Publicidade

Indígenas voltam atrás, mas querem 37 mil hectares em Miranda (MS)

Publicado em 09/07/2013 09:07 791 exibições

Invadida por indígenas de etnia terena nessa segunda-feira (8), a fazenda São Pedro de Paratudal, em Miranda (MS), faz parte da área pretendida pela Fundação Nacional do Índio (Funai) para ampliar a aldeia Cachoeirinha de 2,6 mil para 37 mil hectares.  Depois de manterem a invasão por cerca de sete horas, os indígenas deixaram a propriedade alegando o cumprimento do acordo feito com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em maio de não invadir nenhuma propriedade até o dia 5 de agosto.
 
Este é o prazo para de entrega do relatório final dos grupos de trabalhos formados para avaliar a compra de terras pela União para ampliação e criação de novas áreas indígenas em Mato Grosso do Sul, a partir da proposição inicial de compra da fazenda Buriti, em Sidrolândia.
 
De acordo Pedro Paulo Pedrossian, proprietário da São Pedro de Paratudal, a fazenda tem título registrado desde o século XIX e foi adquirida na década de 60. Depois desta que foi a segunda invasão em propriedade da família, Pedrossian se mostra decepcionado e vencido pela insegurança causada pelas invasões.  “Dedico-me a pecuária há anos, mas na primeira proposta que pagarem pelas bem-feitorias e terra nua, deixo a propriedade sem pensar duas vezes”, disse o produtor.
 
Para a Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), a ampliação é ilegal e a invasão instiga a violência. “Mais do que ilegal, invasão de propriedade privada é um ato de violência. Até que ponto vamos tolerar ações contrárias à ordem e à legislação em nosso Estado?”, questiona o presidente da Famasul, Eduardo Riedel.

Fonte:
Famasul

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário