BrFoods e Cade sinalizam que haverá acordo para aprovar fusão entre Perdigão e Sadia

Publicado em 13/07/2011 08:48 164 exibições
Julgamento do ato de concentração deve ser concluído nesta quarta, dia 13.
Representantes da holding Brasil Foods (BrFoods) e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sinalizaram nesta terça, dia 12, na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados que haverá acordo para aprovar a fusão entre os frigoríficos Perdigão e Sadia, firmada em 2009. O julgamento do ato de concentração no órgão de defesa da concorrência deve ser concluído nesta quarta, dia 13. O acordo, segundo os representantes, está em andamento, mas ajustes ainda precisam ser feitos.

– O Cade tem sido sensível aos nossos argumentos. Amanhã temos sessão em andamento e esperamos que haja solução que preserve a Brasil Foods – disse Wilson de Melo Neto, que representou a holding resultante da fusão na audiência.

Ele informou que a empresa busca uma solução que permita a continuidade do negócio.

– Sem esquecer funcionários, acionistas e consumidor, que é a razão principal da existência da BrFoods.

Melo Neto expôs dados sobre a empresa e negou que haverá demissões ou aumento de preços por causa da fusão, mas não quis dar informações sobre os termos do acordo que está sendo costurado com o Cade.

– Por força de lei, a negociação é confidencial e não posso falar sobre temas sensíveis – explicou.

O procurador-geral do Cade, Gilvandro Vasconcelos, disse que o órgão é sensível à abrangência da operação e à importância da empresa.

– Mas todos os interesses defendidos pela empresa devem ser sopesados [contrabalançados] com eventuais prejuízos e dificuldades que consumidor pode ter com a operação.

Também disse que a operação precisa ter um desenho melhor, com mais restrições, e que algumas informações confidenciais precisam ser abertas.

A confidencialidade de informações foi motivo de crítica do deputado Ivan Valente (P-SOL-SP), um dos que convocaram a audiência pública.

– Não podemos fazer audiência de faz de conta. Como a negociação é secreta, não temos nada que fazer aqui – reclamou.

O julgamento do ato de concentração no Cade começou no início de junho, mas foi suspenso por um pedido de vista após um voto duro do relator, Carlos Ragazzo, contra a fusão. Ele afirmou que a operação traria danos irreversíveis para o consumidor e que a compra dos ativos da Sadia pela Perdigão não era a única saída para a crise financeira da empresa.

Fonte:
Agência Brasil

0 comentário