Para Bird, ritmo da expansão agrícola cai e impulsiona alta dos preços

Publicado em 18/05/2011 08:19 e atualizado em 18/05/2011 17:25 473 exibições
O diretor-geral e vice-presidente sênior do Banco Mundial (Bird), Vinod Thomas, afirmou nesta terça-feira (17) que o principal causador da pressão de preços nos alimentos no mundo é o declínio do ritmo de crescimento da produtividade agrícola. "Pela primeira vez nos últimos 10 anos, o crescimento da produtividade agrícola foi mais lento que o crescimento populacional", declarou Thomas, em evento sobre os Brics no Rio de Janeiro.

Segundo ele, as regiões mais afetadas são África e Ásia, mas o Brasil também sofre com o problema - embora esteja em situação melhor do que a destes dois continentes. "O problema do aumento da produtividade é global, não apenas da África e da Ásia, mas também da América Latina. Isso porque os investimentos das últimas décadas foram direcionados para a área urbana e indústria", afirmou.

De acordo com Thomas, também houve algum investimento na área agrícola, porém menos em alimentação e mais no setor de commodities.

Na avaliação dele, os principais inibidores de um maior avanço da produtividade agrícola são os subsídios dados por países europeus e os EUA à produção de alimentos. "Os subsídios de US$ 150 bilhões para alimentos, especialmente na Europa e nos Estados Unidos, prejudicam os investimentos para melhorar a produtividade na África e na América Latina", disse. Ele avalia que é preciso uma coordenação internacional para resolver o problema.

O diretor-geral do Bird afirmou que, embora o Brasil não tenha melhorado o suficiente a produção agrícola nas últimas décadas, agora tem uma boa oportunidade de fazê-lo. "O Brasil é um dos países em melhor situação para enfrentar este problema porque, assim como a Rússia, tem uma grande área cultivável e, além disso, os investimentos em pesquisa têm sido direcionados para aumentar a produtividade", disse.

Baixos estoques

A forte demanda e os baixos estoques mundiais devem manter os preços agrícolas em alta, segundo o analista econômico da Agroconsult, empresa especializada em consultoria no agronegócio. André Pessoa falou aos produtores rurais em Dourados (MS) durante o Circuito Aprosoja.

Para Pessoa, "o mundo vive o maior choque de demanda desde a década de 1970 e os estoques internacionais de grãos, como trigo, milho e soja, por exemplo, atendem apenas a 20% da necessidade mundial". "Isso nos mostra um cenário de oportunidades e responsabilidades gigantescas", afirmou. "Os fatores são o crescimento acelerado da renda de países em desenvolvimento, como China, o elevado processo de urbanização e a combinação do uso de produtos agrícolas para a produção de biodiesel.
Fonte:
DCI

0 comentário