Índios invadem sede da CNA na tarde desta quinta (3); veja imagens

Publicado em 03/10/2013 17:16 e atualizado em 04/10/2013 09:50
1886 exibições

Cerca de 500 indígenas de diversas etnias invadiram na tarde desta quinta-feira, 03, a sede da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em Brasília. Segundo assessores da entidade, o grupo arrombou o portão e ocupou as instalações da CNA, que fica próxima à Esplanada dos Ministérios. Desde a terça-feira, 01, indígenas protestam contra a PEC 215, que transfere para o Congresso a palavra final sobre demarcação de reservas. A senadora Katia Abreu, presidente da CNA, tem sido um dos alvos das manifestações. 

Na Folha: Sob críticas da base, Kátia Abreu vai para PMDB

Uma das principais integrantes da bancada ruralista, a senadora Kátia Abreu (TO) se filiou ontem ao PMDB. Ela deixa o PSD, no qual ingressou em 2011 após trocar o DEM pelo partido fundado pelo ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab.

Presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), a senadora migra de sigla com o aval da cúpula do PMDB, mas é alvo de críticas das lideranças estaduais peemedebistas, contrárias ao seu ingresso no partido.

Segundo o presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (TO), Kátia Abreu embarca na sigla após um acerto para disputar a reeleição no Senado.

No PSD, por divergências locais, a senadora estava sob ameaça de ter sua candidatura à reeleição comprometida --ela rompeu com o vice-governador João Oliveira, que se aliou ao governador Siqueira Campos (PSDB).

Presidente do PMDB de Tocantins, o deputado Júnior Coimbra disse à Folha que a senadora negociou sua filiação diretamente com a cúpula do partido, especialmente com o vice-presidente Michel Temer, sem ter o apoio da base peemedebista no Estado.

"Ela é muito truculenta, ruim de relacionamento. Não procurou a instância partidária para negociar. Ela vem com o apoio da cúpula, mas sem apoio da maioria da base", afirmou o congressista.

NO ESTADÃO:

Senadora se filia ao PMDB e aproxima Dilma de ruralistas

Kátia Abreu, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, deixa o PSD e se alinha ao Palácio do Planalto

Brasília - A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu (TO), deixou nesta quinta-feira, 3, o PSD e se filiou ao PMDB. Na decisão da senadora, cada vez mais alinhada à presidente Dilma Rousseff, pesaram a possibilidade de o PSD se distanciar do Palácio do Planalto e desavenças regionais com antigos correligionários.

Veja também:
linkRecém-criado, PROS já anuncia apoio a Dilma

Senadora muda de partido para ficar na base do governo - Ed Ferreira/ Estadão
Ed Ferreira/ Estadão
Senadora muda de partido para ficar na base do governo

 

Em 2014, Kátia Abreu poderá concorrer ao governo do Tocantins ou a mais um mandato no Senado. Nas duas opções, faz questão de ter Dilma em seu palanque. A presidente, por sua vez, cultiva a proximidade com Kátia por entender que ela é um importante canal de aproximação com o setor do agronegócio, tradicionalmente refratário ao petismo.

A senadora já foi recebida algumas vezes em audiências no Palácio do Planalto não como representante do Congresso, mas como presidente da CNA. Nem os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso costumavam receber líderes da entidade. O setor reclama que em governos anteriores, somente a Confederação Nacional da Indústria (CNI) tinha voz ativa no Executivo federal.

É nesse contexto que a ida de Kátia Abreu para o PMDB - partido do vice-presidente da República, Michel Temer, e aliado preferencial do PT em 2014 - representa uma maior proximidade da senadora com Dilma e uma guinada em sua trajetória política.

Proximidade. Kátia Abreu era filiada ao PFL, que depois se transformou no DEM, partido que fez a mais contundente oposição ao governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2011, foi para o PSD do ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab - que é apadrinhado pelo ex-governador paulista, José Serra, do PSDB, opositor da presidente e Dilma. Com a ida para o PMDB, a senadora vai para o lado do governo.

Apesar disso, Kátia Abreu deixa na cúpula do PSD do Tocantins seu filho, o deputado federal Irajá Abreu.

Questionada sobre a mudança tão radical, Kátia Abreu responde que não foi sua ideologia que se transformou, mas o governo que mudou seu modo de agir, dando atenção à CNA e ao setor agropecuário. A opinião crítica sobre o ex-presidente Lula, porém, não mudou.

Mas a filiação da senadora no PMDB causou descontentamento em corrente dos ruralistas que repudiam sua aproximação com o PT.

MST. Por outro lado, petistas mais radicais e ligados a movimentos sociais também criticam a presença de Kátia Abreu no principal aliado do PT, que se forjou com o apoio do Movimento dos Sem Terra (MST).

O próprio movimento também faz sua crítica. Para o coordenador-geral do MST, Alexandre Conceição, "Kátia Abreu representa os interesses do latifúndio atrasado, independentemente do partido dela".

"Essa mudança representa apenas um acerto para a disputa das eleições de 2014. O Brasil precisa de uma Assembleia Constituinte para fazer uma reforma política e acabar com o comércio de partidos", afirma o coordenador. 

Leia a notícia SOBRE A INVASÃO INDIGENA À CNA no site do Estadão

Veja imagens da invasão:

Indios CNA - 07

Indios CNA - 06

Indios CNA - 02

Indios CNA - 05

Indios CNA - 01

Índios fazem enterro simbólico de ministros e parlamentares em Brasília

Inconformados com projetos de lei que atingem povos indígenas, cerca de 1,5 mil índios de todo o país fizeram um enterro simbólico de parlamentares e ministros no gramado em frente ao Congresso Nacional. Líderes indígenas também entregaram um documento a deputados listando as reivindicações de mais de cem etnias que vieram a Brasília protestar contra propostas que tramitam no parlamento.

Os índios criticam, entre outros projetos, a Proposta de Emenda à Constituição que altera as regras de demarcação de reservas indígenas. Em razão da pressão dos indígenas, o presidente em exercício da Câmara, deputado André Vargas (PT-PR), sinalizou nesta quarta que a tendência é que a PEC 215 seja arquivada. Para registrar a insatisfação com os projetos de lei, os índios decidiram promover um enterro de congressistas da bancada ruralista e integrantes do governo federal que eles consideram inimigos da causa indígena.

Veja a notícia na íntegra no site do G1

Foto do enterro simbólico - 01

Foto: Fabiano Costa/G1

Foto do enterro simbólico - 02

Foto: Fabiano Costa/G1

Índios ocupam prédio da Confederação da Agricultura em Brasília

O movimento indígena, que está em Brasília protestando por terras, ocupa, nesta quinta-feira (3), a sede da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), na capital federal. São aproximadamente 500 indígenas de 70 etinias diferentes.

O grupo teria quebrado a porta principal que dá acesso ao prédio, e ocupam a sede da confederação, que fica na Asa Norte, região central de Brasília. Com arcos, flechas e lanças, os inídios realizam suas danças com cantos tradicionais, como forma de protestar contra propostas que tramitam no Congresso que podem alterar a demarcação de terras indígenas.

Confira a notícia na íntegra no site do R7

Fonte: Estadão + G1 + R7

11 comentários

  • Lourivaldo Verga Barra do Bugres - MT

    A ciência diz que há no espaço cósmico o buraco negro que engole tudo que se aproxima ou está em volta. Tudo mesmo até galáxias! nós vamos ser engolidos pelo buraco vermelho. Só faltava a Kátia Abreu se juntar ao governo. O fim está próximo! Até a sede da nossa entidade maior foi invadida. O desafio chegou ao extremo para os produtores. Até quando...´?

    0
  • Paulo Roberto Espires Maringá - PR

    Indio reivindicando carteira de trabalho, escola, curso tecnico de especializacao vc nunca vai encontrar. agora para tomar terras produtivas terras prontas com alto valor comercial e com alta produtividade, ai sim tem um monte de indio querendo. Nas florestas no amazonas em outras regioes de floresta ai nao tem nenhum indio querendo, eles querem tudo pronto e pra nao fazer nada ja que eles sao inimputaveis e as terras demarcadas pertencem a uniao, eles nao podem fazer um financiamento nao tem infra estrutura nenhuma para poder produzir. As terras onde abrigam 100 produtores rurais mal da pra abrigar um (01) indio. é um absurdo.

