Exportações do agronegócio mineiro crescem 34,5% no ano

Publicado em 05/08/2011 12:10 246 exibições
As exportações do agronegócio mineiro cresceram 34,5% no período de janeiro a julho deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. O valor exportado nos primeiros sete meses do ano foi de US$ 5 bilhões. O crescimento mineiro é maior que o verificado na média das exportações do agronegócio nacional. O aumento registrado no valor das exportações brasileiras foi de 22% no período, totalizando US$ 51,6 bilhões. Os números das vendas internacionais foram analisados pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), com base nas informações do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Os principais destinos dos produtos do agronegócio mineiro foram Alemanha, Estados Unidos e Japão. Dentre os principais produtos da pauta de exportação, o milho foi o que registrou alta mais significativa, com aumento de 767% no valor negociado, totalizando US$ 58 milhões. O valor da venda do café somou US$ 2,9 bilhões nos sete primeiros meses do ano, com aumento de 57% em relação ao mesmo período do ano passado.

As exportações do complexo soja – farelo, óleo e grão – movimentaram US$ 447 milhões no período. O crescimento de 69% foi motivado, principalmente, pelo crescimento das exportações do farelo de soja. No segmento de carnes, o destaque ficou para as exportações de frango, que registraram crescimento de 57% no valor negociado, alcançando US$ 190 milhões.

Commodities valorizadas

A diferença entre as exportações e importações do agronegócio mineiro totalizou US$ 4,8 bilhões. O valor corresponde a 31% do saldo da balança comercial do Estado. Segundo o superintendente de Política e Economia Agrícola da Seapa, João Ricardo Albanez, o crescimento nos valores negociados pelo Estado é reflexo da valorização das commodities.

“Para se ter uma ideia, no período de janeiro a julho deste ano, a tonelada do café foi comercializada pelo preço médio de US$ 4,5 mil. O aumento é de 68% em relação ao valor comercializado no mesmo período do ano passado”, compara.

Na análise do superintendente, outro ponto que tem favorecido o crescimento dos valores negociados é o nível dos estoques mundiais que estão abaixo da média, ajudando a manter os preços em patamares superiores. “Além disso, os países emergentes (Brasil, Índia, China, Rússia e África do Sul) têm registrado aumento no consumo interno, em função da melhoria de renda da população.”

Alguns produtos, entretanto, sinalizaram retração na receita de venda no período no período: álcool (-71%), carne suína (-41%), carne bovina (-7%) e algodão (-6%).  

Fonte:
Sec. Agricultura Minas Gerais

0 comentário