Sessão suspensa e discussão do Código Florestal continua às 15h30

Publicado em 11/05/2011 14:16 e atualizado em 11/05/2011 15:39 157 exibições

Depois de cinco horas de discussão, a sessão extraordinária que analisa o novo Código Florestal (PL 1876/99 e outros) vai prosseguir durante a tarde, em sessão que terá início às 15h30. Os deputados deverão registar presença novamente, e novos requerimentos para atrasar a votação podem ser apresentados, mas 13 deputados (a favor e contra à proposta) já discursaram.

O deputado Aldo Rebelo continua no Palácio do Planalto, acompanhado do líder do PMDB, Henrique Fontana, em reunião constante com o Governo (Casa Civil). O governo pretende modificar o que já foi acertado com Aldo, alegando que o que está escrito no novo substitutivo não corresponde ao que foi acertado ontem à noite. Trata-se da discussão em torno das áreas consolidadas.

O deputado Aldo, em seu substitutivo, admite a existência de toda atividade agricola (com construções existentes, criatórios, e instalações de produção dentro das áreas de APPs). Mas o Governo sofre pressão dos ambientalistas, e quer somente admitir atividades a serem definidas por decreto. O deputado Aldo acha perigoso esse precedente, pois poderia haver atividades que ficariam de fora dessas lista.

Os deputados da base agropecuária se mostram nervosos, pois dizem ter maioria folgada para aprovarem o projeto conforme está redigido por Aldo Rebelo. Segundo o deputado Waldir Colatto, a Câmara deveria votar agora, e, depois, se o Governo não concordar, que vete o artigo das APPs e crie, por decreto, uma lista que pode deixar de fora o que o Governo achar necessário. Mas que arque com o ônus dessa decisão.

O presidente da Câmara Marco Maia acaba de dizer que haverá votação hoje, sem duvida", pois no entender dele ""o deputado Aldo Rebelo está fechando as ultimas arestas com o Governo, e que o que for definido no Palácio do Planalto "deverá vir tudo mastigadinho" e, portanto, a votação deverá ser bem rápida. 

O Plenário da Câmara aguarda a presdença de Aldo para encaminhar a votação do novo Código Florestal.

Fonte:
Agência Câmara/redação

0 comentário