    0
  • Raijan Cezar Mascarello Sapezal - MT

    A desunião dos Agricultores e Pecuaristas do Brasil só podia dar nisso!!
    As ONGS, INDIOS, FUNAI< e etc... eles sim são organizados. Fazem a pressão na hora certa, no local certo, e são persistente!!
    Os agricultores ( me encaixo nessa tbm) quando fazem alguma manifestação, fazem tudo dentro da ordem, certinho, com medo de tudo!!
    O QUE PRECISA SER FEITO É O QUE ESSAS ONGS FAZEM, CHAMAR A ATENÇÃO DO MUNDO!! QUEBRANDO, ENTRANDO EM CONFRONTO COM O QUE TIVER NA FRENTE, AÍ SIM VAMOS SER VISTOS!!

    0
  • salvador reis neto santa teresa do oeste - PR

    enquanto catia abreu se preocupa com seu futuro politico, faz sei la o o que com o dinheiro que pagamos a cna!!! e isso o que acontece os índios tomando conta ate da casa dela.

    0
  • Clarice Rauber Dumke Toledo - PR

    Cadê a força Nacional,mas se fosse os produtores rurais fazer isso estaria todos na cadeia.

    0
  • Antônio Moacir Pfeffer Corbélia - PR

    Enquanto os agricultores estão trabalhando e cuidado de seus afazeres, da família, e tentando pagar seus investimentos junto aos bancos, essa corja de vagabundo, essas ONGs ficam viajando e passeando com dinheiro público. Arrumam tempo para isso por que não fazem nada.

    0
  • Antônio Moacir Pfeffer Corbélia - PR

    Hoje em dia, no Brasil, a agricultura precisa travar uma batalha todo dia. Não bastasse os problemas climáticos, inerentes à profissão, necessitamos ainda, travar verdadeiras guerras contra todo tipo de ONG, contra ambientalistas que só estão preocupados em viver à custa do dinheiro liberado pelos governos que às apóiam. Temos ainda que nos debater com promotores de justiça que impedem a liberalização de produtos fitossanitários. Somos proibidos de circular com nossas máquinas em vias públicas. Não podemos lavar nossos equipamentos dentro dos perímetros urbanos. Os movimentos sociais, como o MST, pastoral da terra, e muitos outros, todos os dias criando maneiras mil de atrapalhar o agronegocio. Índios, qulombolas querendo tirar terras produtivas de agricultores estabelecidos a décadas. O que me deixa muito indignado, é que esses grupos só querem terras preparadas, perto de asfalto e/ou cidades. Não querem enfrentar o sertão.

    0
  • Saulo Roberto neves Guanambi - BA

    quem paga o deslocamento, desse monte de marginais, para invadir e saquear propriedades alheias?até quando vamos assistir bovinamente a sociedade urbana manipular esses marginais ? até quando seremos humilhados?sim,sinto pelos produtores expulsos em posto da mata, em buerarema, como se comigo fora .será que nunca vamos reagir? toda ação pede uma reação à altura.

    0
  • João Alves da Fonseca Paracatu - MG

    O curioso nesta história de índio,quilombola e campesinos é que das classes referidas esta gente não têm nada( são ONGS ),mais curioso ainda é que acabaram com os nativos do EUA e ainda fizeram filme de faroeste,ganharam dinheiro e agora diante da competitividade do produtor brasileiro ,querem derrubá-lo,custe o que custar... ora seus desocupados ,vão caçar o que fazer, pelo menos produzir sua própria comida ,bando de vagabundos!

    0
  • JOAO AUGUSTO PHILIPPSEN Santo Augusto - RS

    É fogo amigo!!!!!!!!!Aproveitam e ja ficam por ai mesmo, a Kátia é VERMELHA, miguinha, tá dominada.

    0
  • alexandre janene costa Londrina - PR

    Boa tarde amigos produtores, na verdade deveriamos doar de uma vez nossas propriedades , tamanha incompetência nossa e tirar o chapéu para organização dos índios , eles se organizam e fazem o maior barulho enquanto ficamos parados esperando o governo tomar nossas terras , parabéns pela aula índios.

    0