Fusão entre Perdigão e Sadia pode gerar menos investimentos para agroindústria de Santa Catarina

Publicado em 13/07/2011 09:33 360 exibições
Para a agroindústria de Santa Catarina, o acordo desenhado pela BRF Brasil Foods pode significar o adiamento de investimentos planejados no Estado. Nesta quarta, dia 13, deve ser retomado o julgamento da fusão dos frigoríficos Perdigão e Sadia no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A expectativa é de que o Cade finalmente aprove a fusão das empresas, negócio que se arrasta desde maio de 2009. Estão previstas algumas restrições. A principal delas será a retirada da marca Perdigão por um período de pelo menos cinco anos de alguns mercados em que a concentração resultante da fusão é muito grande, como os de salsicha, pratos prontos e pizza. Além disso, outras marcas, como a Batavo, seriam colocadas à venda.

Segundo o vice-presidente de secretaria da Federação da Agricultura e Pecuária de SC (Faesc), Enori Barbieri, a BRF estava prevendo novas plantas industriais em Santa Catarina no curto prazo para ampliar a produção.

– Os planos levavam em conta os diferenciais do Estado, especialmente a excelência da condição sanitária. Mas agora, com a possibilidade de perder mercado com estas restrições, estes investimentos podem não acontecer – observa.

Ele destaca ainda que unidades da BRF, como a de Lages (SC), que produz pizzas da Perdigão, podem entrar na lista das fábricas a serem vendidas ou desativadas.

Já na opinião do presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), Clever Pirola Ávila, a fusão das empresas trará uma certa “fortaleza” para o Estado.

– Ficaremos com uma empresa muito mais forte. Há quem tema a concentração exagerada de mercado, mas tenho certeza que o Cade terá bom senso e que eles chegarão a um acordo que permitirá a fusão.

Fonte:
Diário Catarinense

0 comentário