Índios tomam a Esplanada e tentam entrar no Congresso Nacional

Publicado em 02/10/2013 17:47 e atualizado em 02/10/2013 19:36
637 exibições

Cerca de 1,5 mil índios de 305 etnias tomaram conta da Esplanada dos Ministérios nesta quarta-feira e deixaram o trânsito caótico na região. Os índios estavam acampados em frente ao Congresso Nacional e surpreenderam a Polícia Militar ao invadir as duas pistas do Eixo Monumental, na altura dos ministérios da Saúde e da Justiça.

O grupo protesta contra a Proposta de Emenda à Constituição que submete ao Congresso a decisão sobre demarcação de terras indígenas. Atualmente, todos os procedimentos da demarcação ficam a cargo exclusivamente do Poder Executivo. O presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves, suspendeu ontem a instalação da comissão especial que analisaria a matéria.

Leia a notícia na íntegra no site do Terra.

Índios tomam a Esplanada

Índios tomam a Esplanada - 2

Índios tomam a Esplanada - 3

Índios tomam a Esplanada - 4

Índios tomam a Esplanada - 5

Índios tomam a Esplanada - 6

Índios tomam a Esplanada - 7

Fonte: Terra


Índios fecham Bandeirantes em protesto

Rodovia está bloqueada no quilômetro 21, sentido capital; filas começam na altura do 28

Um protesto bloqueia a rodovia dos Bandeirantes na manhã desta quinta-feira. A interdição acontece na altura do quilômetro 21, sentido São Paulo. Os manifestantes atearam fogo em objetos na pista.
 
O ato é organizado por um grupo de cerca de 100 índios, que pede a demarcação de terras. Os manifestantes seguem para a capital.
 
A manifestação causa lentidão entre os quilômetros 29 e 21.

Fumaça de protesto pode ser vista de longe / Reprodução/BandNews FM
 
A concessionária está desviando os carros da Bandeirantes para a Anhanguera no quilômetro 47, em Jundiaí, na Grande São Paulo. Por causa da medida, a Bandeirantes também tem lentidão, do 51 ao 47. E a Anhanguera tem congestionamento do 55 ao 48.

Informações: Band.com.br
 

Índios tentam invadir a Câmara dos Deputados; duas pessoas ficaram feridas

Duas pessoas ficaram feridas numa tentativa de invasão de um grupo de índios à Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (2). A confusão teve início depois que alguns índios, que protestavam no gramado em frente ao Congresso, tentaram entrar na sede do Legislativo, mas foram barrados por policiais da Câmara e Senado.

Para tentar burlar os policiais, que pediram reforço à Polícia Militar, os indígenas deixaram o gramado e tentaram entrar na Câmara por uma entrada lateral, no Anexo I da Casa. A polícia reforçou o efetivo e impediu a entrada, mas um dos índios quebrou o vidro da porta da Casa. Os estilhaços feriram o índio Renato da Silva Filho e o vigilante da Câmara Sanderson Ignácio Rodrigues Fragoso.

Os dois foram atendidos no Departamento Médico da Câmara. O vigilante teve um pequeno corte na testa e, pouco depois, foi liberado --mas registrou ocorrência na Polícia Legislativa da Câmara. O índio estava com vários cortes no braço e foi encaminhado ao Hospital Universitário de Brasília.

Os índios protestam desde terça-feira na capital federal contra uma série de propostas que tramitam no Legislativo que, na opinião do grupo, prejudica as aldeias e a situação dos índios do Brasil. Uma das reivindicações é que o Congresso não aprove a PEC (proposta de emenda constitucional) que transfere do Executivo para o Legislativo a demarcação de terras indígenas.

O grupo promete permanecer em Brasília até sábado (5), quando a Constituição de 1988 completará 25 anos, para defender os direitos dos povos indígenas.

Informações: Folha de São Paulo



Índios quebram vidraça de Câmara e fecham Esplanada

Protesto de ’ndios contra a PEC 215 em Bras’lia

Um grupo de indígenas voltou a causar tumulto no Congresso Nacional nesta quarta-feira e quebrou uma vidraça ao tentar invadir a Câmara dos Deputados.

