Bolsas europeias sobem com expectativa sobre reunião do Fed e Grécia

Publicado em 20/09/2011 15:06 e atualizado em 20/09/2011 15:52 194 exibições
As bolsas europeias fecharam em terreno positivo nesta terça-feira, com especulações de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) poderá anunciar novos estímulos à economia americana na reunião de amanhã.

O mercado também repercutiu declaração divulgada ontem pelo governo grego, de que a teleconferência com a “troika" - como ficou conhecida a missão da União Europeia (UE), do Banco Central Europeu (BCE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI) – foi “produtiva e relevante”. O encontro continua nesta terça-feira.

Os investidores parecem não ter demonstrado preocupação com o fato da agência Standard & Poor’s (S&P) ter rebaixado a nota soberana da Itália. O premiê italiano Silvio Berlusconi declarou que a “avaliação da S&P parece dada mais por notícias de jornais do que pela realidade e parece ser influenciada por considerações políticas".

Outro dado analisado hoje foi a atualização das projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI). A economia mundial irá se expandir 4% em 2011, ante 4,3% previstos pelo FMI em sua projeção anterior, divulgada em junho. Para 2012, a expectativa é de crescimento também de 4%, abaixo dos 4,5% estimados anteriormente.

Em Londres, o índice FTSE 100 subiu 1,98%, para 5.364 pontos; em Paris, o CAC 40 avançou 1,50%, para 2.984 pontos; em Frankfurt, o DAX teve alta de 2,88%, para 5.572 pontos; e em Milão, o FTSE MIB ganhou 1,91%, para 14.356 pontos.

Entre os indicadores do dia, o Índice de Preços ao Produtor (PPI, na sigla em inglês) da Alemanha recuou 0,3% em agosto na comparação com julho, puxado para baixo pelo segmento de energia, e subiu 5,5% frente a agosto do ano passado. Esse foi o primeiro recuo na comparação com o mês imediatamente anterior desde dezembro de 2009.

O indicador de confiança na economia da Alemanha recuou de -37,6 em agosto para -43,3 em setembro, o menor nível desde dezembro de 2008. Economistas, no entanto, esperavam um resultado ainda pior, de -45.

Nos EUA, o número de construções de novas casas e apartamentos caiu 5,0% em agosto na comparação com julho, para a taxa anual sazonalmente ajustada de 571 mil, o menor volume em três meses. Na comparação com agosto do ano passado, houve queda de 5,8%. O dado de julho foi revisado para baixo, para uma taxa anual de 601 mil unidades, em relação às 604 mil anunciadas originalmente. Economistas consideram economicamente saudável um número entre 1 milhão e 1,5 milhão.

Fonte:
Valor Econômico

0 comentário