Dólar tem queda; mercado aguarda plano de estímulo ao emprego nos EUA

Publicado em 08/09/2011 09:46 118 exibições
Os investidores promovem um ajuste técnico no preço do dólar, que iniciou os negócios com ligeira queda ante o real, após cinco dias consecutivos de alta.

Por volta das 9h30, o dólar comercial recuava 0,06%, cotado a R$ 1,655 na compra e a R$ 1,657 na venda. Na mínima, foi a R$ 1,652.

No mercado futuro, o contrato de outubro negociado na BM&FBovespa operava praticamente estável, com leve valorização de 0,03%, a R$ 1,666.

Hoje, o Banco Central (BC) divulgou a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que mostrou a avaliação da autoridade monetária de que a deterioração atual do cenário internacional causa um impacto sobre a economia brasileira equivalente a um quarto do observado durante a crise de 2008/2009. Na semana passada, o Copom tinha decidido cortar a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, a 12% ao ano.

O documento revelou que as projeções de inflação para 2012 recuaram no cenário de referência do Banco Central, ficando "ao redor" da meta central de 4,5%.

No mercado de câmbio externo, o Dollar Index, que mede o desempenho da divisa americana ante seis divisas rivais, registrava valorização de 0,11%, aos 75,59 pontos. Os agentes aguardam a divulgação de novas medidas do governo americano para criar novos empregos. O plano envolverá US$ 300 bilhões e deve ser anunciado hoje pelo presidente Barack Obama.  

Nos últimos dias, a Casa Branca vazou boa parte das medidas do pacote. A principal delas é a prorrogação por um ano de um abatimento na contribuição previdenciária paga pelos trabalhadores no contracheque, que deve representar uma renúncia de receitas de US$ 200 milhões para o governo federal.

Com a medida, o governo espera colocar em média US$ 1 mil no bolso de cada trabalhador, estimulando o consumo. O efeito prático, porém, promete ser menor do que parece à primeira vista. Hoje, os trabalhadores já gozam desse abatimento, que vence no fim do ano, e nem por isso as taxas de desemprego estão cedendo. A prorrogação apenas evitaria subir a carga de impostos em 2012.

A iniciativa é tida como insuficiente para reduzir os altos níveis de desemprego dos EUA e promete despertar forte resistência da oposição republicana, mas será um gesto importante de Obama para mobilizar a sua base democrata para a campanha de reeleição de 2012.

 Na Europa, o Banco Central Europeu (BCE) optou por manter a principal taxa de juro da região do euro em 1,5%, em linha com as expectativas de muitos analistas. Vale recordar que a autoridade monetária aumentou o custo do dinheiro duas vezes neste ano, uma em abril e outra em julho.

Já o Banco da Inglaterra comunicou a decisão de conservar a taxa de juro da região em 0,5%, atendendo às expectativas do mercado.

O euro recuava 0,37% em relação ao dólar, há pouco, cotado a US$ 1,4043.

Fonte:
Valor Online

0 comentário