; além de caravanas com produtores rurais da região Tocantina e demais sindicatos filiados à FAEMA.

Fonte:
Canal do Produtor

0 comentário