No Valor: Caçadores de barganhas dão fôlego ao Ibovespa e mais bolsas

Publicado em 09/08/2011 11:38 e atualizado em 09/08/2011 14:03 293 exibições
Com uma pequena parcela de suas ações em baixa, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) continua com valorização acentuada nesta jornada de retomada dos mercados. Investidores seguem atrás de oportunidades de compras, diante das perdas expressivas mais recentes. Apenas ontem, o Ibovespa tombou 8%.

Por volta das 13h10, o Ibovespa subia 3,77%, aos 50.502 pontos, com giro financeiro elevado de R$ 4,4 bilhões.

Em Wall Street, o índice Dow Jones tinha valorização de 1,95%, enquanto o S&P 500 ganhava 2,64% e o Nasdaq se apreciava em 3,32%.

O analista da Socopa Corretora, Osmar Camilo, assinala que o mercado passa apenas por uma correção natural.

“Já era, de certa forma, esperado que o mercado se recuperasse da queda dos últimos pregões. Ontem vimos um forte movimento vendedor nas bolsas e as reações exageradas estimulam esta retomada”, diz.

A China divulgou ontem à noite uma série de indicadores econômicos relevantes, mas as atenções dos investidores estão essencialmente voltadas às novidades na Europa e nos Estados Unidos.

A reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e seu comunicado estão sendo aguardados com expectativa.

“O mercado está esperando alguma sinalização de estímulo do Fed para poder, ao menos, se estabilizar”, destaca Camilo.

Dentro do Ibovespa, o analista ressalta que a procura imediata dos agentes após o “pânico” dos últimos dias se volta às "blue chips” Petrobras e Vale. “Os papéis têm uma recuperação mais rápida e forte. Ninguém duvida de seus fundamentos”, afirma.

De fato, nesta jornada, o desempenho dessas ações citadas está puxando a alta do Ibovespa. Instantes atrás, Vale PNA subia 5,09%, a R$ 38,40, Petrobras PN ganhava 4,07%, a R$ 19,41, e OGX Petróleo ON ainda se valorizava em 9,02%, a R$ 10,03.

As principais altas do índice ainda partiam dos papéis Gol PN (6,35%, a R$ 9,70), das units do Santander Brasil (6,02%, a R$ 13,73) e das ações ON do Banco do Brasil (6,00%, a R$ 23,99).

O banco divulgou seu balanço trimestral hoje pela manhã, assim como  ALL e Itaúsa. As ações da empresa também sobem nesta tarde. Há pouco, ALL ON ganhava 2,60%, a R$ 9,44, e Itaúsa PN ganhava 4,09%, a R$ 8,64.

Já entre as poucas baixas do Ibovespa, destaque para Natura ON (-0,65%, a R$ 31,95), Cteep PN (-0,76%, a R$ 44,36) e Marfrig ON (-5,76%, a R$ 8,50).

Ontem os papéis da Marfrig já tiveram queda aproximada de 25%. Matéria do Valor revelou que a sensação do mercado era de que a perda não estava relacionada aos fundamentos da companhia, mas sim ao fato de o fôlego da GWI Investimentos, do gestor Um Hak You, de sustentar o papel, estar acabando.

Na Reuters: Após pior queda desde 2008, Bovespa opera em alta de 3,9%

O principal índice das ações brasileiras respirava nesta terça-feira após a queda de cerca de 8% no dia anterior, aproveitando a recuperação técnica nas bolsas internacionais para voltar a operar perto dos 50 mil pontos. Às 11h34, o Ibovespa subia 3,95%, 50.588 pontos. O giro do pregão era de R$ 2,5 bilhões.

O Ibovespa apenas recuperava parte da baixa de 8,08% de segunda-feira, a maior desde 22 de outubro de 2008. A principal expectativa dos investidores nesta terça é com a reunião do Federal Reserve (FED) sobre política monetária. No comunicado a ser divulgado às 15h15, o mercado busca sinais de novas políticas de estímulo à economia dos Estados Unidos.