Após a confusão, o vice-presidente da Câmara, deputado André Vargas (PT-PR), se reuniu com dez indígenas. Na ocasião, eles entregaram um manifesto ao presidente interino da Casa e pediram a anulação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) número 215, que transfere a competência de demarcação de terras do Executivo para o Legislativo. Do lado de fora do Congresso, os indígenas que não participaram do encontro fecharam as seis vias do Eixo Monumental, causando transtorno.

O deputado Cândido Vaccarrezza (PT-SP) teve o carro cercado quando deixava o Congresso. Os pneus foram furados e ele teve de fazer de táxi. “Dei queixa na polícia. Quero que façam uma perícia para saber exatamente o que aconteceu”, afirmou.

Em abril, índios de diversas etnias invadiram o plenário da Câmara também para manifestar contra o projeto. O episódio levou ao endurecimento das regras de acesso à Casa, como restrição na quantidade de visitantes e no acesso aos principais locais do prédio.

Fonte: Veja 


Índios fecham Avenida Paulista em defesa da Funai

Centenas de índios fecharam no fim da tarde de hoje (2) quatro das oito pistas da Avenida Paulista. Eles querem que a Funai (Fundação Nacional do Índio) mantenha o poder de demarcação de terras indígenas. A manifestação foi organizada pela Comissão Guarani Yvyrupa. A Polícia Militar não soube precisar o número de manifestantes.

De acordo com as lideranças indígenas, a Proposta de Emenda á Constituição (PEC) 215, que transfere aos congressistas a decisão sobre a demarcação de terras, coloca em risco os direitos das comunidades.

“A PEC 215 é uma jogada política dos ruralistas para tentar tirar o poder da Funai, e para o índio não ter mais força para demarcar. A gente precisa que a Funai continue sendo a tutora para a demarcação”, destacou Olívio Jekupe, um dos líderes dos manifestantes.

Os indígenas reivindicam do governo federal a retomada dos processos de regularização fundiária e a melhoria da situação dos indígenas. “Os indígenas estão esquecidos, nossas escolas em situação bem ruim, sem professores”, ressaltou Uricanan Silveira, índio pataxó.

O ato faz parte da Mobilização Nacional Indígena convocada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, que ocorre em diversas cidades do país.

Informações: Agência Brasil 


Índio ferido na Câmara foi medicado no Hospital Universitário e liberado

O índio Renato Tupiniquim, de 25 anos, que se feriu ao se chocar contra uma porta de vidro do anexo 1 da Câmara, no início da tarde de hoje, foi atendido no Hospital Universitário de Brasília (HUB) e liberado há pouco.

Segundo o índio Poran Potiguara, que o acompanhou ao hospital, Renato se feriu nos dois braços e levou muitos pontos. Numa região do braço esquerdo, ele perdeu bastante pele e precisará de cirurgia plástica.

Renato é do Espírito Santo e veio a Brasília para protestar contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que atribui ao Congresso a competência para aprovar a demarcação das terras indígenas (215/00). No momento do acidente, ele queria entrar na Câmara para participar de debate sobre proposta do presidente da Frente Parlamentar de Defesa dos Povos Indígenas, deputado Padre Ton (PT-RO), de reserva de quatro vagas para índios na Câmara. A proposta ainda não foi apresentada formalmente.

Segundo a Polícia Legislativa, Renato se atirou contra a porta de vidro, que estava fechada. Segundo Poran, a porta estava aberta e Renato ia entrar, quando a segurança fechou a porta contra ele.

Renato foi atendido no ambulatório de saúde indígena e liberado cerca de duas horas depois. Poran, que é da Paraíba, afirmou que Renato está hospedado na casa de uma prima em Brasília.

Tramitação
A PEC foi aprovada em março do ano passado na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) e tem de ser analisada em comissão especial. Na terça-feira (1º), o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, suspendeu a instalação da comissão que examinaria a PEC, mas os índios pedem o arquivamento definitivo da proposta.

Informações: www2.camara.com.br 

1 comentário

  • Edison tarcisio holz Terra Roxa - PR

    e os produtores de terras com escritura publica na mão o que tem que fazer contra a funai que quer roubar suas terras ta na hora de o governo dar um abasta nesses loucos ou o povo vai ter que se mobilizar e a dona katia fica em silencio só quer cobrar o imposto sindical mas pra isso ela tem que defender o agricultor ou não

    0