Publicidade

Conflito armado entre tribos deixa 4 índios mortos em Roraima

Publicado em 24/04/2013 04:55 e atualizado em 24/04/2013 08:13 1013 exibições
Na Folha de S. Paulo desta quarta-feira (24)
Um conflito com armas de fogo entre tribos ianomâmi em Roraima, na fronteira com a Venezuela, deixou quatro índios mortos e sete feridos, segundo a Funai (Fundação Nacional do Índio).

O episódio ocorreu no último dia 14 em aldeia a 320 km de Boa Vista e provocou a morte de uma mulher, dois homens e uma criança. Sete índios feridos, inclusive duas crianças, já receberam alta.

Os índios da região, afirma a Funai, estão sendo armados por garimpeiros em troca de permissões para exploração ilegal de ouro na terra indígena, que estaria invadida por ao menos 1.600 homens.

Para João Catalano, chefe do setor de proteção ianomâmi da Funai, o conflito foi "gravíssimo" por envolver um grupo recém-contatado.

"Os garimpeiros chegam aos poucos e vão introduzindo armas e munições para impor o ritmo da exploração de ouro", disse.

Segundo ele, desde 2010 já são 13 mortes de índios por arma de fogo no local, que abriga cerca de 20 mil índios.

A Polícia Federal foi acionada para investigar o fornecimento de armas aos índios.

Conflitos intertribais são característicos dos ianomâmi, mas as armas habituais eram bordunas (porretes) e flechas.

Segundo o índio Dário Kopenawa, da associação ianomâmi HAY, o conflito foi motivado por disputa por roça de pupunha (fruto de palmeira).

Para ele, o conflito é resultado da falta de fiscalização sobre o garimpo ilegal. No ano passado, a PF chegou a retirar cerca de 600 garimpeiros da região, mas muitos voltaram.

"Os garimpeiros estão aliciando índios com arma de fogo para matar todos os índios. A PF sabe disso", disse.

Procurada pela reportagem, a PF em Roraima não respondeu.

Na coluna de Lauro Jardim, na Veja, na segunda-feira (22):

Tiroteio na Tribo

Roraima - Terras Indígenas


Na semana passada, dois grupos indígenas que disputavam o controle de uma lavoura emRoraima inauguraram uma nova etapa na guerra tribal. Armados de espingardas, presenteadas por garimpeiros, eles trocaram tiros entre si dentro de aldeia Xitei, na Terra Indígena Ianomâmi.

O caso vem sendo tratado como sigiloso pela Funai. A ONG Hutukara, coordenada pelo índio Davi Kopenawa, enviou um grupo para fazer uma apuração independente.

O Exército resgatou seis feridos que foram internados no Hospital Geral de Boa Vista. Um deles perdeu o braço por causa dos ferimentos e outro está na UTI, por causa de um tiro que tomou na cabeça. Há ainda relatos de mortos no confronto.

O silêncio da Funai sobre a matança, justamente na “Semana do Índio”, foi para evitar que um  problema real desviasse a atenção para os protestos por demarcação de terra que levaram à invasão da Câmara dos Deputados e a um cerco ao Palácio do Planalto, na semana passada.
Fonte:
Folha de S. Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Hilário Casonatto Lucas do Rio Verde - MT

    Mandar o povo da Funai com mais armas,,,, resolve

    0