O rebaixamento inédito da nota de crédito dos Estados Unidos anunciado na sexta-feira repercutiu no começo desta semana nas bolsas de valores de todo o mundo. Na segunda, a Bovespa chegou a desabar até 9,74% na mínima do dia, atingindo 47.793 pontos.

Saiba mais
O mercado acompanha de perto o desempenho do Ibovespa porque este é o mais importante indicador do desempenho médio das cotações do mercado de ações brasileiro. O índice retrata o comportamento dos principais papéis negociados na bolsa. A pontuação do Ibovespa aumenta na medida em que sobe o valor das ações.

No Valor: Ibovespa tem dia de recuperação e já avança quase 4%

A bolsa brasileira acentuou a trajetória positiva no início do pregão desta terça-feira, acompanhando a recuperação vista em Wall Street. Em meio à insegurança que levou os mercados acionários a despencar nos últimos dias, diante da perspectiva de enfraquecimento das maiores economias, investidores operam na expectativa de que novos estímulos sejam anunciados.

Nesta tarde, o Federal Reserve (Fed), banco central americano, tem sua reunião de política monetária. Enquanto aguardam pelo encontro e seus possíveis desdobramentos, investidores analisam os números da China.

Embora a atividade do país tenha perdido um pouco de força em julho, a inflação segue preocupante. O índice de preços ao consumidor subiu 6,5% no mês passado, na comparação com um ano antes, a maior em três anos. O resultado veio na sequência da alta de 6,4% em junho.

Ainda que novas elevações de juros e de alíquotas de compulsórios bancários no país não possam ser descartadas, as bolsas defendem altas expressivas, assim como os preços das commodities avançam.

No Brasil, por volta das 11h30, o Ibovespa já subia 3,88%, aos 50.556 pontos, e girava R$ 2,5 bilhões. Na BM&F, o índice futuro, com vencimento em agosto, apresentava alta de 4,07%, com o registro de 50.570 pontos.

Ontem, depois da Standard & Poor’s rebaixar a nota dos EUA, as bolsas desabaram. O Ibovespa teve desvalorização de 8,08%, aos 48.668 pontos, no pior pregão desde 22 de outubro de 2008 e no menor patamar desde 30 de abril de 2009.

Neste pregão, apenas duas ações do Ibovespa recuam - Eletrobras PNB (-0,09%, a R$ 20,91) e Cielo ON (-0,12%, a R$ 40,95).

Na direção oposta, papéis de bancos lideravam as principais altas, com destaque para Itaú Unibanco PN (5,83%, a R$ 27,04) e para as units do Santander Brasil (5,63%, a R$ 13,68).

Após reportar seus resultados trimestrais, as ações ON do Banco do Brasil subiam 4,72%, a R$ 23,70. O banco registrou lucro líquido recorrente de R$ 3,2 bilhões no segundo trimestre, um crescimento de 38,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

Dentre as chamadas “blue chips”, Vale PNA subia 4,59%, a R$ 38,22, Petrobras PN ganhava 3,80%, a R$ 19,36, e OGX Petróleo ON se apreciava em 6,95%, a R$ 9,84.

Depois de recuar quase 25% ontem, as ações ON da Marfrig subiam 6,20%, a R$ 9,58. Matéria do Valor revelou que a sensação do mercado era de que a perda não estava relacionada aos fundamentos da companhia, mas sim ao fato de o fôlego da GWI Investimentos, do gestor Um Hak You, de sustentar o papel, estar acabando.

Nos Estados Unidos, as bolsas também abriram a sessão com forte valorização. Há instantes, o índice Dow Jones subia 1,57%, o S&P 500 avançava 1,95% e o Nasdaq registrava alta de 2,33%.

Na agenda do dia, o Departamento de Trabalho dos EUA revelou que a produtividade da mão de obra americana caiu 0,3%, no segundo trimestre deste ano.

Fonte:
Reuters + Valor Online

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário