Índios descumprem ordem judicial no Mato Grosso do Sul e produtores organizam força privada para reaver imóveis invadidos

Publicado em 08/11/2013 15:43 1024 exibições

A Polícia Federal informou hoje que o grupo de indígenas que invadiu a fazenda Chaparral no Mato Grosso do Sul no dia 23 de outubro, se recusa a deixar o local. A área teve mandado de reintegração de posse expedido pela Justiça Federal na última terça-feira, dia 05 de novembro. A Funai se recusa a comentar o assunto enquanto produtores rurais organizam fundo para financiar força privada para reaver os imóveis.

Um oficial de Justiça e o Delegado da Polícia Federal, Alcídio de Souza, entregaram aos índios a notificação judicial para que deixassem o imóvel. "Ordem judicial é para ser cumprida", disse o Delegado aos índios. Mas os índios se recusaram a ter ciência do ofício que continha a decisão judicial, abrindo mão da negociação.

A corporação relata que o clima na região é tenso e que tem mantido uma base operacional no local para evitar conflitos. Segundo informações do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), estradas vicinais que dão acesso a propriedades rurais na localidade estão bloqueadas. A Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) afirma que há 14 áreas ocupadas na região, enquanto a última informação repassada pela Fundação Nacional do Índio (Funai) aponta quatro.

Luiz Carlos Tormena, 60 anos, dono da Chaparral, confirma que policiais federais e um oficial de justiça estiveram em sua propriedade na quarta. "Os índios não deixaram entrar", conta. "É difícil, pois todo mundo [fazendeiros da região] está na rua", completa. A fazenda Chaparral foi inserida na terra indígena Ivy Katu através de um processo de ampliação da Terra Indígena Porto Lindo feito pela Funai.

O assessor jurídico da Famasul, Carlo Daniel Coldibelli, criticou a ocupação das fazendas como forma de reivindicação política e o processo de demarcação de terras feito pela Funai. "A invasão é um crime, desrespeito à propriedade privada. E o processo de identificação e demarcação não ocorre para regularizar áreas, mas para criar novas terras indígenas".

Já o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) criticou a atuação do delegado de Polícia Federal, Alcídio de Souza Araújo, durante negociação com os indígenas na quarta. Segundo o conselho, ele fez ameaças à comunidade. Entretanto, um vídeo divulgado na internet desmente a alegação do Cimi.

Enquanto a Fazenda permanece invadida mesmo com mandado de reintegração de posse, um grupo com cerca de 50 produtores rurais se reuniu na noite de ontem, no auditório da Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul), para organizar a realização de leilões de gado como forma de arrecadar recursos para custear a contratação de empresas de segurança para tentar fazer cumprir as ordem judiciais.

O presidente da Acrissul, Chico Maia, idealizador da proposta do leilão afirma que os produtores rurais não acreditam mais na justiça do Estado brasileiro. “A Constituição garante que é direito do cidadão defender seu patrimônio, sua vida. Precisamos de recurso para mobilização”, disse Chico Maia.

Fonte:
Blog Questão Indígena

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • Adoniran Antunes de Oliveira Campo Mourão - PR

    Os produtores prejudicados pelas invasoes dos bebuns indigenas,que estao abusando da paciencia de quem produz,só tem mesmo é que organizar uma força para que a lei seja cumprida,na "marra"se necessário for.Esta gente(indigenas) e os safados da Funai,da Cimi,da Cnbb,tem que sentir na carne todo o mal que estao fazendo passar os pequenos,medios e grandes produtores deste país,sustentáculo do PIB nacional,e geradores do dinheiro que os ptralhas se põe a roubar avassaloradamente.Temos que defender,se necessário com sangue nosso direito de propriedade que nao é respeitado por esta gente que quer instaurar o comunismo em nossa naçao.MS,deem o troco a Lulla,delcidio,dilma e outros vigaristas quando estejam aí pedindo voto,atirando=lhes ovos podres,tomates idem, e vaiem,muita vaia para mostrar a estes ladroes abjetos que os produtores já estao cansados de aguentar tamanha humilhaçao e falta de reconhecimento pelo muito que fazem pelo país.

    0
  • ADILIO TEIXEIRA DA SILVA Jaíba - MG

    Os agricultores deram todas as chances para a justiça cumprir a lei. Tá na cara que nem Dilma,nem joaquim,nem renam estão interessados em defender os agricultores. A etnias estão querendo cotas em tudo. A proxima bola da vez poderá ser a industria ou o comercio.Só assim esqueceriam os agricultores.

    0